Atalho: 6BX07TQ
Gostou do artigo? Compartilhe!

Doença de Crohn. O que devemos saber sobre ela?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a doença de Crohn1?

A doença de Crohn1 é uma doença inflamatória crônica do intestino. Ela acomete geralmente o íleo2 e o cólon3, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino.

Muitos autores consideram que a doença de Crohn1 e a retocolite ulcerativa sejam manifestações diferentes de uma mesma patologia4 subjacente.

As pessoas acometidas por esta condição apresentam granulomas5 nas paredes intestinais intercalados por áreas normais, que cursa com períodos de remissão sintomática6 e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn1 é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. No entanto, pode também ser muito debilitante para alguns pacientes sem, contudo, provocar a morte.

Quais são as causas da doença de Crohn1?

A causa da doença de Crohn1 ainda não é totalmente conhecida, mas há certos indícios de que seja uma doença imunológica em interação com fatores ambientais, os quais podem ser provavelmente um vírus7 ou uma bactéria8, mas essa teoria ainda não tem uma confirmação definitiva.

Apesar de ser possivelmente desencadeada por um agente infeccioso, a doença ocorre por um desequilíbrio das defesas do indivíduo devido a fatores gênicos. Em pessoas sem essa susceptibilidade9 genética, esses microrganismos nunca causariam a doença por si mesmos.

Quais são os sintomas10 da doença de Crohn1?

A doença cursa com períodos de remissão sintomática6 e outros de agravamento. Os sintomas10 mais comuns da doença de Crohn1 são:

  • Dor abdominal
  • Diarreia11
  • Perda de peso
  • Febre12 moderada
  • Sensação de distensão abdominal
  • Perda de apetite e de peso
  • Em alguns casos pode haver aftas e eliminação de sangue13 pelo intestino

Quais são as complicações que podem ocorrer em portadores da doença de Crohn1?

Com a repetição das crises, podem ocorrer complicações. As mais comuns são:

  • Abscessos14
  • Fístulas15
  • Obstruções intestinais
  • Perfurações intestinais

O curso da doença é muito variável e depende de fatores ativadores: algumas pessoas têm a doença e não manifestam sintomas10; outras os manifestam uma só vez na vida etc.

Como o médico diagnostica a doença de Crohn1?

O médico vale-se da historia clínica e do exame físico (pouco conclusivos) e os complementa com testes laboratoriais de sangue13, tomografia computadorizada16, colonoscopia17 e biópsia18.

Qual é o tratamento da doença de Crohn1?

Não há uma cura radical da doença. Os tratamentos visam reduzir a inflamação19 no intestino, fazer correções nutricionais e aliviar os sintomas10. Para isso, são usados medicamentos imunossupressores como salicilatos ou corticoides.

Os portadores da doença devem evitar comidas apimentadas, lactose20, chocolate, álcool e café. Já o consumo de carboidratos, de mais fácil digestão21, deve ser estimulado. Em casos mais severos ou complicados, uma cirurgia que retire as partes muito afetadas do intestino pode ser necessária.

ABCMED, 2012. Doença de Crohn. O que devemos saber sobre ela?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/261390/doenca-de-crohn-o-que-devemos-saber-sobre-ela.htm>. Acesso em: 17 jul. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Doença de Crohn: Doença inflamatória crônica do intestino que acomete geralmente o íleo e o cólon, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino. A doença cursa com períodos de remissão sintomática e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. A causa da doença de Crohn ainda não é totalmente conhecida. Os sintomas mais comuns são: dor abdominal, diarreia, perda de peso, febre moderada, sensação de distensão abdominal, perda de apetite e de peso.
2 Íleo: A porção distal and mais estreita do INTESTINO DELGADO, entre o JEJUNO e a VALVA ILEOCECAL do INTESTINO GROSSO. Sinônimos: Ileum
3 Cólon:
4 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
5 Granulomas: Formação composta por tecido de granulação que se encontra em processos infecciosos e outras doenças. É, na maioria das vezes, reacional a algum tipo de agressão (corpo estranho, ferimentos, parasitas, etc.).
6 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
7 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
8 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
9 Susceptibilidade: 1. Ato, característica ou condição do que é suscetível. 2. Capacidade de receber as impressões que põem em exercício as ações orgânicas; sensibilidade. 3. Disposição ou tendência para se ofender e se ressentir com (algo, geralmente sem importância); delicadeza, melindre. 4. Em física, é o coeficiente de proporcionalidade entre o campo magnético aplicado a um material e a sua magnetização.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
12 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
13 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
14 Abscessos: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
15 Fístulas: Comunicação anormal entre dois órgãos ou duas seções de um mesmo órgão entre si ou com a superfície. Possui um conduto de paredes próprias.
16 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
17 Colonoscopia: Estudo endoscópico do intestino grosso, no qual o colonoscópio é introduzido pelo ânus. A colonoscopia permite o estudo de todo o intestino grosso e porção distal do intestino delgado. É um exame realizado na investigação de sangramentos retais, pesquisa de diarreias, alterações do hábito intestinal, dores abdominais e na detecção e remoção de neoplasias.
18 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
19 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
20 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
21 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Gastroenterologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

16/01/2014 - Comentário feito por Rosangela
Re: Doença de Crohn. O que devemos saber sobre ela?
Tenho um amigo que estava mto doente e nenhum médico descobria o que era. Passou um, dois, tres meses e tudo foi piorando. Hj foi descoberto que trata-se da doença de Crohn, mas ele está mto debilitado, internado na UTI, só pele e osso, olhos amarelos, não consegue nem sentar, nem mexer as pernas de fraqueza. Não come nada além do que é dado pela sonda. Neste caso, em que a pessoa chegou ao extremo, ainda há esperanças??? É reversível nesta fase em que chegou??

04/03/2012 - Comentário feito por Celina
Re: Doença de Crohn. O que devemos saber sobre ela?
Achei ótima esta reportagem já que poucas pessoas tem conhecimento sobre a doença, porém fiquei na dúvida..... A 5 anos fui diagnosticada que tenho retocolite ulcerativa cronica e tenho os mesmo sintomas, ou seja são as mesmas doenças com nomes diferentes?

24/02/2012 - Comentário feito por Fatima
Re: Doença de Crohn. O que devemos saber sobre ela?
Adorei essa reportagem, pois nós que temos essa doença temos pouca informação, gostaria de saber sobre a alimentação porque hoje comemos uma coisa não faz nada no outro dia comemos a mesma coisa e já ficamos estofados, sensação de inchaço, deixando sem saber exatamente o que pode e o que não pode comer, espero que saia um comentário sobre essa minha dúvida que deve ser de muitos outros.Obrigada.Fátima

  • Entrar
  • Assinar