Atalho: 6CSNDSF
Gostou do artigo? Compartilhe!

Catapora ou varicela: como é transmitida? Como evitar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a catapora1 ou varicela2?

A catapora1 (ou varicela2) é uma doença infecciosa aguda, própria da infância, altamente transmissível e causada pelo herpesvirus varicellae (ou, HHV3 - human herpes virus3 3 ou vírus3 varicela2-zóster).

Nos idosos, os vírus3 da varicela2 que permanecem dormentes nos gânglios4 nervosos podem ser reativados em situações de baixa imunidade5, causando o herpes zóster, uma forma clínica tardia assumida pelo vírus3 da catapora1.

Como se contrai a catapora1 (ou varicela2)?

A catapora1 é altamente transmissível. A transmissão se dá por gotículas de saliva ou de secreções nasais, mediante espirros e tosses ou pelo contato direto com a pele6 infectada (contato direto com o líquido presente nas vesículas7 da pele6).

O vírus3 entra no corpo pela mucosa8 do trato respiratório superior ou pela conjuntiva9 do olho10, multiplica-se e se dissemina pelo sangue11 até a pele6. O período de incubação12 do vírus3 varia de 10 a 21 dias.

A doença é mais comum em crianças, podendo ocorrer em pessoas susceptíveis (não imunes) em qualquer idade. A maioria dos casos evolui sem consequências sérias, mas alguns casos graves, principalmente em adultos e pessoas com imunodeficiência13, podem até levar à morte.

Quais as causas da catapora1 (ou varicela2)?

A catapora1 é causada pelo herpesvirus varicellae (ou, HHV3 - human herpes virus3 3). Durante a doença, alguns desses vírus3 invadem os gânglios4 nervosos e lá permanecem de forma latente, sem causar danos ou sintomas14. Muitos anos depois, devido ao envelhecimento do sistema imunológico15 ou a outras condições clínicas, uma queda das defesas orgânicas pode levar à reativação do vírus3, causando o herpes zóster.

Quais são os sintomas14 da catapora1 (ou varicela2)?

Os sintomas14 iniciais da catapora1 são febre16 e erupções na pele6.

As lesões17 da pele6 surgem como pequenas manchas vermelhas elevadas (máculo-pápulas18), que em algumas horas tornam-se pequenas bolhas com conteúdo líquido claro (vesículas7), das quais algumas se rompem e outras evoluem para formação de bolhas com pus19 (pústulas20). Posteriormente (em 1 a 3 dias) formam-se as crostas. As lesões17 coçam muito e podem acometer a mucosa8, principalmente da boca21.

A catapora1 geralmente é uma doença inofensiva, mas em doentes com imunodeficiência13 acentuada ou em neonatos22 que ainda não adquiriram defesas suficientes ela pode causar infecções23 no cérebro24 ou nos pulmões25, complicando o quadro.

Como o médico faz o diagnóstico26 da catapora1 (ou varicela2)?

Em geral o diagnóstico26 é clínico, mas o médico pode valer-se da detecção do DNA viral, dos antígenos27 virais ou dos anticorpos28 específicos por imunofluorescência.

Como é o tratamento da catapora1 (ou varicela2)?

Não há cura médica (eliminação do vírus3) da catapora1, mas a enfermidade se extingue espontaneamente, após alguns dias, vencida pelas defesas orgânicas. Alguns vírus3 residuais tornam-se latentes e ficam abrigados nos gânglios4 nervosos, como já foi dito.

Os tratamentos empregados visam controlar os sintomas14 e minorar a progressão da doença. Os antivirais são indicados a pacientes imunodeprimidos ou mesmo aos imunocompetentes para aliviar sintomas14 de grande expressão.

Banhos com permanganato de potássio ajudam a aliviar a coceira e cicatrizar as feridas, embora não haja comprovação científica dos resultados benéficos dessa prática. Banhos ou compressas frias também podem aliviar o prurido29. Alguns casos, demandam o uso de antialérgicos.

Em caso de infecção30 das lesões17 (pus19 nas lesões17), deve-se usar antibióticos orientados por um médico.

Os antitérmicos31 (paracetamol, dipirona), caso sejam necessários, podem ser utilizados para controlar a febre16. Os medicamentos que contenham em sua formulação o ácido acetilsalicílico (AAS®, Aspirina®, Doril®, Melhoral®, etc.) não devem ser usados em crianças com varicela2, pela possibilidade de Síndrome32 de Reye (doença rara, de alta letalidade, caracterizada pelo comprometimento do sistema nervoso central33 e do fígado34 associado ao uso deste medicamento durante infecções23 virais em crianças).

