Atalho: 6U2K703
Gostou do artigo? Compartilhe!

A gravidez e suas etapas na mãe e no bebê

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Introdução

A gravidez1 é o período em que a mulher gesta um novo ser humano no interior do seu útero2. Ela começa com a fecundação3 do óvulo4 por um espermatozoide5 e termina com o parto. Em geral esse período dura 42 semanas (cerca de 9 meses) e é necessariamente precedido de uma relação sexual em que o homem injeta na vagina6 da mulher uma certa quantidade de sêmen7 contendo alguns milhões de espermatozoides8, os quais posteriormente ascendem ao interior do útero2 e das trompas de Falópio (que ligam o útero2 aos ovários9) ou de inseminação artificial, mediante a qual os espermatozoides8 são artificialmente injetados (por meios médicos) no trato reprodutivo da mulher. Outra maneira de começar a gravidez1 é pela fertilização10 “in vitro”, na qual o óvulo4 feminino é fecundado por espermatozoides8 fora do corpo da mulher, sendo o resultado disso posteriormente implantado no seu útero2. Em termos naturais, parte dos espermatozoides8 depositados na vagina6 atravessa o cérvix uterino (colo do útero11), ajudado pelo muco aí existente e ganha acesso ao interior do útero2, de onde passam às trompas de Falópio. Se a mulher houver ovulado nessa ocasião, um deles se encontrará, no interior de uma dessas tubas, com o óvulo4, que percorre o caminho dos ovários9 até o útero2 e aí se dará a fecundação3. A nova célula12 assim formada continuará caminhando no sentido do útero2, do epitélio13 no qual, adequadamente preparado pela ação de hormônios específicos, se aninhará para dar formação a um novo ser.

Durante a gravidez1 vai havendo progressiva formação do bebê, da qual se podem descrever algumas etapas características:

  • Ao fim do 1º mês o embrião mede cerca de 4 ou 5 mm e pesa ainda menos de 1 grama14. A cabeça15 começa a se diferenciar do tronco e um coração16 ainda muito rudimentar começa a bater por volta do 25° dia.
  • Ao fim do 2º mês ele já tem aparência humana, mede cerca de 30 mm e pesa de 2 a 8 gramas. Formam-se esboços dos olhos17, boca18 e fossas nasais e o embrião começa a se mexer.
  • Ao fim do 3º mês ele medirá de 80 a 100 mm, pesará cerca de 40 gramas e passará a ser chamado feto19. A sua cabeça15 corresponde à metade de seu comprimento total. Os órgãos genitais já estão diferenciados e já podem ser captados pela ultrassonografia20.
  • Ao final do 4º mês o bebê já mede 15 cm e pesa 240 gramas. Nessa fase, uma ecografia21 já revelará claramente o sexo do bebê. Seu coração16 bate a 120 batimentos por minuto (bpm), o bebê já flutua no líquido amniótico22 e muda rapidamente de posição.
  • Ao final do 5º mês ele medirá cerca de 30 cm e pesará cerca de 600 gramas. Aparecem as impressões digitais e formam-se as partes mais evoluídas do sistema nervoso23 e dos alvéolos24.
  • Ao fim do 6º mês o bebê mede de 30 a 35 cm e pesa 1.000 a 1.200 gramas. Mexe-se muito e já formou praticamente todos os órgãos de que precisará para sobreviver.
  • Ao final do 7º mês o bebê medirá cerca de 40 cm e pesará cerca de 1.700 gramas. Seus olhos17 começam a abrir e fechar e os cinco sentidos estão formados. O bebê mexe-se cada vez mais.
  • Ao fim de 8º mês o bebê aumenta rapidamente de peso, atingindo cerca de 2.500 gramas, graças ao desenvolvimento de seu panículo25 adiposo e mede de 45 a 47 cm.
  • Ao fim do 9º mês o bebê, que aumentou muito de peso nos últimos dois meses, estará pesando 3.300 gramas em média e medindo de cerca de 50 cm, estando pronto para o nascimento. No entanto, seu crânio26 não está completamente formado e algumas funções ainda serão posteriormente amadurecidas (fala, posição bípede, andar, controle dos esfíncteres27). A sua completa evolução terá de ser completada num útero2 social, por assim dizer.

