Gostou do artigo? Compartilhe!

Mancha amarela no olho: pode ser pinguécula ocular!

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é pinguécula ocular?

Pinguécula refere-se a uma elevação de coloração amarelada na junção da córnea1 com a esclera2. Na verdade, a pinguécula é um tumor3 ocular benigno que se manifesta através de uma mancha amarelada em formato triangular ou através de um aumento de volume do branco do olho4.

Quais são as causas da pinguécula ocular?

A pinguécula é causada por uma mudança repentina do tecido5 conjuntival normal (degenerescência da conjuntiva6 ocular), ocasionando o armazenamento de substâncias proteicas e lipídicas. Pode surgir também devido à exposição crônica dos olhos7 à luz do sol, poeira ou vento.

Qual é o mecanismo fisiológico8 da pinguécula ocular?

As pinguéculas são mais comuns do lado da córnea1 mais próximo ao nariz9, mas também podem crescer junto à córnea1, do outro lado. Uma pinguécula se forma quando o tecido5 da conjuntiva6 se altera criando um pequeno nódulo10. Normalmente, esses nódulos acumulam proteína, gordura11 e cálcio. A razão para esta alteração não é totalmente compreendida, mas está ligada à frequente exposição à luz solar, à poeira ou ao vento. As pinguéculas também podem se tornar mais comuns com o envelhecimento. A maioria das pessoas com mais de 80 anos tem uma pinguécula.

Quais são as principais características clínicas da pinguécula ocular?

Conforme as características de cada caso, os sintomas12 podem variar de leves a graves. A avaliação do quadro clínico é feita a partir do aspecto da pinguécula e da região do olho4 em que se localiza. A pinguécula é mais comum em indivíduos de meia idade ou idosos que foram expostos aos raios solares a maior parte da vida, embora também possa ser encontrada em crianças e jovens.

Tipicamente, surge na área de abertura palpebral que fica exposta aos raios solares. A sintomatologia da pinguécula ocular costuma ser restrita. Quando se torna elevada pode ocasionar a sensação de irritação ou de que há areia ou um corpo estranho no olho4. A área atingida também pode ficar avermelhada e coçar, o que ajuda a desenvolver um quadro de inflamação13, condição denominada pingueculite.

Como o médico diagnostica a pinguécula ocular?

O diagnóstico14 da pinguécula é feito por observação. Um diferencial tem de ser feito entre as pinguéculas e os pterígios. Ambos são tumores que podem se formar no olho4. São parecidos, mas têm algumas distinções bem marcadas e aspectos diferentes. Os pterígios são ovais, alongados ou redondos, têm a cor da pele15 e geralmente crescem em cima da córnea1, diferente da pinguécula.

Saiba mais sobre "Pterígio", "Calázio", "Terçol ou hordéolo" e "Degeneração macular16".

Como o médico trata a pinguécula ocular?

O tratamento depende da gravidade do quadro clínico. Os pacientes com pinguécula devem proteger a conjuntiva6 ocular por meio de óculos escuros adequados. Além disso, o uso de colírios lubrificantes auxilia no alívio dos sintomas12 brandos, enquanto os colírios com anti-inflamatórios devem ser utilizados em casos mais graves. Se houver dor no olho4, o paciente pode usar uma pomada ou colírio17 para diminuir a irritação.

Também existe a opção de remoção cirúrgica da pinguécula nos casos mais severos, quando esta condição está afetando a visão18, o ato de piscar ou o uso de lentes de contato. No entanto, raramente se retira esse tumor3, sendo que em grande parte dos casos não há nem mesmo necessidade de qualquer tratamento porque a pinguécula não prejudica a córnea1.

Como evolui em geral a pinguécula ocular?

Algumas pinguéculas normalmente aparecem ao lado da córnea1 e podem aumentar de tamanho, mas isso só ocorre muito lenta e raramente.

Como prevenir a pinguécula ocular e suas complicações?

