Gostou do artigo? Compartilhe!

Como ocorre uma luxação de ombro? O que devemos fazer quando ela acontece?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é luxação1 de ombro?

De modo geral, uma luxação1 é a perda do contato entre os ossos articulares que normalmente estão em contato por meio de cartilagens2. Quando isso acontece no ombro, temos a luxação1 do ombro. De acordo com a direção em que o úmero3 se desloca, a luxação1 pode ser anterior (80% ou mais dos casos), posterior, superior, inferior ou torácica (em fraturas de costela). A luxação1 do ombro é uma das luxações mais frequentes das grandes articulações4.

Quais são as causas da luxação1 de ombro?

A luxação1 do ombro ocorre quando uma força externa desloca a cabeça5 do úmero3 para fora da fossa glenoidal (cavidade articular localizada numa das extremidades da escápula6), ou quando isso acontece por forças mínimas, em virtude de fragilidades ou patologias dos mecanismos estabilizadores da articulação7.

A luxação1 pode ser traumática ou não traumática/habitual. Na luxação1 traumática, a articulação7 é deslocada por um forte abalo exercido diretamente sobre o ombro ou sobre o úmero3. Após o primeiro episódio, podem surgir luxações recidivantes8, devido a lesões9 articulares remanescentes ou à fraqueza do aparelho articular10. Na luxação1 não traumática ou habitual, existem fatores predisponentes que podem ser, entre outros, anomalias da cápsula articular11, malformação12 do soquete articular, fraqueza dos tecidos conjuntivos ou falha na inervação da musculatura. Na maioria das vezes, a primeira luxação1 ocorre em pacientes jovens.

Quais são os principais sinais13 e sintomas14 da luxação1 do ombro?

Os sinais13 físicos e os sintomas14 da luxação1 no ombro dependem de seu tipo, mas geralmente há dor, restrição da mobilidade da articulação7 e alteração do formato do ombro. Se houver lesões9 da artéria axilar15 ou de algum nervo, podem surgir distúrbios circulatórios, motores ou da sensibilidade do braço.

Como o médico diagnostica a luxação1 do ombro?

O diagnóstico16 da luxação1 do ombro deve partir do histórico médico e do exame físico. A aparência da luxação1 é facilmente reconhecida pelo especialista treinado. Os possíveis danos aos vasos sanguíneos17 e nervos devem ser cuidadosamente detectados e reparados, se for o caso. O diagnóstico16 pode ser confirmado através de radiografias que também podem descartar eventuais fraturas. Uma ressonância magnética18 pode ser necessária para um estudo mais apurado das alterações nas demais estruturas articulares envolvidas, além dos ossos.

Como o médico trata a luxação1 do ombro?

O tratamento da luxação1 do ombro em que não tenha havido uma fratura19 concomitante baseia-se na reposição da articulação7 em seu devido lugar por meio de manobras especiais que devem ser executadas pelo especialista. Esta reposição, extremamente dolorosa, chama-se “redução da luxação” e deve ser realizada o mais prontamente possível. Algumas pessoas necessitam de uma sedação20 ou mesmo anestesia21 antes da redução ou, pelo menos, analgésicos22 e infiltrações.

Se houver inchaço23, pode-se aplicar gelo para diminuir o processo inflamatório. Dependendo do grau de gravidade da luxação1, a articulação7 deve ser mantida em repouso numa tipoia de uma a três semanas. Em pacientes idosos, devido ao risco de um enrijecimento do ombro, o repouso e, sobretudo, a imobilização podem ser dispensados. Nas luxações complicadas ou recidivantes8, a terapia tem de ser cirúrgica, podendo ser realizada por artroscopia24 ou cirurgia aberta, conforme o caso. Depois da redução, deve ser realizada uma nova radiografia para certificar-se de que a articulação7 foi corretamente colocada no lugar. A participação de um fisioterapeuta é essencial durante o período de recuperação.

Como evolui a luxação1 do ombro?

As luxações de ombro normalmente retornam ao normal com as terapias adequadas, mas podem deixar pequenas sequelas25 se estruturas importantes forem lesadas. Em casos de complicações e de luxações repetidas, é necessária uma terapia cirúrgica.

Quais são as complicações possíveis da luxação1 do ombro?

As complicações das luxações dos ombros variam de acordo com a gravidade, idade do paciente, número de episódios, tempo em que o ombro permaneceu luxado e se houve ou não lesão26 de estruturas conexas. Dentre elas encontram-se as luxações recidivantes8, fraturas ósseas, lesões9 dos tendões27 e nervos e artrose28.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Cleveland Clinic, da Stanford Health Care e do National Health Service do Reino Unido.

ABCMED, 2015. Como ocorre uma luxação de ombro? O que devemos fazer quando ela acontece?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/ortopedia-e-saude/752332/como-ocorre-uma-luxacao-de-ombro-o-que-devemos-fazer-quando-ela-acontece.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Luxação: É o deslocamento de um ou mais ossos para fora da sua posição normal na articulação.
2 Cartilagens: Tecido resistente e flexível, de cor branca ou cinzenta, formado de grandes células inclusas em substância que apresenta tendência à calcificação e à ossificação.
3 Úmero:
4 Articulações:
5 Cabeça:
6 Escápula:
7 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
8 Recidivantes: Característica da doença que recidiva, que acontece de forma recorrente ou repetitiva.
9 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
10 Aparelho articular: O aparelho articular faz a conexão entre duas ou mais peças esqueléticas (ossos ou cartilagens) através das articulações ou junturas. Essas uniões colocam as peças do esqueleto em contato, permitem o crescimento ósseo e capacitam partes do corpo ao movimento em resposta às contrações musculares.
11 Cápsula articular: É uma membrana conjuntiva que envolve as articulações sinoviais, sendo constituída por duas camadas, uma externa ou fibrosa e outra interna ou sinovial.
12 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Artéria Axilar: Continuação da artéria subclávia. Distribui-se sobre o membro superior, axila, peito e ombro.
16 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
17 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
18 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
19 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
20 Sedação: 1. Ato ou efeito de sedar. 2. Aplicação de sedativo visando aliviar sensação física, por exemplo, de dor. 3. Diminuição de irritabilidade, de nervosismo, como efeito de sedativo. 4. Moderação de hiperatividade orgânica.
21 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
22 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
23 Inchaço: Inchação, edema.
24 Artroscopia: Procedimento invasivo que permite examinar o interior de uma articulação utilizando um dispositivo especialmente projetado para tal, que utiliza uma fonte de luz externa e fibra óptica para transmitir as imagens produzidas (artroscópio). Através deste podem também ser realizados diferentes tratamentos cirúrgicos.
25 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
26 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
27 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
28 Artrose: Também chamada de osteoartrose ou processo degenerativo articular, resulta de um processo anormal entre a destruição cartilaginosa e a reparação da mesma. Entende-se por cartilagem articular, um tipo especial de tecido que reveste a extremidade de dois ossos justapostos que possuem algum grau de movimentação entre eles, sua função básica é a de diminuir o atrito entre duas superfícies ósseas quando estas executam qualquer tipo de movimento, funcionando como mecanismo de absorção de choque. O estado de hidratação da cartilagem e a integridade da mesma, é fator preponderante para o não desenvolvimento da artrose.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.