Gostou do artigo? Compartilhe!

Nervo ciático: estou com dor ciática. O que é isso? O que podemos fazer para evitá-la?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a dor ciática?

A ciática (dor ciática ou ciatalgia) não é uma doença, mas um sintoma1 de alguma doença. Ela é uma dor causada por lesão2 ou pressão no nervo ciático3 (ou isquiático4). O ciático é o mais longo e principal nervo do corpo humano5, indo desde a região lombar6 até o hálux7 (dedo grande do pé8), bilateralmente, descendo pela parte posterior de cada perna e joelho e controlando as articulações9 dos quadris, joelhos e tornozelos, bem como os músculos10 posteriores da coxa11, da perna e do pé. Ele é formado pela reunião de raízes nervosas12 que partem da porção lombossacra da coluna vertebral13. A dor ciática geralmente é de grande intensidade e pode ocorrer em qualquer ponto da inervação.

Quais são as causas da dor ciática?

A dor ciática ocorre quando há compressão, inflamação14 ou irritação do nervo ciático3 ou de uma ou alguma de suas raízes nervosas12, o que pode ocorrer por deslocamento de vértebra, hérnia de disco15 intervertebral, estreitamento do canal vertebral16, síndrome17 piriforme (espasmo18 do músculo piriforme que comprime o nervo ciático3), lesões19 ou fraturas pélvicas20, tumores, obesidade21, má postura, levantamento de cargas pesadas, etc. O dano ao nervo ciático3 pode acontecer dentro do canal espinhal, no espaço entre as vértebras ou em algum outro ponto de seu percurso, uma vez que atravessa vários músculos10, fáscias (membranas de tecido22 fibroso que protegem os órgãos), forames e tendões23. A gravidez24, pelas deformidades que impõe à coluna, pode desencadear dores ciáticas.

Quais são os principais sinais25 e sintomas26 da dor ciática?

A frequência da dor no ciático aumenta com o envelhecimento, porque com o passar dos anos a coluna vertebral13 sofre um desgaste que compromete as raízes que dão origem aos nervos. Mais frequentemente a dor ciática ocorre apenas de um lado do corpo, mas pode ser tão forte que a pessoa não consegue se mexer. Trata-se de uma dor que parte da coluna lombar, que vai e vem e que se irradia para a parte posterior da coxa11 e da perna. Em casos mais suaves pode haver apenas formigamento, dor surda ou sensação de queimação. Algumas pessoas podem sentir dor forte em uma parte da perna e apenas dormência27 em outras partes. Em geral, a dor piora se o indivíduo fica de pé, assenta-se, ao espirrar, tossir, rir ou se dobrar para trás.

Os sinais25 mais comuns que acompanham a dor ciática são: fraqueza ao dobrar o joelho, dificuldade de dobrar o pé para dentro ou para baixo, reflexos tendinosos anormais ou ausentes, dor ao levantar a perna esticada, fraqueza muscular, dormência27, formigamento da perna e perda de sensibilidade ou diminuição dos reflexos.

Como o médico diagnostica a dor ciática?

O levantamento das queixas e os achados do exame físico ajudam a formar uma impressão diagnóstica provisória. Os exames complementares ajudam a determinar as causas dessa suspeita. Eles podem incluir exames de sangue28, radiografias, ressonâncias magnéticas e outros exames de imagem.

Como o médico trata a dor ciática?

Como a ciática é apenas um sintoma1, a doença subjacente deve ser identificada e tratada com os meios próprios. Em alguns casos a recuperação acontece espontaneamente. O tratamento conservador compreende medicações analgésicas, aplicação de gelo na área dolorida nas primeiras 48 a 72 horas, depois deste tempo o recomendado é colocar compressas aquecidas. Anti-inflamatórios e relaxantes musculares também podem ser usados, mas são de pouca eficácia. Os exercícios fisioterápicos, a perda de peso, a reeducação postural, a prática de atividades físicas, respeitando as limitações de cada paciente, acupuntura, hidroginástica ou Pilates clínico podem ajudar, na dependência da doença que esteja provocando a dor. Alguns casos exigirão cirurgia.

Como evolui a dor ciática?

Muitas vezes a dor ciática desaparece espontaneamente, mas é comum que ela retorne.

As complicações mais graves da dor ciática dependem da sua causa.

Como prevenir a dor ciática?

  • A melhor prevenção da dor ciática é tratar precocemente a causa do dano nervoso, mas enquanto isso é feito, evite sentar ou deitar pressionando as nádegas29 por um longo tempo.
  • Mantenha uma postura apropriada.
  • Use sapatos adequados.
  • Durma em colchões confortáveis.
  • Evite o sobrepeso30.
  • Banhos quentes ou aplicação de bolsas térmicas na região podem amenizar a dor ciática já instalada. 
ABCMED, 2013. Nervo ciático: estou com dor ciática. O que é isso? O que podemos fazer para evitá-la?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/512099/nervo-ciatico-estou-com-dor-ciatica-o-que-e-isso-o-que-podemos-fazer-para-evita-la.htm>. Acesso em: 22 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
3 Nervo ciático: Nervo ciático ou nervo isquiático é o principal nervo dos membros inferiores. É o maior nervo do organismo. Ele é responsável em grande parte pela inervação sensitiva, motora e das articulações dos membros inferiores.
4 Isquiático: Relativo ao ísquio ou à articulação do quadril; ciático.
5 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
6 Região Lombar:
7 Hálux: Dedo Grande do Pé, vulgo dedão do pé.
8 Dedo Grande do Pé: Dedo Grande do Pé, vulgo dedão do pé.
9 Articulações:
10 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
11 Coxa: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
12 Raízes nervosas:
13 Coluna vertebral:
14 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
15 Hérnia de disco:
16 Canal vertebral: Numa imagem de uma vértebra há um “buraco“ separando o corpo de sua extremidade. Esse buraco é o forame vertebral. O encaixe entre as vértebras da coluna é mais ou menos simétrico e isso forma um canal, que é conhecido como o canal vertebral. É por ele que passam a medula espinhal. O canal vertebral segue as diferentes curvas da coluna vertebral. É grande e triangular nas regiões onde a coluna possui maior mobilidade (cervical e lombar) e é pequeno e redondo na região que não possui muita mobilidade (torácica).
17 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
18 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
19 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
20 Pélvicas: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
21 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
22 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
23 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
24 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
25 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
26 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
27 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
28 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
29 Nádegas:
30 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.