Gostou do artigo? Compartilhe!

Úlceras de perna - causas, características, diagnóstico, tratamento e prevenção

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são úlceras1 de perna?

As úlceras1 de perna são feridas das extremidades inferiores das pernas, que na maior parte dos casos se localizam no terço inferior delas, na parte interna, acima dos tornozelos.

Quais são as causas das úlceras1 de perna?

Cerca de 85% das úlceras1 de perna são consequência de má circulação2 venosa (a grande maioria) ou arterial. As condições mórbidas em que essas úlceras1 de perna ocorrem são as varizes3, a trombose4 venosa, a aterosclerose5, o diabetes mellitus6 e a hipertensão arterial7, entre outras. Uma má circulação2 venosa crônica é a causa mais comum das úlceras1 de perna. Ela geralmente ocorre após uma trombose venosa profunda8, flebite9 ou varizes3 de membros inferiores de longa duração.

Saiba mais sobre "Varizes3", "Trombose venosa profunda8", "Diabetes Mellitus6", "Hipertensão arterial7" e "Flebite9".

Qual é o mecanismo fisiológico10 das úlceras1 de perna?

A hipertensão11 venosa prolongada normalmente provoca úlceras1 de estase12, as quais costumam ser precedidas por edema13, escurecimento da pele14, manchas escuras e enrijecimento e perda da elasticidade15 da pele14. Essa hipertensão11 ocasiona uma isquemia16 do tecido gorduroso17 e da pele14, principalmente se o paciente permanece em pé por longos períodos de tempo.

A parede da veia se estira e se enfraquece e as válvulas não fecham corretamente, o que inicia um refluxo e acúmulo do sangue18 que piora ao longo do tempo. Os microvasos da pele14 são danificados, o que causa edema13, inflamação19, endurecimento do tecido20 e desnutrição21 da pele14, favorecendo o desenvolvimento das úlceras1.

Quais são as principais características da úlcera de perna22?

Normalmente, o paciente com úlcera de perna22 sente sensação de peso nos membros inferiores, inchaço23, prurido24 e cansaço. Em si mesma, a úlcera25 costuma ser não dolorosa e a presença de dor sugere uma infecção26 associada. Essas úlceras1 costumam ser rasas, crônicas e de cicatrização difícil. Geralmente ocorrem na parte interna da perna, acima do tornozelo. Esses sintomas27 se acompanham de inchaço23 na parte inferior das pernas.

Úlceras de perna

Devido ao extravasamento do pigmento ferroso dos glóbulos vermelhos, é comum uma coloração amarronzada da pele14 e pode ocorrer um vazamento de fluido tissular28 pela ferida, a qual pode vir a se infectar.

Como o médico diagnostica a úlcera de perna22?

O diagnóstico29 da úlcera25 pode ser feito pela observação clínica direta. A insuficiência30 venosa crônica pode ser contatada por uma flebografia31 ou pelo ecodoppler venoso (ecografia32 que avalia tanto o fluxo venoso superficial quanto profundo).

Nas úlceras1 venosas, o pé e a perna estão edemaciados33, a úlcera25 é rasa e tem bordos irregulares, a pele14 é avermelhada ou acastanhada, seca e pruriginosa e a lesão34 pode ser dolorosa se houver infecção26.

As úlceras1 arteriais causam pés e pernas frios com aparência esbranquiçada ou azulada, lesão34 arredondada, saliente e dolorosa, com aumento na dor quando as pernas são elevadas e diminuição dela quando sentado ou deitado.

Como o médico trata a úlcera de perna22?

As providências para curar as úlceras1 de perna visam diminuir a hipertensão11 venosa e fazer o tratamento da úlcera25 com curativos e medicamentos. As medidas de ordem geral consistem em limpeza diária e uso de meias elásticas ou ataduras para evitar o edema13, e relativo repouso, alternado com caminhadas moderadas.

