Gostou do artigo? Compartilhe!

Os benefícios dos probióticos para o seu organismo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são probióticos1?

Os probióticos1 (do grego: pró = a favor; βιωτικός adjetivo decorrente de βίος = "vida") são bactérias vivas que habitam normalmente o corpo ou podem ser artificialmente introduzidas nele e que são benéficas para a saúde2, especialmente para o sistema digestivo3. Atualmente costuma-se chamar de probióticos1 os alimentos e suplementos que contenham essas bactérias. A Organização Mundial da Saúde2 define os probióticos1 como “microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde2 do hospedeiro".

Em geral, pensa-se nas bactérias como algo nocivo, que causa doenças. Mas há também as bactérias boas e até necessárias ao bom funcionamento orgânico. Assim, se há bactérias que causam doenças, há também as doenças causadas pela falta de algumas delas. No corpo, sempre convivem os dois tipos: as bactérias com potencial para causar doenças não devem ultrapassar certo nível e as úteis ao organismo não devem ter seu nível muito diminuído.

Habitualmente, os probióticos1 são classificados como alimentos e não como medicamentos, sendo considerados seguros. Eles podem ser encontrados sob a forma de pó ou em cápsulas a serem adicionados à água, ao leite ou a sucos. Alguns efeitos colaterais4 leves podem surgir nos primeiros dois dias depois de iniciá-los e incluem dores de estômago5, diarreia6, gases, inchaço7 ou reações alérgicas.

Como se adquire e como funcionam os probióticos1?

As medidas sanitárias atuais mais rigorosas e os modernos produtos de higienização tanto eliminam as bactérias nocivas quanto as “boas” bactérias. Daí que o uso dos probióticos1 seja cada vez mais necessário. Provavelmente, os primeiros probióticos1 de um indivíduo são obtidos pelo bebê de forma natural ao atravessar o canal do parto. Durante o seu crescimento, o indivíduo se depara com muitas ameaças para as bactérias benéficas em seu intestino, a partir da água potável clorada, dos alimentos excessivamente processados, etc., as bactérias "boas" só podem sobreviver no trato gastrointestinal se for mantido um equilíbrio adequado de diferentes tipos de bactérias. Isso é muito importante para o sistema imunológico8 da pessoa, porque 80% dele vive em seu intestino. Os principais benefícios dos probióticos1 são ajudar o indivíduo na digestão9 dos alimentos, melhorar a síntese de vitaminas do complexo B e a absorção de cálcio, ajudar a manter um equilíbrio saudável da flora intestinal, promover a saúde2 vaginal nas mulheres e apoiar o sistema imunitário10.

Grande parte dos iogurtes comerciais, por exemplo, não é uma boa fonte de probióticos1, porque a pasteurização reduz a maioria das bactérias benéficas, isso acontece mesmo com os iogurtes ditos orgânicos. Alguns iogurtes (particularmente os congelados) não contêm mesmo quaisquer bactérias vivas. Muitas vezes as bactérias úteis, que normalmente habitam o organismo, são eliminadas ou muito diminuídas por efeito secundário de certos procedimentos industriais, mas devem ser repostas para manter o indivíduo saudável. É o que acontece, por exemplo, depois de tomar antibióticos em altas doses ou por longo tempo, os quais podem eliminar as bactérias “más", mas também eliminam as “boas”. Os probióticos1, então, ajudam a manter o equilíbrio entre os microrganismos “bons” e “maus” e a manter o corpo funcionando como deveria.

Existem muitos tipos diferentes de bactérias que podem ser classificadas como probióticos1, mas as principais pertencem a dois grupos. Os Lactobacillus, o mais comum deles, são encontrados no iogurte e em outros alimentos fermentados e ajudam na diarreia6 e na digestão9 da lactose11. Os Bifidobacterium também são encontrados em alguns produtos lácteos e podem ajudar nos sintomas12 da síndrome13 do intestino irritável.

Os probióticos1 são usados principalmente em moléstias intestinais como a síndrome13 do intestino irritável, a doença inflamatória intestinal, a diarreia6 infecciosa e a diarreia6 relacionada ao uso de antibiótico. Também atuam em sintomas12 como os de doenças da pele14, no eczema15, na saúde2 bucal, urinária e vaginal e para prevenir alergias e resfriados. Sempre que viajar para países ou regiões que tenham hábitos alimentares diferentes daqueles a que o indivíduo está acostumado, ele deve levar consigo algum prebiótico, porque os alimentos a que não esteja acostumado podem alterar sua flora intestinal.

Probióticos1 e prebióticos

Os probióticos1 são diferentes dos prebióticos, pois os probióticos1 são microrganismos vivos e os prebióticos são fibras que ajudam a alimentar essas bactérias, além de ajudar a regular o intestino e criar um ambiente em que essas bactérias se multipliquem. Os prebióticos são não-digeríveis e funcionam como alimento para as bactérias intestinais benéficas. Os prebióticos não devem, pois, serem absorvidos durante a passagem pelo trato digestivo superior, devem servir como substrato a uma ou mais bactérias intestinais benéficas, alterando a microflora de maneira favorável e devem produzir efeitos benéficos sistêmicos16 ou na luz do intestino.

Os representantes mais conhecidos dos prebióticos estão concentrados em alimentos de origem vegetal, como cebola, alho, tomate, banana, cevada, aveia, trigo, mel, cerveja, etc. Eles também diminuem o colesterol17, ao diminuir a absorção de gorduras, ajudam o sistema imune18 e a absorção de cálcio e de magnésio pelo organismo. Os benefícios dos alimentos ricos em prebióticos só são notados quando estes são consumidos diariamente, por um longo período. Contudo, o consumo de fibras deve ser feito com moderação porque, em excesso, pode resultar em diarreia6 ou flatulência.

ABCMED, 2015. Os benefícios dos probióticos para o seu organismo. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/801069/os+beneficios+dos+probioticos+para+o+seu+organismo.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Probióticos: Suplemento alimentar, rico em micro-organismos vivos, que afeta de forma benéfica seu consumidor, através da melhoria do balanço microbiano intestinal.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Sistema digestivo: O sistema digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
4 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
5 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
6 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
7 Inchaço: Inchação, edema.
8 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
9 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
10 Sistema Imunitário: Mecanismo de defesa do corpo contra organismos ou substâncias estranhas e células nativas anormais. Inclui a resposta imune humoral e a resposta mediada por célula e consiste de um complexo de componentes celulares, moleculares e genéticos interrelacionados.
11 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
14 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
15 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
16 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
17 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
18 Sistema imune: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Gastroenterologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.