Atalho: 6MPKHV6
Gostou do artigo? Compartilhe!

Fimose: como é? O que deve ser feito?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é fimose1?

Fala-se em fimose1 quando o prepúcio2 (uma dobra de pele3 e membrana mucosa4 retrátil que cobre a extremidade do pênis5) não pode ser completamente retraído para expor totalmente a glande (”cabeça” do pênis5). O prepúcio2 normal geralmente recobre a glande quando o pênis5 está flácido e se retrai quando ele está ereto6, deixando a glande à mostra. A dificuldade em expor a glande ocorre quando o prepúcio2 possui uma abertura muito pequena para a passagem da glande.

No bebê, existe naturalmente uma aderência do prepúcio2 à glande (fimose1 fisiológica7), a qual desaparece na grande maioria dos meninos até os 3 anos de idade. Incidentalmente, chama-se parafimose à situação em que a glande é exposta apesar da dificuldade, mas não consegue novamente ser recolhida, causando um estrangulamento da glande (impedindo o fluxo venoso e linfático8) ou impedindo a higiene adequada.

Deve lembrar-se que a circuncisão (remoção cirúrgica da prega de pele3 que envolve a glande), prática usada para corrigir a fimose1, tem implicações culturais e religiosas importantes e existe há mais de cinco mil anos, tendo um aspecto ritual entre egípcios, gregos e hebreus.

Quais são as causas da fimose1?

O problema pode ser de origem congênita9 ou adquirida, acontecendo na criança e no adulto. As causas principais da fimose1 adquirida são cicatrizes10 devido a inflamações11 ou infecções12 (ou simplesmente assaduras intensas e persistentes) que retraem a pele3, deixando o anel do prepúcio2 mais estreito.

Quais são os sinais13 e sintomas14 da fimose1?

A fimose1 pode causar dor ao urinar, ardência, acúmulo de secreções, inchaço15, dor e desconforto durante as relações sexuais. Quando ocorre a parafimose (condição na qual o prepúcio2 se retrai com dificuldade, mas não consegue voltar à sua posição normal) pode-se ter inchaço15 e aumento da glande, podendo ocorrer necrose16 da glande (devido a uma grande diminuição do suprimento sanguíneo para esta região do corpo).

Como o médico diagnostica a fimose1?

O diagnóstico17 da fimose1 é feito basicamente pela inspeção18 local. A fimose1 deve ser diferençada de outras enfermidades do pênis5 que possam se confundir com ela. Um médico pediatra, cirugião pediátrico ou urologista19 pediátrico, no caso de crianças, deve ser consultado. Em adultos, esta condição pode ser avaliada pelo urologista19.

Como o médico trata a fimose1?

Geralmente a fimose1 deve ser removida por meio de cirurgia de circuncisão ou pela prepucioplastia (tratamento da fimose1 sem a retirada do prepúcio2), conduzida por um urologista19. Estas intervenções podem ser feitas no próprio consultório ou em day clinic, usando anestesia20 local. 

A prepucioplastia é mais conservadora do que a circuncisão e permite o tratamento da fimose1 sem a retirada do prepúcio2. Se a fimose1 existe desde pequeno, a cirurgia deve ocorrer entre os sete e dez anos e terá por objetivo melhorar a higienização, prevenir infecções12 e tornar as relações sexuais mais cômodas na vida adulta. A idade ideal para a cirurgia ainda é motivo de discussão entre os especialistas.

A parafimose, uma complicação da fimose1, constitui um quadro que deve ser atendido prontamente, pelo risco de necrose16 da glande. Pode ser tentada a redução manual, após a aplicação de anestesia20 local e, se isso não produzir resultado, o paciente deve ser encaminhado para a cirurgia.

Como prevenir a fimose1?

Deve-se fazer uma adequada higiene local, para evitar assim as infecções12 ou inflamações11 do prepúcio2.

Como evolui a fimose1?

Não devem ser praticados (principalmente em crianças) exercícios que visem foçar a retração do prepúcio2, porque isso pode causar pequenos traumatismos ou ferimentos, cujas cicatrizes10 pioram o problema, ao invés de solucioná-lo.

Uma complicação possível da fimose1 é a parafimose.

ABCMED, 2012. Fimose: como é? O que deve ser feito?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-do-homem/318070/fimose+como+e+o+que+deve+ser+feito.htm>. Acesso em: 12 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Fimose: Estreitamento no prepúcio do pênis que impede sua exposição. Geralmente é congênita ou secundária a uma infecção.
2 Prepúcio: Prega cutânea que recobre a glande do pênis.
3 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
4 Membrana Mucosa: EPITÉLIO com células secretoras de MUCOS, como as CÉLULAS CALICIFORMES. Forma o revestimento de muitas cavidades do corpo, como TRATO GASTROINTESTINAL, TRATO RESPIRATÓRIO e trato reprodutivo. Mucosa, rica em sangue e em vasos linfáticos, compreende um epitélio interno, uma camada média (lâmina própria) do TECIDO CONJUNTIVO frouxo e uma camada externa (muscularis mucosae) de células musculares lisas que separam a mucosa da submucosa.
5 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
6 Ereto: 1. Que se mantém erguido, levantado; erecto. 2. Que se encontra em equilíbrio ou aprumado. 3. Que endureceu, que se tornou túrgido.
7 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
8 Linfático: 1. Na histologia, é relativo à linfa, que contém ou que conduz linfa. 2. No sentido figurado, por extensão de sentido, a que falta vida, vigor, energia (diz-se de indivíduo); apático. 3. Na história da medicina, na classificação hipocrática dos quatro temperamentos de acordo com o humor dominante, que ou aquele que, pela lividez das carnes, flacidez dos músculos, apatia e debilidade demonstradas no comportamento, atesta a predominância de linfa.
9 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
10 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
11 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
12 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Inchaço: Inchação, edema.
16 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Inspeção: 1. Ato ou efeito de inspecionar; exame, vistoria, inspecionamento. 2. Ato ou efeito de fiscalizar; fiscalização, supervisão, observação. 3. Exame feito por inspetor (es).
19 Urologista: Médico especializado em tratar pessoas com problemas no trato urinário e homens com problemas nos órgãos genitais, como impotência.
20 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Urologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.