Atalho: 6TJUFHB
Gostou do artigo? Compartilhe!

Afrodisíacos, desejo e excitabilidade sexual

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são afrodisíacos?

O assunto é complexo e fluido. Classicamente, afrodisíacos são substâncias ou odores que aumentam o desejo e a excitabilidade sexual. No entanto, o conceito pode ser estendido a determinados comportamentos ou atributos naturais ou artificiais (vestuário, perfumes, adereços, etc.) do parceiro sexual. O próprio termo afrodisíaco deriva de Afrodite, deusa grega do amor, no sentido amplo do termo. Por outro lado, no assunto misturam-se algumas observações que têm respaldo científico com outras que pertencem à crendice ou ao folclore popular, fazendo com que esse efeito seja atribuído a milhares de substâncias e coisas.

Cada cultura tem suas crenças sobre o assunto: o consumo de ostras e catáridas, na Europa; os chifres de rinoceronte, na Ásia; certas bebidas (cachaça, catuaba, guaraná, etc.), ovos de codorna, amendoim, etc., no Brasil. Como o assunto sofre grande influêcia de fatores psicológicos, muitas das substâncias tidas como afrodisíacas devem seus efeitos muito mais à crença que a aspectos químicos. É assim que um morango dado na boca1, um incenso num quarto semi-escuro ou um amendoim descascado a dois podem de fato ter algum efeito no sentido de aumentar o desejo sexual. Algumas dessas crenças, contudo, têm suas bases em outros fatores que não os físicos. Assim, as codornas dão a impressão de terem um grande “vigor sexual” porque copulam com grande frequência e a pequenos intervalos; algumas substâncias energéticas (o guaraná, a catuaba, o amendoim, etc.) contribuem para um melhor desempenho em todas as atividade físicas; as substâncias estimulantes e desinibidoras (o álcool em pequenas doses, por exemplo), facilitam as relações sexuais; outros alimentos ou objetos são considerados afrodisíacos devido à semelhança que guardam no formato com os órgãos sexuais feminino ou masculino (por exemplos, morangos, bananas, ostras, etc.).

Nos animais é nítido como determinadas substâncias naturais emitidas pelas fêmeas (os feromônios) por ocasião do cio e captadas pelo olfato dos machos, despertam neles o interesse sexual. Como nos homens há resquícios dessa atividade olfativa é possível que também neles haja um componente dessa natureza (ao lado de outros), na atração sexual, coisa que os perfumes parecem, em parte, realizar. Essa função do olfato parece também sofrer influência de um fator cultural, porque alguns odores que são repugnantes para alguns povos funcionam como atrativos para outros (o suor, por exemplo).

Desejo sexual e excitabilidade sexual

Embora um bom desempenho sexual dependa do desejo e da excitabilidade, eles nem sempre andam juntos. O desejo corresponde à situação psicológica de sentir vontade de praticar sexo (apetite sexual) e a excitabilidade às condições orgânicas que se seguem às estimulações sexuais e que possibilitam a realização do sexo. Nos homens essas condições se expressam ostensivamente pela capacidade de ereção2 e na mulher por um conjunto de condições fisiológicas3 que possibilitam a relação sexual (umedecimento da vagina4, ereção2 do clitóris, relaxamento da musculatura da pelve5, maior turgência6 das mamas7, etc). Essas duas condições podem estar separadas. Nos homens, por exemplo, nas impotências de causas físicas e nas mulheres no vaginismo (contração involuntária8 da vagina4 que impede a penetração do pênis9).

Algumas medicações podem ter efeitos benéficos sobre a excitabilidade sexual sem aumentarem ou só aumentando ligeiramente o desejo (Yoimbina, Sildenafil ou Viagra, Trazodone, por exemplo) e outras podem aumentar o desejo embora não melhorem a excitabilidade (certos psicoestimulantes, por exemplo). Da mesma forma, certos comportamentos, adereços ou aparências do parceiro sexual podem despertar maior desejo sem, contudo, afetar a excitabilidade. Quando há a conjunção dos dois fatores, ocorre geralmente o orgasmo, culminação prazeirosa do ato sexual que, no homem, geralmente é acompanhado pela ejaculação10 (emissão de sêmen11). Assim, o ato sexual compreende três fases distintas e sucessivas: desejo sexual; excitabilidade sexual e orgasmo. Embora essas três fases devam operar harmonicamente, cada uma delas pode estar alterada com independência das outras duas.

ABCMED, 2013. Afrodisíacos, desejo e excitabilidade sexual. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/335559/afrodisiacos+desejo+e+excitabilidade+sexual.htm>. Acesso em: 22 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
2 Ereção: 1. Ato ou efeito de erigir ou erguer. 2. Inauguração, criação. 3. Levantamento ou endurecimento do pênis.
3 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
4 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
5 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
6 Turgência: Condição ou qualidade de túrgido; turgidez, turgor.
7 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
8 Involuntária: 1.    Que se realiza sem intervenção da vontade ou que foge ao controle desta, automática, inconsciente, espontânea. 2.    Que se encontra em uma dada situação sem o desejar, forçada, obrigada.
9 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
10 Ejaculação: 1. Ato de ejacular. Expulsão vigorosa; forte derramamento (de líquido); jato. 2. Em fisiologia, emissão de esperma pela uretra no momento do orgasmo. 3. Por extensão de sentido, qualquer emissão. 4. No sentido figurado, fartura de palavras; arrazoado.
11 Sêmen: Sêmen ou esperma. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O sêmen é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clinica médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.