Atalho: 6RE1E4S
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é hidrocefalia? Quais as causas e os sintomas? Como é o tratamento?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é hidrocefalia1?

O líquido cefalorraquiano2 (LCR ou líquor3) banha o cérebro4 e a medula espinhal5 e preenche as cavidades ventriculares6 cerebrais, amortecendo eventuais traumas ou choques mecânicos sobre o sistema nervoso central7. O líquor3 é produzido e reabsorvido pelos ventrículos, por meio da corrente sanguínea e circula por eles através de delicados orifícios que podem ser obstruídos, dificultando a sua circulação8.

Hidrocefalia1 é uma situação em que há um desequilíbrio entre a produção, circulação8 ou absorção desse fluido, com um acentuado aumento dele. Refere-se ao acúmulo do líquor3 nas cavidades ventriculares6 cranianas (o que as faz aumentar de tamanho) e no espaço subaracnóideo e à pressão que passa a exercer sobre as estruturas do cérebro4, podendo causar nelas lesões9 e inchaço10.

Quais são as causas da hidrocefalia1?

A hidrocefalia1 pode resultar do excesso de produção (situação rara), impedimento de circulação8 ou absorção do LCR, o que gera um aumento da pressão no interior do cérebro4. Em geral essa obstrução está relacionada com o aparecimento da espinha bífida11, mas também pode ocorrer por outras razões, genéticas ou adquiridas, entre as quais se contam: infecções12 (caxumba13, citomegalovírus14, hepatite15, toxoplasmose16, poliomielite17, etc.), hemorragia18 intraventricular, meningite19, traumatismos, tumores, cistos, estenose20 do Aqueduto de Sylvius21, etc.

Quais são os sinais22 e sintomas23 da hidrocefalia1?

Os principais sinais22 e sintomas23 da hidrocefalia1 em crianças são:

  • Crescimento anormal do crânio24.
  • Fontanela25 tensa.
  • Espaçamento anormal entre os ossos do crânio24.
  • Couro cabeludo esticado.
  • Irritabilidade.
  • Acessos epiléticos.
  • Dores de cabeça26.
  • Dificuldades de locomoção.
  • Perda de habilidades físicas.
  • Alterações de personalidade.
  • Vômitos27.
  • Letargia28.

Além disso, pode haver problemas de aprendizagem, de concentração, de raciocínio lógico, de memória, de coordenação, de organização, de localização no tempo e no espaço, de motivação, bem como puberdade precoce e dificuldades visuais.

Como o médico diagnostica a hidrocefalia1?

É muito importante fazer-se o diagnóstico29 precoce da hidrocefalia1, porque quanto mais cedo for iniciado o tratamento, menor a chance de serem deixadas sequelas30. A ultrassonografia31 pode diagnosticar o problema com o bebê ainda no útero32 e também pode ser utilizada posteriormente. Outros exames de imagem, como tomografia computadorizada33 e ressonância magnética34, podem ajudar a delimitar a área afetada.

Como o médico trata a hidrocefalia1?

Dependendo da causa da hidrocefalia1, o tratamento pode ser medicamentoso ou cirúrgico. Algumas medicações podem fazer baixar a produção do LCR, porém nem sempre são capazes de produzir os efeitos almejados. A cirurgia consiste no implante35 de uma válvula que drena o excesso do LCR do sistema ventricular para outras cavidades do corpo (geralmente a cavidade abdominal36). Outra técnica cirúrgica consiste em fazer-se um orifício no terceiro ventrículo e propiciar uma saída alternativa para o excesso do LCR. O neurocirurgião deve decidir, em cada caso específico, qual tratamento indicar.

Como prevenir a hidrocefalia1?

Não há como prevenir a hidrocefalia1, a não ser evitando, quando possível, as suas causas.

Como evolui a hidrocefalia1?

Nas crianças menores de dois anos a hidrocefalia1 pode ocasionar crescimento anormal da cabeça26.

É possível perceber ou palpar um aumento do espaçamento entre os ossos do crânio24.

