Atalho: 6X1SM27
Gostou do artigo? Compartilhe!

Você tem foliculite? O que fazer para evitar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é foliculite?

Foliculite é uma infecção1 aguda ou crônica da raiz dos folículos pilosos, local onde nascem os pelos.

Quais são as causas da foliculite?

Esta condição é quase sempre causada pela entrada, nos folículos pilosos, de bactérias estafilocócicas que sobrevivem na superfície da pele2. Pode ocorrer em qualquer localização onde existam pelos, de modo espontâneo ou em virtude do excesso de umidade, suor, depilação ou qualquer tipo de lesão3 na pele2. Afeta igualmente crianças e adultos, homens ou mulheres.

Quais são os principais sinais4 e sintomas5 da foliculite?

Os principais sinais4 e sintomas5 da foliculite são dor, erupção6 cutânea7, coceira, pústulas8 ou crostas na pele2. Quase sempre ela se manifesta por pequenas bolinhas avermelhadas ou esbranquiçadas de pus9, com um pelo no centro. Se a infecção1 atingir as camadas mais profundas da pele2, pode manifestar-se apenas como lesões10 vermelhas elevadas, as quais podem deixar cicatrizes11 ou manchas na pele2. As áreas mais atingidas nas mulheres são as virilhas e as pernas e, nos homens, a barba.

Como o médico diagnostica a foliculite?

O diagnóstico12 da foliculite é feito com base na observação da pele2. Em geral, isso é o bastante para estabelecer-se um diagnóstico12 e um tratamento mas, se for necessário, testes de laboratório podem ser feitos para mostrar os tipos de bactérias ou fungos que estão presentes. Um diagnóstico12 diferencial deve ser estabelecido com a acne13.

Como o médico trata a foliculite?

Os casos mais simples resolvem-se espontaneamente. Para os mais avançados, os médicos indicam o uso de pomadas ou remédios por via oral, geralmente contendo antibióticos. As lesões10 de maior intensidade podem demandar drenagem14 cirúrgica.

Como prevenir a foliculite?

  • Mantenha os locais onde é mais provável que as lesões10 apareçam sempre bem secos e arejados, como a virilha e axilas.
  • Mantenha os cuidados antissépticos15 de rotina e evite os fatores predisponentes, como a depilação.
  • Evite calça ou calcinha apertada que possa deixar a virilha mais quente, úmida ou machucada.
  • Nas barbearias, exija que o material usado para fazer a barba seja descartável.
  • Use sempre uma loção antisséptica após a barba.
  • Evite o excesso de esfoliação da pele2, embora a esfoliação moderada, feita com produtos adequados, seja benéfica.
  • Evite tomar banhos muito quentes e demorados, principalmente se já tiver tido foliculite anteriormente.
ABCMED, 2013. Você tem foliculite? O que fazer para evitar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/346394/voce-tem-foliculite-o-que-fazer-para-evitar.htm>. Acesso em: 26 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
7 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
8 Pústulas: Elevações da pele contendo pus, de até um centímetro de diâmetro.
9 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
10 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
14 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
15 Antissépticos: Que ou os que impedem a contaminação e combatem a infecção.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.