Atalho: 6Z441FC
Gostou do artigo? Compartilhe!

Colostomia: porque é feita, como é realizada, quais os cuidados que devem existir para evitar complicações

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é colostomia1?

Colostomia1 é um procedimento cirúrgico que consiste em fazer-se uma abertura na parede abdominal2 (estoma3), temporária ou permanente, e ligar nela uma terminação do intestino, pela qual as fezes e gases passam a ser eliminados. A este estoma3 acopla-se uma bolsa adesiva, coletora dos produtos intestinais.

Por que fazem uma colostomia1?

A colostomia1 geralmente tem de ser feita quando há obstruções transitórias ou permanentes do cólon4 terminal ocasionadas por imperfuração anal, neoplasias5, processos inflamatórios, corpos estranhos introduzidos no reto6, amputação7 do reto6, fístulas8 retovaginais, perfurações cólicas9, lesões10 extensas ao redor do ânus11 ou como paliativo12 nos casos de neoplasia13 obstrutiva inoperável.

Como é realizado o procedimento?

O paciente deve estar ou ser hospitalizado. Sob anestesia14 geral é feita uma incisão15 no abdome16, à qual o tecido17 sadio do intestino é preso, constituindo assim um orifício por onde as fezes e os gases passam a serem eliminados, sendo colhidos por uma bolsa adesiva, posicionada em torno dessa abertura e que deve ser esvaziada periodicamente. Atualmente, já existem dispositivos que filtram o volume e odor de gases.

Geralmente esse ânus11 artificial é feito no nível do cólon transverso18 ou do sigmoide19, mas, conforme o caso, pode ser feito em outro ponto do intestino. Quanto mais alto for, pior será a digestão20 e a absorção dos alimentos e da água. Mais frequentemente são utilizadas a porção proximal21 do cólon transverso18 e a porção livre do sigmoide19, mas o segmento intestinal a ser exteriorizado depende do local comprometido do intestino, do tipo de afecção22, das condições clínicas do doente e da preferência do cirurgião. Nos primeiros dias após a cirurgia, o estoma3 pode ficar inchado, mas isso logo regride. Então ele assume uma coloração rósea viva, semelhante à mucosa23 da boca24 e, como não tem terminação nervosa, é indolor.

Colostomia

Quais são os cuidados que o paciente colostomizado deve observar?

  • Evitar carregar peso em excesso, que crie maior pressão intra-abdominal.
  • Evitar exercícios ou atividades que exijam grande esforço.
  • Evitar o uso de cintas que possam comprimir o estoma3.
  • Evitar alimentos ou bebidas que produzam muitos gases.
  • Mastigar bem os alimentos.
  • Manter a pele25 em volta do estoma3 sempre limpa e depilada.
  • Não usar, sobre a pele25 que circunda o estoma3, substâncias agressivas, como álcool, mercúrio, mertiolate, etc. A limpeza da pele25 ao redor da colostomia1 deve ser feita com água e sabão neutro.
  • Não esfregar com força e não usar esponjas ásperas.
  • Cuidar para que insetos, em especial as moscas, não pousem na colostomia1 ou na pele25 ao redor.

Quais são as complicações possíveis de uma colostomia1?

A colostomia1 requer cuidados especiais, de preferência prestados por uma enfermeira experiente, sob orientação médica, com vigilância diária para troca dos curativos e da bolsa coletora, controle das eliminações, monitoramento do orifício e das possíveis reações ou complicações dele.

Entre as complicações mais comuns estão: irritação da pele25 ao redor do orifício da colostomia1; infecções26 da pele25 e/ou do tecido subcutâneo27; sangramento; prolapso28 do coto intestinal; necrose29 do coto intestinal; estenose30 do estoma3, etc.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Cleveland Clinic, da Mayo Clinic, da United Ostomy Associations of America e do Johns Hopkins Medicine.

