Gostou do artigo? Compartilhe!

Unhas quebradiças - o que dá para fazer? Por que elas ficam assim?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Anatomia das unhas1

As unhas1 são constituídas por uma placa2 retangular queratinizada, apoiada sobre o leito ungueal3, a qual é formada por três camadas e tem a função de proteger as extremidades dos dedos. Sua matriz geradora, situada em sua raiz, é a estrutura reprodutiva que dá origem à lâmina ungueal3 e é constituída por um epitélio4 que a fixa ao seu leito.

O crescimento das unhas1 se dá pela adição de novas células5 queratinizadas, oriundas dessa matriz. Essa matriz aparece como uma formação de coloração branca, semi-oval, na base da unha, chamada lúnula. A parte dorsal da matriz forma a cutícula6, cuja importância é impedir o acesso de fragmentos7 e microrganismos à área próxima à matriz.

As afecções8 ungueais9 que envolvem e destroem a matriz levam a sequelas10 permanentes, sob a forma de defeitos das unhas1.

Saiba mais sobre "Anomalias das unhas1".

Como se formam as unhas1?

Para entender como as unhas1 se tornam quebradiças, é necessário aprender um pouco mais sobre o processo de crescimento natural delas. As unhas das mãos11 e dos pés crescem a partir do fino semicírculo branco na sua base, conhecido como lúnula, a taxas de três milímetros por mês, as unhas das mãos11, e de 1 a 1,5 mm por mês as dos pés.

O grupo de células5 contido na lúnula produz um composto chamado queratina, que forma as unhas1 que protegem os leitos ungueais9. Quando o corpo está saudável, as unhas1 crescem com força e de forma uniforme. No entanto, se essa base é frágil, fendida ou se há mudanças na cor, isso pode indicar um desequilíbrio ou doença que está alterando a produção de queratina e, consequentemente, das unhas1.

O que são unhas1 quebradiças?

Unhas1 quebradiças são unhas1 que quebram espontaneamente ou com muita facilidade, ante pequenos traumas, e parecem rachadas, lascadas ou descamadas nas pontas, tendo dificuldades para crescer. O problema é mais comum em mulheres, embora possa acontecer também em homens. Basicamente, as unhas1 podem ser frágeis e quebradiças por se tornarem muito secas ou em virtude de estarem constantemente submetidas a muita umidade.

Leia o artigo: "Unhas1 fracas. Como fortalecê-las?".

Quais são as causas das unhas1 quebradiças?

As unhas1 se tornam quebradiças quase sempre por um ressecamento extremo ou por um excesso de umidade. Algumas doenças internas ou condições ambientais desfavoráveis que podem causar esse problema são hipotireoidismo12, fenômeno de Raynaud13, doenças da pele14 como, por exemplo, psoríase15, dermatite16 atópica e eczemas17, doenças endócrinas e desnutrição18.

Além disso, algumas pessoas tem uma predisposição genética a este tipo de problema e o envelhecimento torna as unhas1 mais frágeis e secas. Também o ar seco do verão ou o uso intensivo de ar condicionado podem causar ressecamento da unha.

Alguns outros fatores podem aumentar a chance de uma pessoa apresentar unhas1 frágeis: lavagem frequente das mãos19, exposição prolongada ao frio seco, queimadura solar, exposição excessiva a produtos químicos e lesão20 repetida das pontas dos dedos.

Leia mais sobre "Queimadura de sol", "Eczema21", "Psoríase15", "Hipotireoidismo12" e "Síndrome22 de Raynaud".

Como o médico diagnostica as unhas1 quebradiças?

O diagnóstico23 de unhas1 quebradiças já é trazido pelo próprio paciente. Ao médico cabe diagnosticar as possíveis condições causais subjacentes. A deficiência de ferro costuma ser uma causa frequente.

Como tratar as unhas1 quebradiças?

Várias vitaminas e sais minerais já foram avaliados para o tratamento de unhas1 quebradiças, mas nenhum deles se mostrou muito eficaz. Quando há uma causa subjacente identificada, o tratamento, obviamente, deve ser focalizado nela.

Como evitar ou diminuir o problema das unhas1 quebradiças?

  • Limitar o tempo de exposição das unhas1 à água e à quantidade de sabão utilizado para lavar as mãos19.
  • Hidratantes podem ser de grande auxílio. Após as mãos19 estarem bem secas, deve-se aplicar um hidratante na pele14 e nas unhas1. Podem ser hidratantes cosméticos, para pessoas com unhas1 levemente frágeis ou cujo problema se manifeste de forma intermitente24, ou um hidratante terapêutico, que age como uma barreira, impedindo a evaporação da água das unhas1. Os hidratantes devem ser passados principalmente quando as unhas1 estão sem esmaltes.
  • Usar luvas protetoras ao lavar louças com detergentes.
  • Evitar exposição prolongada das unhas1 à água (como o nadar, por exemplo).
  • Evitar exposição a produtos químicos que irritem as unhas1.
Veja também sobre "O hábito de roer as unhas1", "Biotina para cabelos e unhas1" e "Micose25 de unha".

 

ABCMED, 2017. Unhas quebradiças - o que dá para fazer? Por que elas ficam assim?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1294558/unhas-quebradicas-o-que-da-para-fazer-por-que-elas-ficam-assim.htm>. Acesso em: 20 fev. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
2 Placa: 1. Lesão achatada, semelhante à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
3 Ungueal: Relativo ou pertencente à unha, garra ou casco, ou que a eles se assemelha.
4 Epitélio: Epitélio ou tecido epitelial é um tecido constituído por células justapostas, ou seja, intimamente unidas entre si. Sua principal função é revestir a superfície externa do corpo, os órgãos e as cavidades corporais internas. Os epitélios são eficientes barreiras contra a entrada de agentes invasores e a perda de líquidos corporais. Eles têm também funções secretoras, sensoriais e de absorção. O tecido epitelial é um dos quatro tipos de tecidos básicos do nosso organismo, juntamente com os tecidos conjuntivo, muscular e nervoso.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Cutícula: 1. Na anatomia geral, é uma pequena porção de pele enrijecida, como a que está presente no contorno das unhas; pele da unha, pelinha. 2. Na anatomia botânica, é a camada de material graxo, cutina, mais ou menos impermeável, presente na parede externa das células epidérmicas das partes aéreas das plantas. 3. Na anatomia zoológica, é a camada externa, não celular, que recobre o corpo dos artrópodes.
7 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
8 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
9 Ungueais: Relativo ou pertencente à unha, garra ou casco, ou que a eles se assemelha.
10 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
11 Unhas das Mãos: Lâminas córneas e finas que cobrem a superfície dorsal das falanges distais dos dedos das mãos e dos dedos dos pés dos primatas.
12 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
13 Fenômeno de Raynaud: O fenômeno de Raynaud (ou Raynaud secundário) ocorre subsequentemente a um grande grupo de doenças, como artrite, vasculite, esclerodermia, dentre outras. Esta forma de Raynaud pode progredir para necrose e gangrena dos dedos.
14 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
15 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
16 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
17 Eczemas: Afecções alérgicas da pele, elas podem ser agudas ou crônicas, caracterizadas por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
18 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
19 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
20 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
21 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
22 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
23 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
24 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
25 Micose: Infecção produzida por fungos. Pode ser superficial, quando afeta apenas pele, mucosas e seus anexos, ou profunda, quando acomete órgãos profundos como pulmões, intestinos, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.