A catapora1 (ou varicela2) confere imunidade5 definitiva, mas os vírus3 podem ser reativados anos mais tarde, causando o herpes zóster.

Quais são os cuidados que se deve ter para evitar a disseminação do vírus3 da catapora1?

  • Evitar contato com as pessoas doentes. Os doentes, por sua vez, devem permanecer em casa, evitando todo tipo de aglomeração e contato com outras pessoas.
  • Evitar tocar, coçar ou escarificar35 as lesões17. Se tiver que fazê-lo, usar luvas e lavar bem as mãos36, com especial cuidado com a retenção de vírus3 embaixo das unhas37. Isso tanto previne a difusão da doença, quanto a infecção30 das lesões17.
  • Tomar a vacina38 contra a varicela2 na época recomendada. A vacina38 está indicada para todas as crianças acima de um ano de idade e aos adolescentes e adultos susceptíveis, que não tiverem contraindicação. Todas as vacinas de vírus3 atenuado estão contraindicadas durante a gravidez39 e em pessoas com imunodeficiência13.
ABCMED, 2012. Catapora ou varicela: como é transmitida? Como evitar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-crianca/287990/catapora-ou-varicela-como-e-transmitida-como-evitar.htm>. Acesso em: 19 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Catapora: Doença infecciosa aguda, comum na infância, também chamada de varicela. Ela é provocada por vírus e caracterizada por febre e erupção maculopapular rápida, seguida de erupção de vesículas eritematosas muito pruriginosas.
2 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
3 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
4 Gânglios: 1. Na anatomia geral, são corpos arredondados de tamanho e estrutura variáveis; nodos, nódulos. 2. Em patologia, são pequenos tumores císticos localizados em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
5 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Vesículas: Lesões papulares preenchidas com líquido claro.
8 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
9 Conjuntiva: Membrana mucosa que reveste a superfície posterior das pálpebras e a superfície pericorneal anterior do globo ocular.
10 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Incubação: 1. Ato ou processo de chocar ovos, natural ou artificialmente. 2. Processo de laboratório, por meio do qual se cultivam microrganismos com o fim de estudar ou facilitar o seu desenvolvimento. 3. Em infectologia, é o período que vai da penetração do agente infeccioso no organismo até o aparecimento dos primeiros sinais da doença.
13 Imunodeficiência: Distúrbio do sistema imunológico que se caracteriza por um defeito congênito ou adquirido em um ou vários mecanismos que interferem na defesa normal de um indivíduo perante infecções ou doenças tumorais.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
16 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
17 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
18 Pápulas: Lesões firmes e elevadas, com bordas nítidas e diâmetro que varia de 1 a 5 milímetros (até 1 centímetro, segundo alguns autores).
19 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
20 Pústulas: Elevações da pele contendo pus, de até um centímetro de diâmetro.
21 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
22 Neonatos: Refere-se a bebês nos seus primeiros 28 dias (mês) de vida. O termo “recentemente-nascido“ refere-se especificamente aos primeiros minutos ou horas que se seguem ao nascimento. Esse termo é utilizado para enfocar os conhecimentos e treinamento da ressuscitação imediatamente após o nascimento e durante as primeiras horas de vida.
23 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
24 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
25 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
26 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
27 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
28 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
29 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
30 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
31 Antitérmicos: Medicamentos que combatem a febre. Também pode ser chamado de febrífugo, antifebril e antipirético.
32 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
33 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
34 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
35 Escarificar: Arranhar ou praticar cortes mais ou menos leves em uma superfície.
36 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
37 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
38 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
39 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

22/04/2014 - Comentário feito por anna
que legal
que legal

09/03/2012 - Comentário feito por Osvaldo
Re: Catapora ou varicela: como é transmitida? Como evitar?
Bom dia, meu nome è Osvaldo Lisboa sou acadêmico em Farmácia e atuo como Consultor de drogaria, aqui na nossa regiâo é comum a catapora, ainda nâo tinha me aprofundado no assunto acreditava que era simplesmente aquela doença de momento que vem e passa logo, agora que recebi essa informaçâo vou me aprofundar mais e procurar orientar, também nâo sabia quie deixava sequela para o virus do herpes zoster. muito obrigado essas informações vâo me dar mais conteúdo para conhecer mais esse virus.

  • Entrar
  • Assinar