Ao mesmo tempo, o organismo da mulher vai sofrendo modificações anatômicas e funcionais que o preparam e adaptam para suas novas funções e exigências. Os hormônios têm importante papel durante toda a gravidez1: a progesterona, produzida nos ovários9 e na placenta, prepara o útero2 para receber o embrião; a gonadotrofina coriônica (HCG) placentária estimula a produção da progesterona e do estrógeno28; a prolactina29 leva à lactação30; a ocitocina31 contrai o útero2 para a expulsão do bebê na hora do parto e, na sequência, provoca a emissão do leite. Quanto ao corpo, ocorre progressivo aumento de volume e alteração de forma do abdome32; turgência33 e aumento progressivo das mamas34; aparecimento de varizes35 nos membros inferiores e de estrias no abdome32; aumento da pigmentação da pele36. Por ocasião do parto ocorre relaxamento dos músculos37 e ligamentos38 do períneo39 com consequente alargamento da bacia. Alguns sintomas40 subjetivos também acompanham a gravidez1: sensibilidade “à flor da pele”; sensação de cansaço e fadiga41; enjoo; sonolência; elevação dos ritmos cardíaco e respiratório; retardamento do esvaziamento gástrico, etc.

O bebê no útero2 se desenvolve dentro do chamado saco amniótico, que é uma bolsa contendo líquido (líquido amniótico22) e é nutrido de alimentos e suprido de oxigênio pelo cordão umbilical42, que se origina na placenta. Esta, por sua vez, é um anexo43 embrionário formado por tecidos originários do óvulo4 e através da qual o bebê “respira", "alimenta-se" e excreta os produtos inservíveis do seu metabolismo44, além de ser, também, órgão endócrino45, envolvido na produção de hormônios. Normalmente ela implanta-se na camada esponjosa do útero2 e se descola dela depois do parto, sendo eliminada. A placenta funciona como um filtro que impede que moléculas nocivas, de alto peso molecular, cheguem ao feto19, ainda despreparado para lidar com elas. A bolsa amniótica46 tem uma função protetora, amortecendo os choques térmicos e mecânicos que possam ser provocados durante a gestação. Ela forma-se a partir de uma dobra interna da ectoderma47 (camada mais superficial do epitélio13).

Quando transcorre normalmente a gravidez1 que tenha sido desejada, ela representa “um dos melhores períodos da vida” de uma mulher.

Sinais48 precoces de gravidez1

A mulher que observa atentamente o seu corpo pode detectar alguns sinais48 precoces de gravidez1, anteriores mesmo à ausência das menstruações e ao crescimento abdominal, tais como sangramento quando da implantação do embrião no útero2 (6 a 12 dias depois da concepção49); uma maior turgência33 das mamas34; mudanças de humor; maior apetite e perversões do apetite; ganho ou perda repentinas de peso; alterações na lubrificação da pele36; sensações de fadiga41, náuseas50 ou vômitos51, sobretudo matinais; aumento da frequência urinária; dores lombares; cefaleias52; tonturas53 e desmaios. Alguns testes são também capazes de detectar muito precocemente a gravidez1.

