Gostou do artigo? Compartilhe!

Como é a polimialgia reumática?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é polimialgia reumática?

Polimialgia é uma dor sentida ao mesmo tempo em vários músculos1. A polimialgia reumática é uma doença inflamatória que causa dor e rigidez muscular, especialmente nos ombros, mas também em outros músculos1.

Quais são as causas da polimialgia reumática?

A causa exata da polimialgia reumática permanece desconhecida. Duas ordens de fatores parecem estar envolvidas no desenvolvimento desta condição: (1) certos genes e variações genéticas podem aumentar a susceptibilidade2 à doença e (2) um fator ambiental, tal como um vírus3, embora nenhum vírus3 específico tenha sido demonstrado. A polimialgia reumática tende a ocorrer em ciclos sazonais.

Quais são as principais características clínicas da polimialgia reumática?

Os sintomas4 da polimialgia reumática começam de forma rápida e são piores na parte da manhã. Eles costumam ocorrer simetricamente em ambos os lados do corpo e podem incluir dores nos ombros, pescoço5, braços, nádegas6, quadris ou coxas, rigidez nas áreas afetadas, especialmente na parte da manhã ou depois de estar inativo por um longo tempo, restrição de movimentos nas áreas afetadas, dor ou rigidez dos pulsos, cotovelos ou joelhos. Pode haver também sinais7 e sintomas4 mais gerais, como febre8 baixa, fadiga9, sensação mal-estar, perda de apetite e de peso e depressão.

A polimialgia reumática está relacionada com outra doença inflamatória chamada arterite de células gigantes10 e compartilha com ela muitas semelhanças clínicas. Ambas podem causar dores de cabeça11, dificuldades de visão12, dor na mandíbula13 e no couro cabeludo. É possível que ambas as condições ocorram ao mesmo tempo.

A maioria das pessoas que desenvolve polimialgia reumática tem mais de 65 anos. Raramente afeta pessoas com menos de 50 anos.

Como o médico diagnostica a polimialgia reumática?

A história clínica, o exame físico geral e os resultados de exames de laboratórios podem ajudar o médico a determinar a causa da dor e da rigidez na musculatura. Este processo também ajuda a descartar outras doenças que têm sintomas4 semelhantes aos da polimialgia reumática. Estudos mostram que 2 a 30% das pessoas com um diagnóstico14 inicial de polimialgia reumática foram mais tarde reclassificadas como tendo artrite reumatoide15.

O médico deve empreender exames para ter uma ideia da saúde16 geral do paciente, identificar as possíveis causas subjacentes e descartar outras possíveis doenças. Exames de sangue17 poderão verificar as contagens completas dos glóbulos e dos indicadores de inflamação18. Exames de imagem, como a ultrassonografia19 ou a ressonância magnética20, por exemplo, podem ser usados para diferenciar a polimialgia reumática de outras condições que causam sintomas4 semelhantes.

Como o médico trata a polimialgia reumática?

O tratamento da polimialgia reumática envolve medicamentos para ajudar a aliviar os sintomas4. Geralmente é tratada com uma dose baixa de corticosteroides orais. É provável que o paciente comece a sentir alívio da dor e da rigidez muscular nos primeiros dois ou três dias. A maioria das pessoas com polimialgia reumática precisa continuar o tratamento com corticosteroides durante pelo menos um ano.

As pessoas que interrompem a medicação muito rapidamente são mais propensas a terem uma recaída, embora 30 a 60% das pessoas com polimialgia reumática terá pelo menos uma recaída quando da redução gradual e planejada dos corticosteroides.

O médico provavelmente irá prescrever também doses diárias de cálcio e vitamina21 D para ajudar a prevenir a perda óssea induzida pelo tratamento com corticosteroides. As recaídas devem ser tratadas com aumento da dose da medicação por algum tempo, diminuindo-a novamente em seguida. A fisioterapia22 pode beneficiar o paciente que tenha sua atividade física limitada.

Como evolui a polimialgia reumática?

Se não tratada, a polimialgia reumática pode levar a um acidente vascular cerebral23 ou cegueira.

Quais são as complicações possíveis da polimialgia reumática?

Os sintomas4 desta patologia24 podem afetar significativamente a capacidade de realizar atividades cotidianas, como sair da cama, levantar-se de uma cadeira, sair de um carro, tomar banho, pentear o cabelo25, vestir-se ou colocar um casaco. As pessoas com polimialgia reumática parecem ser mais propensas a desenvolver doença arterial periférica. O uso de corticosteroides em longo prazo pode resultar num certo número de efeitos secundários graves como ganho de peso, osteoporose26, hipertensão arterial27, diabetes mellitus28 e catarata29.

 

ABCMED, 2016. Como é a polimialgia reumática?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/817314/como-e-a-polimialgia-reumatica.htm>. Acesso em: 25 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
2 Susceptibilidade: 1. Ato, característica ou condição do que é suscetível. 2. Capacidade de receber as impressões que põem em exercício as ações orgânicas; sensibilidade. 3. Disposição ou tendência para se ofender e se ressentir com (algo, geralmente sem importância); delicadeza, melindre. 4. Em física, é o coeficiente de proporcionalidade entre o campo magnético aplicado a um material e a sua magnetização.
3 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Pescoço:
6 Nádegas:
7 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
8 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
9 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
10 Células Gigantes: Massas multinucleares produzidas pela fusão de muitas células; freqüentemente associadas com infecções virais. Na AIDS, há indução destas células quando o envelope glicoproteico do vírus HIV liga-se ao antígeno CD4 de células T4 vizinhas não infectadas. O sincício resultante leva à morte celular explicando então o efeito citopático do vírus.
11 Cabeça:
12 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
13 Mandíbula: O maior (e o mais forte) osso da FACE; constitui o maxilar inferior, que sustenta os dentes inferiores. Sinônimos: Forame Mandibular; Forame Mentoniano; Sulco Miloióideo; Maxilar Inferior
14 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
15 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
18 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
19 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
20 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
21 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
22 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
23 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
24 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
25 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
26 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
27 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
28 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
29 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Reumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.