Gostou do artigo? Compartilhe!

Parada cardíaca

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é parada cardíaca?

Parada cardíaca é a situação em que o coração1 deixa de bater ou passa a bater muito lenta ou irregularmente, de forma insuficiente. Ela é sempre uma situação de emergência2 que pode levar à morte em poucos minutos, se não for tratada rapidamente.

Quais são as causas da pararda cardíaca?

O coração1 pode parar de bater ou só bater insuficientemente devido a:

Estão sob maior risco de terem uma parada cardíaca os indivíduos com problemas cardíacos, doenças pulmonares crônicas, fumantes, diabéticos, obesos, pessoas com colesterol11 alto, com triglicerídeos elevados e pessoas com hábitos de vida pouco saudáveis e alimentação inadequada.

Saiba mais sobre "Infarto do miocárdio5", "Colesterol11 alto", "Diabetes mellitus12", "Obesidade13" e "Insuficiência cardíaca8".

Quais são os efeitos da parada cardíaca?

O coração1 é a bomba que impulsiona o sangue14 para circular nas artérias15 e chegar aos órgãos periféricos. Se essa bomba para de funcionar ou só funciona muito precariamente, esses órgãos não recebem o oxigênio e nutrientes de que precisam e entram em sofrimento. O primeiro órgão a reagir assim é o cérebro16. O indivíduo entra em coma17 e morre logo depois, se a parada cardíaca não for revertida rapidamente, restabelecendo o fluxo sanguíneo.

Quais são as principais características clínicas da parada cardíaca?

A pessoa com parada cardíaca sofre desmaio, para de respirar e passa a não ter pulsação das artérias15. A parada cardíaca pode ocorrer de forma súbita, sem aviso prévio, ou ser precedida por cansaço, desmaios, tonteiras, dores no peito18, falta de ar, palpitações19 ou vômitos20.

Como o médico diagnostica a parada cardíaca?

Para se constatar clinicamente se há uma parada cardíaca deve-se verificar, através dos pulsos, se o coração1 está ou não batendo. Geralmente, o pulso mais accessível e mais facilmente indicativo é aquele tomado nas artérias15 carótidas21, colocando-se a mão22 no pescoço23 do paciente, próximo à sua garganta24.

Quando auscultado com um estetoscópio, não aparecerão os sons típicos das contrações e dilatações cardíacas. Se o paciente estiver sendo monitorado por um eletrocardiograma25, o traçado do exame mostrará inequívocos sinais26 da parada cardíaca. Também o ecocardiograma27 mostrará uma falta de movimentação do coração1.

Leia sobre "Síncopes28", "Tontura29", "Dor no peito18", "Eletrocardiograma25" e "Ecocardiograma27".

Como o médico trata a parada cardíaca?

O tratamento inicial para a parada cardíaca consiste em fazer o coração1 voltar a bater o mais rápido possível. Isso pode ser conseguido através da massagem cardíaca e/ou através do uso de um aparelho chamado desfibrilador.

Quando o coração1 volta a bater, é preciso fazer exames que evidenciem a causa da parada cardíaca, para que, assim, possa ser tratada e evitada a repetição da parada cardíaca. Em alguns casos, pode ser necessário o implante30 de um marcapasso31 ou até mesmo um desfibrilador implantável (pequenos aparelhos que diminuem ou revertem a parada cardíaca).

Como evolui a parada cardíaca?

Se não puder ser rapidamente revertida, a parada cardíaca leva à morte dentro de 8 a 10 minutos.

Como prevenir a parada cardíaca?

Para diminuir a chance de sofrer uma parada cardíaca, é necessário que o indivíduo tome regularmente os medicamentos para o coração1, caso tenha necessidade de usar algum deles, tenha um estilo de vida saudável e evite o estresse.

Quais são as complicações possíveis da parada cardíaca?

Se for revertida em curtíssimo prazo, a parada cardíaca pode não deixar sequelas32. Se durar um tempo maior, deixará sequelas32 neurológicas ou, ainda, causará a morte.

Veja também sobre "Arritmia6 cardíaca", "Sinais26 de doenças cardíacas em mulheres", "Sete passos para um coração1 saudável", "Marcapasso31" e "Desfibrilador".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Mayo ClinicAmerican Heart Association e National Center for Biotechnology Information (NCBI).

ABCMED, 2017. Parada cardíaca. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1304868/parada+cardiaca.htm>. Acesso em: 13 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
2 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
3 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
4 Choque hipovolêmico: Choque é um distúrbio caracterizado pelo insuficiente suprimento de sangue para os tecidos e células do corpo. O choque hipovolêmico tem como causa principal a perda de sangue, plasma ou líquidos extracelulares. É o tipo mais comum de choque e deve-se a uma redução absoluta e geralmente súbita do volume sanguíneo circulante em relação à capacidade do sistema vascular.
5 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
6 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
7 Dissecção de aorta: A dissecção aórtica ocorre quando a parede da artéria aorta, composta por três camadas laminares, se divide em duas, com consequente entrada de sangue fazendo um falso trajeto e dividindo a parede da aorta. Esta dissecção pode progredir até as artérias das pernas e obstruir o fluxo sanguíneo de outros importantes vasos sanguíneos do organismo.
8 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
9 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
10 Insuficiência respiratória: Condição clínica na qual o sistema respiratório não consegue manter os valores da pressão arterial de oxigênio (PaO2) e/ou da pressão arterial de gás carbônico (PaCO2) dentro dos limites da normalidade, para determinada demanda metabólica. Como a definição está relacionada à incapacidade do sistema respiratório em manter níveis adequados de oxigenação e gás carbônico, foram estabelecidos, para sua caracterização, pontos de corte na gasometria arterial: PaO2 50 mmHg.
11 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
12 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
13 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
14 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
15 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
16 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
17 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
18 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
19 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
20 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
21 Carótidas: Artérias originadas a partir da aorta torácica ou a partir de um dos seus ramos principais, encarregadas de conduzir o maior volume sangüíneo para as estruturas do crânio.Estão dispostas de cada lado do pescoço (carótidas externas), que a seguir ramifica-se em várias artérias e unem-se aos troncos arteriais derivados do circuito cerebral posterior, através dos ramos comunicantes posteriores.
22 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
23 Pescoço:
24 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
25 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
26 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
27 Ecocardiograma: Método diagnóstico não invasivo que permite visualizar a morfologia e o funcionamento cardíaco, através da emissão e captação de ultra-sons.
28 Síncopes: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
29 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
30 Implante: 1. Em cirurgia e odontologia é o material retirado do próprio indivíduo, de outrem ou artificialmente elaborado que é inserido ou enxertado em uma estrutura orgânica, de modo a fazer parte integrante dela. 2. Na medicina, é qualquer material natural ou artificial inserido ou enxertado no organismo. 3. Em patologia, é uma célula ou fragmento de tecido, especialmente de tumores, que migra para outro local do organismo, com subsequente crescimento.
31 Marcapasso: Dispositivo eletrônico utilizado para proporcionar um estímulo elétrico periódico para excitar o músculo cardíaco em algumas arritmias do coração. Em geral são implantados sob a pele do tórax.
32 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.