Gostou do artigo? Compartilhe!

Meu queixo caiu! O que é a luxação da mandíbula?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a luxação1 da mandíbula2?

A articulação temporomandibular3 (ATM) é a articulação4 que liga a mandíbula2 à fossa mandibular do osso temporal do crânio5, através do côndilo6. Luxação1 da mandíbula2 é o deslocamento dos ossos da ATM em relação ao seu ponto de articulação4 normal. Popularmente costuma-se falar que a articulação4 “saiu do lugar” ou que “o queixo caiu”.

Fala-se em subluxação quando ocorre uma movimentação exagerada do disco intra-articular, causando dor e estalido7 nos movimentos de abertura, fechamento e movimentos laterais de boca8. Nesses casos, o côndilo6 luxado consegue retornar espontaneamente a seu lugar, sem esforço externo.

Quais são as causas da luxação1 da mandíbula2?

A luxação1 da ATM decorre do estiramento dos ligamentos9 que unem a articulação4 e apresenta causas multifatoriais. Ela pode ser episódica ou recorrente, espontânea ou traumática e se dever, por exemplo, à abertura excessiva da boca8 durante uma entubação orofaríngea10. É mais frequente em pacientes que apresentam frouxidão dos ligamentos9 e da cápsula articular11. Os traumas também podem ser uma causa importante de luxação1 da ATM.

Assim, vários fatores têm sido sugeridos como causas das luxações recorrentes: condições anatômicas, hábitos parafuncionais, frouxidão dos ligamentos9 e hipermobilidade articular generalizada. Existem ainda fatores predisponentes raros ou episódicos, como distúrbios oclusais, alterações decorrentes de patologias sistêmicas ou reações induzidas por medicamentos, como neurolépticos12 ou antieméticos13.

Luxação mandíbula

Qual é a fisiopatologia14 da luxação1 da mandíbula2?

A luxação1 da ATM consiste na perda parcial ou total de contato das superfícies articulares da mandíbula2 e do osso temporal devido a um exagero do movimento condilar, em que o côndilo6 desloca-se para fora da fossa mandibular e não é capaz de retornar espontaneamente. Essa posição anômala é então mantida pelo espasmo15 dos músculos16 da mastigação. Esses deslocamentos podem ser uni ou bilaterais, sendo que estes últimos são mais comuns, e o côndilo6 pode deslocar-se para frente, para trás, para o lado ou para cima.

Quais são as principais características clínicas da luxação1 da mandíbula2?

Nos casos de luxação1, a mandíbula2 desliza para frente, saindo completamente de seu local usual, causando dor e incapacidade de fechar a boca8. As luxações mandibulares afetam, a um só tempo, a mastigação, a fala e a deglutição17. O paciente diz que a mandíbula2 “salta” sempre que abre amplamente a boca8, alguns pacientes relatam que isso se faz acompanhar de um estalido7 característico.

Na luxação1 unilateral, o paciente apresenta-se com o mento desviado para o lado contrário à luxação1 e um desvio da mandíbula2 em relação à linha média da face18. A bochecha19 apresenta-se achatada do lado afetado e côncava no lado oposto.

Como o médico e o dentista diagnosticam a luxação1 da mandíbula2?

O diagnóstico20 da luxação1 da mandíbula2 pode ser firmemente estabelecido pela história clínica do paciente, pela observação e exame físico locais e pode ser confirmado radiograficamente. Nos casos que tenha havido um trauma extrínseco, uma radiografia ou uma tomografia computadorizada21 deve ser realizada para verificar se houve ou não fraturas nos ossos da face22.

Como o médico e o dentista tratam a luxação1 da mandíbula2?

As luxações da ATM devem ser reduzidas o mais prontamente possível, geralmente por manobras manuais executadas pela própria pessoa ou por um especialista, se estas forem mais complexas. As opções de tratamento vão desde medidas conservadoras até procedimentos cirúrgicos invasivos. Quase sempre os métodos conservadores destinam-se apenas ao alívio temporário dos sintomas23 e os tratamentos cirúrgicos se constituem num tratamento mais efetivo e definitivo e devem ser realizados quando o deslocamento é de longa duração ou recorrente. O tratamento conservador consiste na utilização de aparelhos limitadores do movimento, uso de relaxantes musculares, injeções esclerosantes e, ainda, outros tratamentos menos usuais. A cirurgia só é indicada quando os métodos conservadores não forem suficientes para resolver o problema.

A luxação1 da mandíbula2 tende a ser recorrente e, se for frequente, uma cirurgia pode ser necessária para reposicionar ou encurtar os ligamentos9 e para ajustar a articulação4.

Como evolui a luxação1 da mandíbula2?

O paciente com luxação1 recidivante24 da ATM entra num círculo vicioso, uma vez que, sempre que ocorre a luxação1, há mais rotura e estiramento do ligamento25 capsular, o que resulta em mais lesões26 e agrava ainda mais a recorrência27.

Como prevenir a luxação1 da mandíbula2?

A maneira de prevenir a luxação1 da mandíbula2 consiste em evitar abrir a boca8 exageradamente. Assim, a pessoa predisposta deve conter os bocejos e evitar comer sanduíches grandes ou outros alimentos que exijam uma grande abertura da boca8.

Leia textos complementares em "O que são luxações?" e "Disfunção da articulação temporomandibular3 ou disfunção da ATM". 

 

ABCMED, 2016. Meu queixo caiu! O que é a luxação da mandíbula?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/ortopedia-e-saude/1268403/meu-queixo-caiu-o-que-e-a-luxacao-da-mandibula.htm>. Acesso em: 16 jan. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Luxação: É o deslocamento de um ou mais ossos para fora da sua posição normal na articulação.
2 Mandíbula: O maior (e o mais forte) osso da FACE; constitui o maxilar inferior, que sustenta os dentes inferiores. Sinônimos: Forame Mandibular; Forame Mentoniano; Sulco Miloióideo; Maxilar Inferior
3 Articulação Temporomandibular: Articulação entre o côndilo da mandíbula e o tubérculo articular do osso temporal. Relação Central;
4 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
5 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
6 Côndilo: Saliência arredondada em um osso, em geral na articulação com outro.
7 Estalido: Som breve, seco, de menos intensidade do que um estalo.
8 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
9 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
10 Orofaríngea: Relativo à orofaringe.
11 Cápsula articular: É uma membrana conjuntiva que envolve as articulações sinoviais, sendo constituída por duas camadas, uma externa ou fibrosa e outra interna ou sinovial.
12 Neurolépticos: Medicamento que exerce ação calmante sobre o sistema nervoso, tranquilizante, psicoléptico.
13 Antieméticos: Substância que evita o vômito.
14 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
15 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
16 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
17 Deglutição: Passagem dos alimentos desde a boca até o esôfago; ação ou efeito de deglutir; engolir. É um mecanismo em parte voluntário e em parte automático (reflexo) que envolve a musculatura faríngea e o esfíncter esofágico superior.
18 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
19 Bochecha:
20 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
21 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
22 Ossos da Face: Esqueleto facial, constituído pelos ossos situados entre a base do crânio e a região mandibular. Alguns consideram que dos ossos faciais devem fazer parte os ossos hióide (OSSO HIÓIDE), palatino (PALATO DURO) zigomático (ZIGOMA), a MANDÍBULA e a MAXILA. Embora excluindo o hióide, outros incluem os ossos nasais e lacrimais, a concha nasal inferior e o vômer. (Tradução livre de
23 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
24 Recidivante: Característica da doença que recidiva, que acontece de forma recorrente ou repetitiva.
25 Ligamento: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
26 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
27 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.