Atalho: 67DO0OD
Gostou do artigo? Compartilhe!

Meus cabelos estão caindo - a calvície masculina tem solução?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é calvície1?

A calvície1 é uma forma de alopecia2 progressiva (perda de cabelos), em geral devido a fatores hereditários. O tipo mais comum é a alopecia2 androgenética ou androgênica, também chamada de calvície1 de padrão masculino. Estima-se que a calvície1 atinja quase metade dos homens.

Aproximadamente 40 milhões de brasileiros são calvos. Entre os homens que têm os fatores genéticos como causa predominante, 80% desenvolvem a perda de cabelos entre 24 e 26 anos, 15% apresentam os sintomas3 aos 17 anos e em 5% ela aparece depois dos 30 anos. Dos calvos, 50% são brancos, 30% amarelos e 20% negros. Cerca de 5% dos calvos são mulheres.

Por que os cabelos caem?

Nem toda queda de cabelos tem a mesma intensidade, as mesmas características clínicas e o mesmo curso final da calvície1. Os cabelos caem devido a um processo de envelhecimento dos fios, à progressão da idade da pessoa, a certas doenças sistêmicas e a medicações citotóxicas usadas para tratar o câncer4.

Como é conviver com a calvície1?

A maioria dos calvos convive muito mal com a sua calvície1 e têm reações que vão da insegurança ao desespero, adotando as mais diversas e esdrúxulas providências para solucioná-la, que geralmente nada resolvem.

A calvície1 masculina está relacionada a uma série de mitos injustificáveis como, por exemplo, ser sinal5 de menor virilidade, impotência6 ou velhice, o que não condiz com a realidade.

Uma grande maioria dos calvos que vão aos consultórios por causa de sua calvície1 (cerca de 70% deles) praticamente transforma isso em um pedido de socorro. Mas há também os que assumem “numa boa” a sua condição e convivem com ela de maneira pacífica e bem humorada.

Quais as causas da calvície1?

Os cabelos cumprem um ciclo de vida e morte, com duração de alguns anos. Os 100 mil a 150 mil fios de cabelo7 existentes na cabeça8 de uma pessoa estão continuamente se renovando. Antes de caírem, eles degeneram e afinam.

Nos calvos o processo é mais acentuado, mais rápido ou os cabelos nem chegam a nascer. O afilamento e a queda dos cabelos dependem da presença da dihidrotestosterona9 (DHT) nos folículos capilares10. Esta, por sua vez, resulta da transformação da testosterona através da enzima11 5-alfa-redutase tipo 2, existente em todas as pessoas. Assim, alguém que tenha nascido com uma tendência a ter essa enzima11 em quantidades maiores do que as normais ou que tenha um número de receptores maiores para ela terá maior tendência à calvície1.

Como se diagnostica a calvície1 androgenética?

De um modo geral, o diagnóstico12 da calvície1 androgenética não apresenta dificuldades.

Dois critérios fáceis podem ser usados:

  • Padrão clínico: calvície1 iniciando na região frontal, progredindo para a parte posterior e para o alto da cabeça8 com preservação das laterais;
  • Uma biópsia13 de pequenos fragmentos14 do couro cabeludo permite ao patologista15 calcular a quantidade de 5-alfa-redutase tipo 2 presente.

Qual o tratamento da calvície1?

O tratamento da calvície1 consiste na prevenção da queda de cabelos ou na tentativa de recuperar aqueles fios já perdidos. Quanto ao primeiro quesito, estão disponíveis algumas medicações:

  • Finasterida (Propécia): talvez seja o medicamento mais efetivo. Ela inibe a produção da DHT e, com isso, impede a queda de cabelo7. É usada na forma de comprimidos diários.
  • Minoxidil (Regaine): loção de aplicação tópica que visa melhorar a vascularização dos folículos capilares10 atrofiados.

No entanto, se você já for careca, relaxe: em uma pesquisa realizada entre mulheres americanas foi constatado que uma careca completa é mais atraente do que uma careca parcial.

Além disso, você pode tomar algumas medidas como fazer um implante16 capilar17. Algumas pessoas consideram boa a resposta alcançada após um implante16.

ABCMED, 2011. Meus cabelos estão caindo - a calvície masculina tem solução?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-do-homem/248415/meus-cabelos-estao-caindo-a-calvicie-masculina-tem-solucao.htm>. Acesso em: 9 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Calvície: Também chamada de alopécia androgenética é uma manifestação fisiológica que ocorre em indivíduos geneticamente predispostos, sendo que a herança genética pode vir do lado paterno ou materno. É resultado da estimulação dos folículos pilosos por hormônios masculinos que começam a ser produzidos na adolescência (testosterona). Ao atingir o couro cabeludo de pacientes com tendência genética para a calvície, a testosterona sofre a ação de uma enzima, a 5-alfa-redutase, e é transformada em diidrotestosterona (DHT). É a DHT que vai agir sobre os folículos pilosos promovendo a sua diminuição progressiva. O resultado final deste processo de diminuição e afinamento dos fios de cabelo é a calvície.
2 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
6 Impotência: Incapacidade para ter ou manter a ereção para atividades sexuais. Também chamada de disfunção erétil.
7 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
8 Cabeça:
9 Dihidrotestosterona: Metabólito da testosterona que é de fato um andrógeno mais potente, devido ao fato de se ligar mais fortemente aos receptores andrógenos.
10 Capilares: Minúsculos vasos que conectam as arteríolas e vênulas.
11 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
14 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
15 Patologista: Estudioso ou especialista em patologia, que é a especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo.
16 Implante: 1. Em cirurgia e odontologia é o material retirado do próprio indivíduo, de outrem ou artificialmente elaborado que é inserido ou enxertado em uma estrutura orgânica, de modo a fazer parte integrante dela. 2. Na medicina, é qualquer material natural ou artificial inserido ou enxertado no organismo. 3. Em patologia, é uma célula ou fragmento de tecido, especialmente de tumores, que migra para outro local do organismo, com subsequente crescimento.
17 Capilar: 1. Na medicina, diz-se de ou tubo endotelial muito fino que liga a circulação arterial à venosa. Qualquer vaso. 2. Na física, diz-se de ou tubo, em geral de vidro, cujo diâmetro interno é diminuto. 3. Relativo a cabelo, fino como fio de cabelo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.