ABCMED, 2013. A gravidez e suas etapas na mãe e no bebê. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/gravidez/336649/a+gravidez+e+suas+etapas+na+mae+e+no+bebe.htm>. Acesso em: 16 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
3 Fecundação: 1. Junção de gametas que resulta na formação de um zigoto; anfigamia, fertilização. 2. Ato ou efeito de fecundar (-se).
4 Óvulo: Célula germinativa feminina (haplóide e madura) expelida pelo OVÁRIO durante a OVULAÇÃO.
5 Espermatozóide: Célula reprodutiva masculina.
6 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
7 Sêmen: Sêmen ou esperma. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O sêmen é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
8 Espermatozóides: Células reprodutivas masculinas.
9 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
10 Fertilização: Contato entre espermatozóide e ovo, determinando sua união.
11 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
12 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
13 Epitélio: Epitélio ou tecido epitelial é um tecido constituído por células justapostas, ou seja, intimamente unidas entre si. Sua principal função é revestir a superfície externa do corpo, os órgãos e as cavidades corporais internas. Os epitélios são eficientes barreiras contra a entrada de agentes invasores e a perda de líquidos corporais. Eles têm também funções secretoras, sensoriais e de absorção. O tecido epitelial é um dos quatro tipos de tecidos básicos do nosso organismo, juntamente com os tecidos conjuntivo, muscular e nervoso.
14 Grama: 1. Designação comum a diversas ervas da família das gramíneas que formam forrações espontâneas ou que são cultivadas para criar gramados em jardins e parques ou como forrageiras, em pastagens; relva. 2. Unidade de medida de massa no sistema c.g.s., equivalente a 0,001 kg . Símbolo: g.
15 Cabeça:
16 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
17 Olhos:
18 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
19 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
20 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
21 Ecografia: Ecografia ou ultrassonografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
22 Líquido amniótico: Fluido viscoso, incolor ou levemente esbranquiçado, que preenche a bolsa amniótica e envolve o embrião durante toda a gestação, protegendo-o contra infecções e choques mecânicos e térmicos.
23 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
24 Alvéolos: Pequenas bolsas poliédricas localizadas ao longo das paredes dos sacos alveolares, ductos alveolares e bronquíolos terminais. A troca gasosa entre o ar alveolar e o sangue capilar pulmonar ocorre através das suas paredes. DF
25 Panículo: Camada ou lâmina de tecido.
26 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
27 Esfíncteres: Estruturas musculares que contornam um orifício ou canal natural, permitindo sua abertura ou fechamento, podendo ser constituídos de fibras musculares lisas e/ou estriadas.
28 Estrógeno: Grupo hormonal produzido principalmente pelos ovários e responsáveis por numerosas ações no organismo feminino (indução da primeira fase do ciclo menstrual, desenvolvimento dos ductos mamários, distribuição corporal do tecido adiposo em um padrão feminino, etc.).
29 Prolactina: Hormônio secretado pela adeno-hipófise. Estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias. O aumento de produção da prolactina provoca a hiperprolactinemia, podendo causar alteração menstrual e infertilidade nas mulheres. No homem, gera impotência sexual (por prejudicar a produção de testosterona) e ginecomastia (aumento das mamas).
30 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
31 Ocitocina: Hormônio produzido pelo hipotálamo e armazenado na hipófise posterior (neuro-hipófise). Tem a função de promover as contrações uterinas durante o parto e a ejeção do leite durante a amamentação.
32 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
33 Turgência: Condição ou qualidade de túrgido; turgidez, turgor.
34 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
35 Varizes: Dilatação anormal de uma veia. Podem ser dolorosas ou causar problemas estéticos quando são superficiais como nas pernas. Podem também ser sede de trombose, devido à estase sangüínea.
36 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
37 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
38 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
39 Períneo: Região que constitui a base do púbis, onde estão situados os órgãos genitais e o ânus.
40 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
41 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
42 Cordão Umbilical: Estrutura flexível semelhante a corda, que conecta um FETO em desenvolvimento à PLACENTA, em mamíferos. O cordão contém vasos sanguíneos que transportam oxigênio e nutrientes da mãe ao feto e resíduos para longe do feto.
43 Anexo: 1. Que se anexa ou anexou, apenso. 2. Contíguo, adjacente, correlacionado. 3. Coisa ou parte que está ligada a outra considerada como principal. 4. Em anatomia geral, parte acessória de um órgão ou de uma estrutura principal. 5. Em informática, arquivo anexado a uma mensagem eletrônica.
44 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
45 Endócrino: Relativo a ou próprio de glândula, especialmente de secreção interna; endocrínico.
46 Bolsa amniótica: Bolsa amniótica ou âmnio é um dos anexos embrionários que alguns vertebrados (répteis, aves e mamíferos) possuem durante o seu desenvolvimento embrionário. Também conhecida como saco amniótico, é onde o feto se desenvolve no líquido amniótico.
47 Ectoderma: A mais externa das três camadas germinativas de um embrião.
48 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
49 Concepção: O início da gravidez.
50 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
51 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
52 Cefaléias: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaléia ou dor de cabeça tensional, cefaléia cervicogênica, cefaléia em pontada, cefaléia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaléias ou dores de cabeça. A cefaléia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
53 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia e Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.