ABCMED, 2013. Colostomia: porque é feita, como é realizada, quais os cuidados que devem existir para evitar complicações. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/353144/colostomia-porque-e-feita-como-e-realizada-quais-os-cuidados-que-devem-existir-para-evitar-complicacoes.htm>. Acesso em: 7 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Colostomia: Procedimento cirúrgico que consiste em seccionar uma extremidade do intestino grosso e expô-lo através de uma abertura na parede abdominal anterior, pela qual será eliminado o material fecal. É utilizada em diferentes doenças que afetam o trânsito intestinal normal, podendo ser transitória (quando em uma segunda cirurgia o trânsito intestinal é restabelecido) ou definitiva.
2 Parede Abdominal: Margem externa do ABDOME que se estende da cavidade torácica osteocartilaginosa até a PELVE. Embora sua maior parte seja muscular, a parede abdominal consiste em pelo menos sete camadas Músculos Abdominais;
3 Estoma: 1. Na anatomia geral, é um orifício ou poro diminuto. 2. Em cirurgia, é uma abertura feita na parede abdominal por meio de colostomia, ileostomia, etc., ou seja, abertura entre duas porções do intestino em uma anastomose.
4 Cólon:
5 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
6 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
7 Amputação: 1. Em cirurgia, é a remoção cirúrgica de um membro ou segmento de membro, de parte saliente (por exemplo, da mama) ou do reto e/ou ânus. 2. Em odontologia, é a remoção cirúrgica da raiz de um dente ou da polpa. 3. No sentido figurado, significa diminuição, restrição, corte.
8 Fístulas: Comunicação anormal entre dois órgãos ou duas seções de um mesmo órgão entre si ou com a superfície. Possui um conduto de paredes próprias.
9 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
10 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
12 Paliativo: 1. Que ou o que tem a qualidade de acalmar, de abrandar temporariamente um mal (diz-se de medicamento ou tratamento); anódino. 2. Que serve para atenuar um mal ou protelar uma crise (diz-se de meio, iniciativa etc.).
13 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
14 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
15 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
16 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
17 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
18 Cólon Transverso: Segmento do INTESTINO GROSSO (entre o COLO ASCENDENTE e o COLO DESCENDENTE). Passa da flexão cólica direita (através do ABDOME), e então se volta acentuadamente (na flexura colônica esquerda) para dentro do colo descendente.
19 Sigmóide: Segmento do COLO entre o RETO e o colo descendente.
20 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
21 Proximal: 1. Que se localiza próximo do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Em anatomia geral, significa o mais próximo do tronco (no caso dos membros) ou do ponto de origem (no caso de vasos e nervos). Ou também o que fica voltado para a cabeça (diz-se de qualquer formação). 3. Em botânica, o que fica próximo ao ponto de origem ou à base. 4. Em odontologia, é o mais próximo do ponto médio do arco dental.
22 Afecção: Qualquer alteração patológica do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
23 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
24 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
25 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
26 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
27 Tecido Subcutâneo: Tecido conectivo frouxo (localizado sob a DERME), que liga a PELE fracamente aos tecidos subjacentes. Pode conter uma camada (pad) de ADIPÓCITOS, que varia em número e tamanho, conforme a área do corpo e o estado nutricional, respectivamente.
28 Prolapso: Deslocamento de um órgão ou parte dele de sua localização ou aspecto normal. P.ex. prolapso da válvula mitral, prolapso uterino, etc.
29 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
30 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cirurgia do Aparelho Digestivo?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

21/05/2014 - Comentário feito por maria
meu neto emgoliliu uma moeda de cinquanta ce...
meu neto emgoliliu uma moeda de cinquanta centavos a 3 semana ela esta intestino ja passou pelo intestino fino grosso mas parou ja fizemos 2 raio x ela esta no mesmo luga de uma lus pelo amor de Deus,

23/03/2014 - Comentário feito por iva
Re: Colostomia: porque é feita, como é realizada, quais os cuidados que devem existir para evitar complicações
como se lava a bolsa ?quais os cuidados de enfermagem?todas as vezes que a bolsa tiver fezes tenho que lavar ?

14/09/2013 - Comentário feito por Adriana
Re: Colostomia: porque é feita, como é realizada, quais os cuidados que devem existir para evitar complicações
me ajudou muito, principalmente nos cuidados. poderei proceder sem medo nenhum.

  • Entrar
  • Assinar