Para prevenir esses tumores, indica-se o uso de óculos escuros de boa qualidade e com lentes com filtros para raios ultravioletas. Os mais indicados são aqueles com bloqueador de raios UVA e UVB. Além disso, os óculos de sol protegem os olhos7 de agressões externas, como a poeira e o vento. O uso de lágrimas artificiais ajuda a manter os olhos7 hidratados. Os óculos protetores são muito importantes em ambientes muito secos ou empoeirados.

Quais são as complicações possíveis da pinguécula ocular?

Normalmente a pinguécula não gera complicações, embora possa ser recorrente.

Veja também sobre "Miopia19", "Hipermetropia20", "Catarata21", "Descolamento de retina22", "Ceratocone", "Escotomas23", "Fundo de olho24" e "Retinografia25".

 

ABCMED, 2017. Mancha amarela no olho: pode ser pinguécula ocular!. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-dos-olhos/1293238/mancha-amarela-no-olho-pode-ser-pinguecula-ocular.htm>. Acesso em: 22 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
2 Esclera: Túnica fibrosa, branca e opaca, mais externa do globo ocular, revestindo-o inteiramente com exceção do segmento revestido anteriormente pela córnea. É essencialmente avascular, porém contém aberturas para a passagem de vasos sanguíneos, linfáticos e nervos. Recebe os tendões de inserção dos músculos extraoculares e no nível da junção esclerocorneal contém o seio venoso da esclera. Sinônimos: Esclerótica
3 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
4 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
5 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
6 Conjuntiva: Membrana mucosa que reveste a superfície posterior das pálpebras e a superfície pericorneal anterior do globo ocular.
7 Olhos:
8 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
9 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
10 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
11 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
14 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
15 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
16 Degeneração macular: A degeneração macular destrói gradualmente a visão central, afetando a mácula, parte do olho que permite enxergar detalhes finos necessários para realizar tarefas diárias tais como ler e dirigir. Existem duas formas - úmida e seca. Na forma úmida, há crescimento anormal de vasos sanguíneos no fundo do olho, podendo extravasar fluidos que prejudicam a visão central. Na forma seca, que é a mais comum e menos grave, há acúmulo de resíduos do metabolismo celular da retina, aliado a graus variáveis de atrofia do tecido retiniano, causando uma perda visual central, de progressão lenta, podendo dificultar a realização de algumas atividades como ler e escrever ou a identificação de traços de fisionomia.
17 Colírio: Preparação farmacológica líquida na qual se encontram dissolvidas diferentes drogas que atuam na conjuntiva ocular.
18 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
19 Miopia: Incapacidade para ver de forma clara objetos que se encontram distantes do olho.Origina-se de uma alteração dos meios de refração do olho, alteração esta que pode ser corrigida com o uso de lentes especiais, e mais recentemente com o uso de cirurgia a laser.
20 Hipermetropia: Transtorno ocular em que existe uma dificuldade para ver objetos de perto. Origina-se de uma alteração dos meios de refração do olho, alteração esta que pode ser corrigida com o uso de lentes especiais e, mais recentemente, com o uso de cirurgia a laser.
21 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
22 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
23 Escotomas: Regiões da retina em que há perda ou ausência da acuidade visual devido a patologias oculares.
24 Fundo de olho: Fundoscopia, oftalmoscopia ou exame de fundo de olho é o exame em que se visualizam as estruturas do segmento posterior do olho (cabeça do nervo óptico, retina, vasos retinianos e coroide), dando atenção especialmente a região central da retina, denominada mácula. O principal aparelho utilizado pelo clínico para realização do exame de fundo de olho é o oftalmoscópio direto. O oftalmologista usa o oftalmoscópio indireto e a lâmpada de fenda.
25 Retinografia: É uma fotografia da retina ou do nervo óptico que é feita com auxílio do retinógrafo. As principais indicações são para diagnóstico e acompanhamento das doenças vítreo retinianas, glaucoma e doenças do nervo óptico. O exame deve ser feito com a pupila dilatada e demora cerca de 5 a 10 minutos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Oftalmologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.