Gostou do artigo? Compartilhe!

Doença da urina preta - o que se sabe até o momento?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a doença da urina1 preta?

Recentemente, em dezembro de 2015, o estado da Bahia começou a registrar uma misteriosa doença que deixa a urina1 preta. Outros estados do nordeste brasileiro também publicaram alerta para monitorar problemas, mas até o momento apenas Bahia e Ceará tiveram casos suspeitos. Além dessa peculiar coloração da urina1, a doença causa fortes dores musculares.

Doenças da urina1 preta, sem garantias de que sejam as mesmas da doença atual, já foram observadas anteriormente. Entre os anos de 1934 e 1984, casos similares foram descritos na Suécia e na União Soviética. Nos EUA, os primeiros casos foram registrados em 1984 e foram de novo registrados em 2001. No Brasil, o Estado do Amazonas registrou, em 2008, um surto de pessoas afetadas, associado ao consumo de peixes. Em 2010, a China fez alguns registros, todos causados pela ingestão de peixes.

Quais são as causas da doença da urina1 preta?

A causa definitiva da atual doença da urina1 preta ainda é desconhecida. Cientistas brasileiros e americanos estão analisando amostras de pacientes com a doença, em busca de esclarecer a sua causa. No momento, tudo que há são algumas suspeitas. Uma delas é a contaminação por metal pesado em peixes que seriam consumidos pelas vítimas. Outra é de natureza viral, devido à presença imaginada do Paraechovirus, o qual já causou surtos no Japão e na Dinamarca, sendo este transmitido pela saliva ou pela respiração.

A possibilidade de que ela seja causada por bactéria2 ainda não pode ser afastada, embora seja menos provável. Há uma doença chamada “mialgia epidêmica” ou doença de Bornholm, causada pelo enterovírus3 Coxsackie, que causa exatamente os mesmos sintomas4 que a atual doença da urina1 preta. Da mesma forma, a doença de Haff, identificada em 1924, frequentemente é acompanhada por urina1 escura e exibe as demais características da doença agora registrada.

Quais são as principais características clínicas da doença da urina1 preta?

Segundo as primeiras observações clínicas do atual surto da doença, os pacientes apresentam dores musculares intensas de início súbito, principalmente na região cervical, membros inferiores e superiores. A dor aparece mesmo ao toque do corpo, além disso podem estar presentes dores articulares, suor excessivo, urina1 escura e até mesmo alterações das funções dos rins5.

A literatura reporta que anteriormente houve síndromes semelhantes a esta da Bahia, decorrentes de uma toxina6 ingerida por peixes.

Como o médico diagnostica a doença da urina1 preta?

O diagnóstico7 clínico é feito pelos sintomas4. Todos os pacientes com a doença tiveram elevações significativas na dosagem da enzima8 muscular creatinofosfoquinase (CPK), que compromete a função renal9 e pode levar à insuficiência renal10.

Saiba mais sobre "Insuficiência renal10 aguda", "Insuficiência renal10 crônica" e "Miopatias".

Como o médico trata a doença da urina1 preta?

Por enquanto não há nenhum tratamento específico para a doença, já que não há certeza sobre suas causas. Os tratamentos estabelecidos são de suporte, principalmente hidratação intensa por 48 a 72 horas.

Quais são as complicações possíveis da doença da urina1 preta?

Foram registrados alguns casos de morte cujas causas estão sendo investigadas (insuficiência renal10?).

Veja também os artigos sobre "Desidratação11" e "Soro12 caseiro - como fazer?".

 

ABCMED, 2017. Doença da urina preta - o que se sabe até o momento?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1287583/doenca-da-urina-preta-o-que-se-sabe-ate-o-momento.htm>. Acesso em: 4 dez. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
2 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
3 Enterovírus: Grupo de picornavírus, geralmente presentes no intestino, que podem causar doenças respiratórias ou do tecido nervoso como, por exemplo, no homem, a poliomielite e, nos animais, a febre aftosa.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
6 Toxina: Substância tóxica, especialmente uma proteína, produzida durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capaz de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
7 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
8 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
9 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
10 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
11 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
12 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.