Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é autoestima? Como melhorá-la?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é autoestima?

Estima (substantivo feminino) é o sentimento de carinho ou de apreço em relação a alguém ou algo; admiração e respeito que se sente por alguém, advindos do reconhecimento de seu valor moral, profissional, etc. Afeição, afeto.

Autoestima é a estima que a pessoa tem por ela própria, pois o prefixo "auto" significa "por si mesmo". A autoestima é, pois, uma avaliação positiva ou negativa que uma pessoa faz de si mesma a partir de emoções, ações, crenças, comportamentos ou qualquer outro tipo de conhecimento de si próprio. Pode existir, então, uma alta ou uma baixa autoestima.

Quais são as causas e repercussões da autoestima?

Possivelmente, existe um fator natural, hereditário, na determinação da autoestima. Algumas pessoas desde sempre são mais eufóricas, autoconfiantes e positivas com relação a si próprias e outras são mais contidas, inseguras e negativistas. As primeiras têm uma melhor avaliação de si mesmas que as segundas.

O sentimento de culpa é um acompanhante muito frequente da baixa autoestima. Usualmente ele é entendido como uma reação a eventos reais, tem também uma raiz endógena desvinculada da realidade, como demonstrado por certos tipos de enfermidades depressivas. A própria religião reconhece haver uma “culpa original”, inextrincavelmente associada à existência. No entanto, fatores ambientais parecem ter uma grande (e às vezes maior) importância. Por um lado, esse sentimento depende de quão positiva ou negativamente são avaliados os desempenhos da pessoa desde sua mais tenra infância. Por outro, ele depende também de como o próprio indivíduo avalia seus resultados como fracassos ou sucessos e de que suas atividades terminem ou não exitosamente.

Em sentido próprio, pode-se falar de uma alta autoestima ou de uma baixa autoestima. Essas atitudes repercutem no estado de maior ou menor satisfação consigo mesmo, no desempenho das atividades à frente e na qualidade do convívio com outras pessoas. Uma alta ou baixa autoestima repercutem positiva ou negativamente nos resultados e desempenho de uma pessoa, estabelecendo um círculo que se autoalimenta.

Leia sobre "Sentimento de culpa", "Transtorno de esquiva", "Timidez", "Inveja" e "Neuroticismo1".

Quais são os sinais2 de uma alta ou de uma baixa autoestima?

Uma alta autoestima se expressa pelo conjunto de sentimentos e pensamentos positivos do indivíduo sobre seu próprio valor, competência e adequação. Acompanha-se de um estado elevado do humor, numa pessoa geralmente hiperativa, otimista e autoconfiante. Essa alta estima de si mesmo pode estar patologicamente exagerada nos estados maníacos das psicoses bipolares, antiga psicose3 maníaco-depressiva, podendo mesmo chegar ao delírio4.

As pessoas que têm boa ou alta autoestima costumam apresentar os seguintes comportamentos:

  1. Facilidade para mudar.
  2. Não costumam conviver com pessoas ou ambientes negativos ou desfavoráveis.
  3. Confiam em si mesmas e não costumam levar em consideração o julgamento de outras pessoas.
  4. Seus pontos fracos não são vistos como fraquezas ou defeitos, mas como aspectos a serem superados.
  5. Cuidam bem de si mesmas e, em geral, buscam bons hábitos alimentares, praticam atividades que favorecem a saúde5 e os cuidados com o corpo.
  6. Tomam atitudes bem definidas e não ficam “em cima do muro” ou em dúvidas sobre qual caminho seguir.
  7. São seguras e não costumam se autoafirmar por suas qualidades ou feitos.
  8. Não são nem modestas, nem arrogantes.
  9. Lidam bem com a solidão e o desapego.
  10. Sabem dizer não.

Uma baixa autoestima é mais do que uma simples insatisfação consigo mesmo. A pessoa que sofre desse mal tende a interpretar fatos e sinais2 de uma maneira desfavorável e tem uma visão6 extremamente negativa de si mesma, o tempo todo.

Uma autoestima rebaixada pode se expressar por uma negatividade sistemática em relação a si mesmo, manifestada por:

  1. Não acreditar no seu potencial para executar e conquistar algumas funções ou tarefas.
  2. Ter o hábito de se justificar ou encontrar outros culpados para o que dá errado na sua vida ou pelo que aparece de problema.
  3. Ter timidez em excesso.
  4. Medo de ser rejeitado.
  5. Problematizar as suas limitações.
  6. Precisar de elogios e reconhecimento dos outros e mesmo assim não se sentir consistentemente satisfeito consigo mesmo.
  7. Não saber receber críticas.
  8. Estar sempre se comparando aos outros.
  9. Às vezes precisar inferiorizar outras pessoas para se sentir melhor.
  10. Ter por hábito a procrastinação e o perfeccionismo.
  11. Não possuir amor próprio.
  12. Não reconhecer suas vitórias e sucessos.

A essas manifestações se associa um ânimo também rebaixado, numa pessoa habitualmente insegura e pessimista.

Dicas de como melhorar a autoestima

  • Elimine a culpa pelo que fez ou deixou de fazer. Afinal, um dos principais motivos para uma baixa autoestima é o sentimento constante de culpa. A maioria dos seus atos tiveram motivos razoáveis, quando contextualizados.
  • Não se compare aos outros. Você é único; só você faz as coisas do modo que faz; só você vive do modo que vive. A comparação faz você acreditar que o seu sucesso só será alcançado quando superar o de outras pessoas, o que não é verdade.
  • Não crie a ideia de que porque você cometeu um erro no passado, agora irá cometê-lo novamente.
  • Encontre forças para confiar nos seus movimentos e levar sua vida para onde você deseja. Assim, é muito mais fácil conseguir alcançar seus objetivos quando sua mente já está inclinada em acreditar no seu sucesso.
  • Não deixe que um erro cometido seja razão para que você desanime. Seja mais compassivo com seus erros e veja-os como uma oportunidade de superação. Cometer um erro não te torna uma má pessoa.
  • Encontre o que funciona melhor para a sua satisfação e volte a isso sempre que sentir que sua autoestima esteja diminuindo.
  • Seja sincero consigo mesmo e com os outros. Mentir faz você cair em situações danosas e diminui seu respeito por você mesmo.
  • Certamente sua vida não foi apenas feita a partir de erros. Comemore suas vitórias e as valorize sempre, sem arrogância.
  • O mais importante ato de crescimento da autoestima é viver no agora. Viver no presente é o melhor presente que você pode dar a si mesmo.
  • Trabalhe para que você se conheça cada vez mais.
  • Cultive os pensamentos positivos.
Veja também sobre "Meditação", "Mindfulness" e "Maneiras de lidar com o estresse".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites do National Health Service (UK), da Mayo Clinic e do Johns Hopkins All Children's Hospital.

ABCMED, 2020. O que é autoestima? Como melhorá-la?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/1374838/o-que-e-autoestima-como-melhora-la.htm>. Acesso em: 24 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Neuroticismo: Compreende um domínio da personalidade. As características dele são muito associadas a dimensões neuróticas da personalidade, como ansiedade, depressão, tensão, irracionalidade; geralmente apresenta características de baixa auto-estima e tendência a sentimentos de culpa.
2 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
3 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
4 Delírio: Delirio é uma crença sem evidência, acompanhada de uma excepcional convicção irrefutável pelo argumento lógico. Ele se dá com plena lucidez de consciência e não há fatores orgânicos.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.