Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento das metástases ósseas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são metástases1 ósseas?

Metástases1 ósseas são implantes de células2 malignas em um ou mais ossos a partir de um tumor3 cancerígeno original, situado em outro órgão. Das metástases1 ósseas deve-se distinguir o câncer4 ósseo, que é um tumor3 primitivamente do osso. Enquanto nesse as células2 malignas são células2 ósseas, nas metástases1 elas conservam as características das células2 do tumor3 original.

Quais são as causas das metástases1 ósseas?

As metástases1 ósseas ocorrem quando as células2 de um tumor3 maligno se implantam num ou em vários ossos, a partir de seu local original.

Qual é a fisiopatologia5 das metástases1 ósseas?

Não se sabe bem porque alguns tipos de cânceres têm preferência por darem metástases1 nos ossos e não em outros órgãos. Quase todos os tipos de cânceres podem espalhar-se para os ossos, mas alguns tipos são mais propensos a tanto, como o câncer4 de mama6, próstata7, rim8, pulmão9, linfoma10, mieloma11 e tireoide12. As metástases1 ósseas podem ocorrer em qualquer osso, acometendo um ou mais ossos. Geralmente ocorrem, em primeiro lugar, na coluna vertebral13, pelve14 e fêmur15. Com raras exceções, o câncer4 que se espalhou para os ossos não pode ser curado, mas os tratamentos podem ajudar a reduzir a dor e outros sintomas16 de metástases1 ósseas.

Quais são as principais características das metástases1 ósseas?

Muitas metástases1 ósseas de um câncer4 diagnosticado permanecem assintomáticas durante longo tempo e só são detectadas num exame de controle ou feito em função de outro motivo. Outras vezes, a metástase17 óssea pode ser o primeiro sinal18 de um câncer4 que evolui silenciosamente ou pode ocorrer anos após o tratamento de um câncer4 conhecido. Quando dão sintomas16, os mais comuns são dor, fratura19, incontinência urinária20 e intestinal, fraqueza nas pernas ou braços e níveis altos de cálcio no sangue21, o que pode causar náuseas22, vômitos23, constipação24 e confusão mental.

Como o médico diagnostica as metástases1 ósseas?

Além da história de um câncer4 prévio e dos sintomas16, os exames de imagens podem ser usados, tais como radiografias, cintilografia25 óssea, tomografia computadorizada26, ressonância magnética27 e tomografia por emissão de pósitrons (PET). Esses exames mostram a localização e o tamanho das metástases1, além das alterações que elas causam nos ossos.

Como o médico trata as metástases1 ósseas?

Os tratamentos para metástases1 ósseas incluem medicamentos, quimioterapia28, radioterapia29 e cirurgia. Os medicamentos devem ser usados, entre outros motivos, para reforço e reconstrução óssea. Estes medicamentos podem também reduzir o risco de desenvolver novas metástases1 ósseas.

A quimioterapia28 oral deve ser empregada se o câncer4 já se espalhou para vários ossos. A terapia de supressão hormonal pode ser usada para os cânceres que são sensíveis a hormônios e pode envolver medicamentos para baixar os níveis hormonais ou para bloquear a interação entre hormônios e células2 cancerosas. Outra opção é a cirurgia para remover órgãos produtores de hormônios. Em mulheres, os ovários30 e, em homens, os testículos31.

Os medicamentos para a dor vão desde analgésicos32 simples até a morfina, na dependência da intensidade da dor. A radioterapia29 utiliza raios de energia de alta potência para matar as células2 cancerosas. Ela pode ser administrada em uma única grande dose ou em várias doses menores, ao longo de muitos dias.

Procedimentos cirúrgicos e colocação de placas33 ou parafusos podem ser necessários para estabilizar um osso que esteja em risco de fratura19 ou para reparar um osso já quebrado. Existem também procedimentos para matar células2 cancerosas com calor ou frio, se as dores não puderem ser aliviadas por medicações. Durante um procedimento chamado ablação34 por radiofrequência, uma agulha é inserida dentro do tumor3 ósseo e a eletricidade é passada através dela, para aquecer o tecido35 circundante. Um procedimento equivalente chamado crioablação congela o tumor3. Esses processos, se necessários, podem ser repetidos várias vezes.

Para as pessoas com múltiplas metástases1, certos radiofármacos (fármacos radioativos) que têm uma atração especial pelos ossos podem ser injetados por via intravenosa. Esses radiofármacos fazem uma espécie de radioterapia29 local. A fisioterapia36 pode ajudar a aumentar a força, melhorar a mobilidade do paciente e ajudá-lo a adotar alguns dispositivos auxiliares para lidar com o dia-a-dia, como uma muleta, andador ou bengala para melhorar o equilíbrio e uma cinta para estabilizar a coluna. Além disso, um fisioterapeuta também pode sugerir exercícios específicos para ajudar a pessoa a manter sua força e reduzir a dor. Existem também cirurgias preventivas para estabilização óssea que podem ser avaliadas individualmente.

Quais são as complicações possíveis das metástases1 ósseas?

A complicação mais temida das metástases1 ósseas é a fratura19 óssea, com as implicações decorrentes do osso afetado.

ABCMED, 2016. Tratamento das metástases ósseas. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/cancer/815884/tratamento+das+metastases+osseas.htm>. Acesso em: 1 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
6 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
7 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
8 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
9 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
10 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
11 Mieloma: Variedade de câncer que afeta os linfócitos tipo B, encarregados de produzir imunoglobulinas. Caracteriza-se pelo surgimento de dores ósseas, freqüentemente a nível vertebral, anemia, insuficiência renal e um estado de imunodeficiência crônica.
12 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
13 Coluna vertebral:
14 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
15 Fêmur: O mais longo e o maior osso do esqueleto; está situado entre o quadril e o joelho. Sinônimos: Trocanter
16 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
17 Metástase: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
18 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
19 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
20 Incontinência urinária: Perda do controle da bexiga que provoca a passagem involuntária de urina através da uretra. Existem diversas causas e tipos de incontinência e muitas opções terapêuticas. Estas vão desde simples exercícios de fisioterapia até complicadas cirurgias. As mulheres são mais freqüentemente acometidas por este problema.
21 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
22 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
23 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
24 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
25 Cintilografia: Procedimento que permite assinalar num tecido ou órgão interno a presença de um radiofármaco e acompanhar seu percurso graças à emissão de radiações gama que fazem aparecer na tela uma série de pontos brilhantes (cintilação); também chamada de cintigrafia ou gamagrafia.
26 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
27 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
28 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
29 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
30 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
31 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
32 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
33 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
34 Ablação: Extirpação de qualquer órgão do corpo.
35 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
36 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cancerologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.