Gostou do artigo? Compartilhe!

Entendendo a leucopenia e suas causas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são leucócitos1?

Leucócitos1 (do grego, leuco = branco; kytos = células2), são os glóbulos brancos do sangue3, que fazem parte do sistema de defesa imunológica do organismo. Há diversos tipos de leucócitos1, cada um deles com diferentes funções: alguns atacam diretamente o invasor, outros produzem anticorpos4, outros apenas fazem a identificação e assim por diante. Os neutrófilos5 são o tipo mais comum de leucócitos1. Quando temos uma leucopenia6 por conta de uma diminuição de neutrófilos5 estamos diante do que se chama neutropenia7. Os leucócitos1 segmentados e bastões são neutrófilos5 jovens. Os linfócitos são o segundo tipo mais comum de glóbulos brancos. São responsáveis pela produção dos anticorpos4. Chama-se linfopenia à redução do número de linfócitos. Muitas vezes surge em razão de uma falha grave da medula8, devida à terapia com corticoides e outros imunossupressores, na doença de Hodgkin9, na radiação, etc. Os monócitos10 são apenas 3 a 10% dos leucócitos1 circulantes. Quando ativados transformam-se em macrófagos11, células2 capazes de “comer” micro-organismos invasores. Os eosinófilos12 são somente 1 a 5% dos leucócitos1 circulantes e são os responsáveis pelos mecanismos da alergia13. A eosinopenia é a redução do número de eosinófilos12. Os basófilos representam somente zero a 2% dos glóbulos brancos. Parecem também ser relacionados às alergias, pois produzem histamina14 e heparina.

O que é leucopenia6?

Leucopenia6 (leuco=branco; penia=diminuição) é a redução global do número dos glóbulos brancos no sangue3, chamados leucócitos1. O mais frequente é que a leucopenia6 surja devido a uma linfopenia ou neutropenia7. As taxas globais de leucócitos1 para homens adultos normais estão entre 4.500 e 11.000 por milímetro cúbico do sangue3. Considera-se que há leucopenia6 quando a pessoa apresenta menos de 4.500 leucócitos1 por milímetro cúbico de sangue3. A leucopenia6 não é uma doença, mas a manifestação hematológica de algum transtorno orgânico, crônico15 ou transitório. A leucocitose16 (aumento de glóbulos brancos além do normal) é mais frequente que a leucopenia6. Uma pseudoleucopenia pode ocorrer em fases iniciais das infecções17, que depois se reverte numa leucocitose16.

Leucopenia

Quais são as causas da leucopenia6?

Em alguns casos, a leucopenia6 pode ser apenas uma variação normal relacionada com a época da vida do indivíduo, mas pode também ser sinal18 de algum problema de saúde19. Agentes químicos (remédios e outros produtos), físicos (raios-X, raios gama, etc.) ou biológicos (vírus20, bactérias, etc.) que interfiram na medula8 podem causar diminuição destes glóbulos. Na terceira idade a leucopenia6 pode estar relacionada a infecções17 por vírus20 ou bactérias, ao câncer21 e ao uso de determinados medicamentos. De um modo geral, a leucopenia6 pode ser causada também por quimioterapia22 ou radioterapia23, pelo transplante de medula8, pelos esteroides, por fatores genéticos e doenças autoimunes24. Pessoas da raça negra, principalmente, podem apresentar uma leucopenia6 constitucional normal, sem significação clínica.

Quais são os principais sinais25 e sintomas26 da leucopenia6?

Em geral, os pacientes com leucopenia6 não apresentam quaisquer sintomas26 devidos a essa condição, mas suas defesas orgânicas estão muito diminuídas. Na quase totalidade dos casos não há fundamento para maior preocupação porque esses quadros geralmente são benignos e não causam repercussões clínicas nos pacientes. Os sintomas26 que acompanham as leucopenias são ocasionados pela doença que esteja causando essa alteração. Em algumas situações, a leucopenia6 por si pode causar, além de infecções17, febre27, sonolência e sensação de cansaço.

Como o médico diagnostica a leucopenia6?

O exame básico para detectar a leucopenia6 é o hemograma, que mostrará diminuição da contagem dos glóbulos brancos. Constatada a leucopenia6, impõe-se investigar sua causa, o que exigirá outros exames, como eletroforese das proteínas28, fator antinuclear, sorologias, etc. Quando há uma leucopenia6 é importante ver qual dos tipos de leucócitos1 é responsável por essa alteração. Geralmente, os neutrófilos5 e linfócitos são os responsáveis maiores pela diminuição da concentração de leucócitos1. A investigação da doença causal pode exigir outros e variados exames.

Como o médico trata a leucopenia6?

É essencial tratar a enfermidade causal, mas o uso de vitaminas e esteroides estimula a produção dos leucócitos1 na medula óssea29.

Como prevenir a leucopenia6?

A melhor maneira de prevenir a leucopenia6 é submeter-se a análises regulares de sangue3, para detectar precocemente qualquer problema em fase inicial.

ABCMED, 2014. Entendendo a leucopenia e suas causas. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/546247/entendendo-a-leucopenia-e-suas-causas.htm>. Acesso em: 14 nov. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
4 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
5 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
6 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
7 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
8 Medula: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
9 Doença de Hodgkin: Doença neoplásica que afeta o tecido linfático, caracterizada por aumento doloroso dos gânglios linfáticos do pescoço, axilas, mediastino, etc., juntamente com astenia, prurido (coceira) e febre. Atualmente pode ter uma taxa de cura superior a 80%.
10 Monócitos: É um tipo de leucócito mononuclear fagocitário, que se forma na medula óssea e é posteriormente transportado para os tecidos, onde se desenvolve em macrófagos.
11 Macrófagos: É uma célula grande, derivada do monócito do sangue. Ela tem a função de englobar e destruir, por fagocitose, corpos estranhos e volumosos.
12 Eosinófilos: Eosinófilos ou granulócitos eosinófilos são células sanguíneas responsáveis pela defesa do organismo contra parasitas e agentes infecciosos. Também participam de processos inflamatórios em doenças alérgicas e asma.
13 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
14 Histamina: Em fisiologia, é uma amina formada a partir do aminoácido histidina e liberada pelas células do sistema imunológico durante reações alérgicas, causando dilatação e maior permeabilidade de pequenos vasos sanguíneos. Ela é a substância responsável pelos sintomas de edema e irritação presentes em alergias.
15 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
16 Leucocitose: É o aumento no número de glóbulos brancos (leucócitos) no sangue, geralmente maior que 8.000 por mm³. Ocorre em diferentes patologias como em resposta a infecções ou processos inflamatórios. Entretanto, também pode ser o resultado de uma reação normal em certas condições como a gravidez, a menstruação e o exercício muscular.
17 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
18 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
19 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
20 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
21 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
22 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
23 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
24 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
25 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
26 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
27 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
28 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
29 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Hematologia e Hemoterapia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.