ABCMED, 2012. O que é hidrocefalia? Quais as causas e os sintomas? Como é o tratamento?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-crianca/330579/o-que-e-hidrocefalia-quais-as-causas-e-os-sintomas-como-e-o-tratamento.htm>. Acesso em: 16 jan. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Hidrocefalia: Doença produzida pelo aumento do conteúdo de Líquido Cefalorraquidiano. Nas crianças pequenas, manifesta-se pelo aumento da cabeça, e nos adultos, pelo aumento da pressão interna do cérebro, causando dores de cabeça e outros sintomas neurológicos, a depender da gravidade. Pode ser devido a um defeito de escoamento natural do líquido ou por um aumento primário na sua produção.
2 Líquido cefalorraquiano: Líquido cefalorraquiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
3 Líquor: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
4 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
5 Medula Espinhal:
6 Cavidades ventriculares:
7 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
8 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
9 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
10 Inchaço: Inchação, edema.
11 Espinha bífida: Também conhecida como mielomeningocele, a espinha bífida trata-se de um problema congênito. Ela é caracterizada pela má formação no tubo neural do feto, a qual ocorre nas três primeiras semanas de gravidez, quando a mulher ainda não sabe que está grávida. Esta malformação pode comprometer as funções de locomoção, controle urinário e intestinal, dentre outras.
12 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Caxumba: Também conhecida como parotidite. É uma doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da caxumba, resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, dor no corpo, perda de apetite, fadiga e dor de cabeça. Cerca de 30 a 40% dos indivíduos infectados apresentam dor e aumento uni ou bilateral das glândulas salivares (mais comumente, das parótidas). Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Em alguns casos pode complicar causando meningite, encefalite, surdez, orquite, ooferite, miocardite ou pancreatite.
14 Citomegalovírus: Citomegalovírus (CMV) é um vírus pertence à família do herpesvírus, a mesma dos vírus da catapora, herpes simples, herpes genital e do herpes zóster.
15 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
16 Toxoplasmose: Infecção produzida por um parasita unicelular denominado Toxoplasma gondii. Este parasita cumpre um primeiro ciclo no interior do tubo digestivo de certos animais domésticos como o gato. A infecção é produzida ao ingerir alimentos contaminados e pode ocasionar graves transtornos durante a gestação e em pessoas imunossuprimidas.
17 Poliomielite: Doença viral que afeta as raízes anteriores dos nervos motores, produzindo paralisia especialmente em crianças pequenas e adolescentes. Sua incidência tem diminuído muito graças ao descobrimento de uma vacina altamente eficaz (Sabin), e de seu uso difundido no mundo inteiro.
18 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
19 Meningite: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
20 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
21 Aqueduto de Sylvius: Canal estreito, no mesencéfalo, que conecta o terceiro e o quarto ventrículos.
22 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
23 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
24 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
25 Fontanela: Na anatomia geral, é um espaço membranoso entre os ossos do crânio que ainda não se encontra ossificado quando do nascimento do bebê; fontículo ou moleira. Na anatomia zoológica, é uma depressão rasa e pálida da cabeça de certos cupins; fenestra.
26 Cabeça:
27 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
28 Letargia: Em psicopatologia, é o estado de profunda e prolongada inconsciência, semelhante ao sono profundo, do qual a pessoa pode ser despertada, mas ao qual retorna logo a seguir. Por extensão de sentido, é a incapacidade de reagir e de expressar emoções; apatia, inércia e/ou desinteresse.
29 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
30 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
31 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
32 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
33 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
34 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
35 Implante: 1. Em cirurgia e odontologia é o material retirado do próprio indivíduo, de outrem ou artificialmente elaborado que é inserido ou enxertado em uma estrutura orgânica, de modo a fazer parte integrante dela. 2. Na medicina, é qualquer material natural ou artificial inserido ou enxertado no organismo. 3. Em patologia, é uma célula ou fragmento de tecido, especialmente de tumores, que migra para outro local do organismo, com subsequente crescimento.
36 Cavidade Abdominal: Região do abdome que se estende do DIAFRAGMA torácico até o plano da abertura superior da pelve (passagem pélvica). A cavidade abdominal contém o PERiTÔNIO e as VÍSCERAS abdominais, assim como, o espaço extraperitoneal que inclui o ESPAÇO RETROPERITONEAL.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Neurologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

19/05/2013 - Comentário feito por maria
Re: O que é hidrocefalia? Quais as causas e os sintomas? Como é o tratamento?
PARABÉNS AS ESPRICASOES FORAL BEM CALRAS POSSO LIDAR COM BEM MAIS COM A MINHA FILHA

28/02/2013 - Comentário feito por Maria
Re: O que é hidrocefalia? Quais as causas e os sintomas? Como é o tratamento?
Parabéns pelo texto, simples e de fácil compreensão me auxiliará muito a lidar com um aluno portador dessa deficiência.

20/12/2012 - Comentário feito por elza
Re: O que é hidrocefalia? Quais as causas e os sintomas? Como é o tratamento?
Assunto muito interessante, parabens, falta mais detalhamento sobre o tratamento e quais os sintomas para quem ficou c/ sequelas cerebrais com perdeu parte da leitura, medicamentos que controla as convulsões, após cirurgia já adulto, muito interessante este assunto , pouco comentado tenho um filho c/ hidroencefalia tem 40 anos mas esta muito agressivo,

  • Entrar
  • Assinar
O AbcMed® é parte integrante da Plataforma HiDoctor® e é oferecido a você gratuitamente.