Atalho: 661WP78
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tuberculose pulmonar. Você conhece?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é tuberculose1 pulmonar?

A tuberculose1 pulmonar é uma infecção2 que atinge os pulmões3, causada pelo Bacilo4 de Koch, nome dado ao Mycobactrerium tuberculosis em homenagem ao microbiologista alemão Heinrich Hermann Robert Koch que, em 1882, o ligou à tuberculose1. Trata-se de uma das infecções5 humanas conhecidas há mais longo tempo.

Embora a forma pulmonar seja a mais espalhada, a infecção2 pode também atacar os rins6, os intestinos7, o sistema nervoso8, os ossos, as articulações9, os gânglios10, os ovários11, etc., sem afetar os pulmões3, não havendo praticamente setor orgânico que esteja livre dela. Quando atinge as meninges12 cérebro13-espinhais causa uma forma grave, conhecida como “meningite tuberculosa”. A infecção2 é dita miliar quando se espalha através do sangue14 para vários órgãos e partes do organismo.

A difusão da bactéria15 causadora depende muito das condições de vida das pessoas, sendo muito influenciada pelo nível de aglomerações, habitação, trabalho e alimentação.

Depois de uma fase de declínio, que se seguiu à descoberta dos antibióticos, a incidência16 da tuberculose1 está novamente em alta, talvez devido à resistência a esses medicamentos.

Quais as causas da tuberculose1 pulmonar?

A transmissão da tuberculose1 pulmonar se dá de pessoa a pessoa. Contrai-se a enfermidade pela inalação do Bacilo4 de Koch expelido pelo doente quando fala, tosse ou espirra, mas a difusão dele é muito facilitada por certas condições pessoais e sociais como:

  • Debilitação do organismo.
  • Desnutrição17.
  • Tabagismo.
  • Alcoolismo.
  • Aglomerações.
  • Más condições de higiene.

Apenas a pessoa com tuberculose1 ativa transmite o bacilo4 e não as que têm a doença em forma latente. A contaminação é muito frequente, mas na maioria das vezes o sistema imunológico18 é capaz de deter a proliferação do bacilo4. É, pois, uma infecção2 mais comum em presídios, em asilos, em favelas ou em outras populações que vivam em condições desfavoráveis de vida.

Quais os sintomas19 da tuberculose1 pulmonar?

Os sintomas19 mais comuns da tuberculose1 pulmonar são tosse, habitualmente seca de início e posteriormente com escarros, febre20 baixa ou moderada (mais comum ao entardecer), sudorese21 noturna, perda do apetite, emagrecimento, palidez, fraqueza, sensação de cansaço e dores musculares. Nos casos mais evoluídos pode ocorrer dificuldade de respiração, eliminação de sangue14 no escarro e acúmulo de pus22 na pleura23. Os sinais24 de debilidade orgânica são tão evidentes que até recentemente esses pacientes eram popularmente considerados como “fracos do pulmão”.

Como se faz o diagnóstico25 da tuberculose1 pulmonar?

Em princípio, a suspeita de tuberculose1 pulmonar é feita com base numa história e exame clínicos e numa radiografia de tórax26 que se mostre compatível com a doença. O teste de Mantoux também pode levantar suspeitas. Ele consiste em injetar-se tuberculina por via subcutânea27. Se dentro de 72 a 96 horas houver uma grande reação local, isso indica que há uma infecção2 ativa ou uma hipersensibilidade pela vacinação prévia com BCG28 feita na infância.

O diagnóstico25 de confirmação pode vir através da coleta de secreção do pulmão29, do aspirado gástrico ou da fibrobroncoscopia, quando não há expectoração30, em que seja encontrado o Mycobacterium tuberculosis. A biópsia31 pulmonar através de cirurgia pode ser necessária em alguns raros casos. Há outros métodos ainda mais especializados, em geral de manejo exclusivo dos especialistas.

Qual o tratamento da tuberculose1 pulmonar?

Atualmente o tratamento com antibióticos é plenamente eficaz e deve ser feito em ambulatórios ou consultórios, mas deve durar seis meses, no mínimo.

O abandono precoce do tratamento é a principal causa de insucesso e por isso deve ser acompanhado durante todo o tempo por uma equipe de saúde32. O Ministério da Saúde32 recomenda que a internação (em hospital geral) só seja feita em casos onde haja um estado geral muito ruim, complicações graves da doença ou necessidade de cirurgia.

Como prevenir a tuberculose1 pulmonar?

As crianças pequenas devem ser imunizadas com a vacinação pelo BCG28 ainda na maternidade. A vacina33 utilizada em todo o Brasil, previne contra as formas sistêmicas e graves da tuberculose1 (ou seja, contra a meningite34 tuberculosa e a tuberculose1 miliar), com eficácia de quase 100%. Já contra a tuberculose1 pulmonar isolada, seu índice de proteção é bem menor, cerca de 30%.

Os adultos devem evitar aglomerações, sobretudo em lugares fechados e não usar objetos ou vasilhas de pessoas contaminadas.

Houve um tempo em que se procurava isolar os pacientes tuberculosos em sanatórios específicos com a finalidade de afastá-los do convívio com as pessoas sadias. Hoje em dia, com a progressão das terapêuticas, isso não é mais necessário.

ABCMED, 2011. Tuberculose pulmonar. Você conhece?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/244985/tuberculose-pulmonar-voce-conhece.htm>. Acesso em: 16 jul. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
4 Bacilo: 1. Bactéria em forma de bastonete. 2. Designação comum às bactérias do gênero Bacillus, cujas espécies são saprófitas ou patogênicas para os seres humanos e para os mamíferos.
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
7 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
8 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
9 Articulações:
10 Gânglios: 1. Na anatomia geral, são corpos arredondados de tamanho e estrutura variáveis; nodos, nódulos. 2. Em patologia, são pequenos tumores císticos localizados em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
11 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
12 Meninges: Conjunto de membranas que envolvem o sistema nervoso central. Cumprem funções de proteção, isolamento e nutrição. São três e denominam-se dura-máter, pia-máter e aracnóide.
13 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
14 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
15 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
16 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
17 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
18 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
19 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
21 Sudorese: Suor excessivo
22 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
23 Pleura: Membrana serosa que recobre internamente a parede torácica e a superfície pulmonar.
24 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
25 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
26 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
27 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
28 BCG: Vacina utilizada para prevenir a tuberculose. Esta é composta por bacilos vivos e atenuados, que não produzem doença em pessoas com imunidade normal.
29 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
30 Expectoração: Ato ou efeito de expectorar. Em patologia, é a expulsão, por meio da tosse, de secreções provenientes da traqueia, brônquios e pulmões; escarro.
31 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
32 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
33 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
34 Meningite: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pneumologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.