No que se refere aos medicamentos, normalmente são usados antibióticos, quando há infecção26, e remédios para o prurido24 e as alterações de pele14, como pomadas ou cremes com corticoide. A cicatrização das úlceras1 de perna habitualmente é um processo demorado. Depois de cicatrizada a úlcera25, pode-se fazer a cirurgia das varizes3, se esta for a causa da hipertensão11 venosa ou, em alguns casos, aconselhar-se o uso constante de meias elásticas pelo resto da vida.

Se houver uma doença subjacente, ela deve ser concomitantemente tratada pelos meios próprios.

Veja o artigo sobre "Cirurgia de varizes3 dos membros inferiores".

Como evolui a úlcera de perna22?

As úlceras1 da perna são resultantes da progressão da insuficiência30 venosa crônica.

Como prevenir a úlcera de perna22?

As medidas preventivas podem também ser utilizadas para auxiliar o tratamento e incluem:

  • Evitar permanecer em pé ou assentado por longos períodos.
  • Evitar o uso de sapatos altos.
  • Manter o peso corporal adequado, evitando o sobrepeso35 e a obesidade36.
  • Não praticar exercícios físicos com excesso de levantamento de cargas.
  • Praticar exercícios físicos moderados de maneira regular.
  • A melhor maneira de prevenir as úlceras1 de perna consiste em tratar adequadamente as varizes3 e a trombose4 venosa.
Leia também sobre "Complicações da trombose venosa profunda8" e "Úlceras1 de decúbito37 ou escaras38".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da Healthline, do National Health Service do Reino Unido e da Mayo Clinic.

ABCMED, 2016. Úlceras de perna - causas, características, diagnóstico, tratamento e prevenção. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1273163/ulceras-de-perna-causas-caracteristicas-diagnostico-tratamento-e-prevencao.htm>. Acesso em: 25 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
2 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
3 Varizes: Dilatação anormal de uma veia. Podem ser dolorosas ou causar problemas estéticos quando são superficiais como nas pernas. Podem também ser sede de trombose, devido à estase sangüínea.
4 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
5 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
6 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
7 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
8 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
9 Flebite: Inflamação da parede interna de uma veia. Pode ser acompanhada ou não de trombose da mesma.
10 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
11 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
12 Estase: 1. Estagnação do sangue ou da linfa. 2. Incapacidade de agir; estado de impotência.
13 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
14 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
15 Elasticidade: 1. Propriedade de um corpo sofrer deformação, quando submetido à tração, e retornar parcial ou totalmente à forma original. 2. Flexibilidade, agilidade física. 3. Ausência de senso moral.
16 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
17 Tecido Gorduroso: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
18 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
19 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
20 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
21 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
22 Úlcera de perna: As úlceras ou feridas das extremidades inferiores são conseqüência de doenças venosas, arteriais ou neurovasculares, tais como varizes, trombose venosa, aterosclerose, diabetes e hipertensão arterial. Localizam-se geralmente nos tornozelos ou terço inferior das pernas e pés. Os sintomas do paciente com úlcera de perna por insuficiência venosa crônica são: dor, cansaço, sensação de peso nos membros inferiores, edema e prurido (coceira) nas áreas onde há inflamação da pele.
23 Inchaço: Inchação, edema.
24 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
25 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
26 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
27 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
28 Tissular: Relativo a tecido orgânico.
29 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
30 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
31 Flebografia: Estudo radiológico que utiliza um meio de contraste para visualizar o trajeto de uma região do sistema venoso. Podem ser detectadas obstruções, comunicações anormais, etc.
32 Ecografia: Ecografia ou ultrassonografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
33 Edemaciados: Em que se formou edema ou inchaço.
34 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
35 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
36 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
37 Decúbito: 1. Atitude do corpo em repouso em um plano horizontal. 2. Na história da medicina, é o momento em que o paciente é levado a deitar-se devido à doença.
38 Escaras: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Angiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.