Gostou do artigo? Compartilhe!

Probióticos e Prebióticos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são probióticos1 e prebióticos?

Geralmente pensamos em bactérias como algo ruim, que causa doenças. Mas o corpo está cheio de bactérias “boas” e até mesmo necessárias ao seu bom funcionamento. Os probióticos1 são uma parte de tais bactérias. Na verdade, são constituídos por bactérias vivas e leveduras benéficas que melhoram a saúde2 do intestino, facilitando a digestão3 e a absorção de nutrientes.

Normalmente, elas são encontradas naturalmente no corpo, mas também podem ser acrescentadas por meio de alguns alimentos e suplementos. Os probióticos1 podem ser encontrados no iogurte, em chocolates e em outros alimentos fermentados. Os prebióticos são encontrados, por exemplo, nos alimentos cítricos e na maçã.

Leia: "Consumo de iogurte está relacionado ao controle do equilíbrio energético, do peso corporal e da glicemia4".

Prebióticos são carboidratos ou fibras hidrossolúveis não digeríveis, extraídas de certos alimentos vegetais. Os prebióticos são alimentos não calóricos ou energéticos, cujo consumo é benéfico, porque estimulam seletivamente o crescimento e a atividade de uma ou mais espécies bacterianas “boas” no cólon5.

Os prebióticos podem ser, por exemplo, (1) os fruto-oligossacarídeos, presentes em alimentos como a cebola, alho, tomate, banana, cereais integrais como a cevada, aveia, trigo, mel e cerveja; (2) a pectina, que está presente na entrecasca dos cítricos, do maracujá e na maçã; (3) as ligninas, presentes nas cascas de frutas oleaginosas (castanha-de-caju, nozes, amêndoas, avelãs, macadâmias, linhaça, gergelim, amêndoas, etc.) e leguminosas como a soja e o feijão; (4) a inulina, encontrada principalmente na raiz da chicória, no alho, cebola, aspargos e alcachofra.

Como funcionam os probióticos1 e prebióticos?

O corpo necessita de um equilíbrio entre as bactérias "boas" e "más" para funcionar adequadamente. Se a pessoa perder grande quantidade de bactérias "boas", como depois de diarreias intensas ou de tomar antibióticos, por exemplo, os probióticos1 podem ajudar a substitui-las. Há dois tipos de probióticos1:

  1. Lactobacillus, que é o probiótico6 mais comum. Estirpes diferentes de bactérias podem ajudar nas diarreias e a pessoas que não conseguem digerir a lactose7 (açúcar8 no leite).
  2. Bifidobacterium, que também pode ser encontrado em alguns produtos lácteos. Ele pode, por exemplo, ajudar a aliviar os sintomas9 da síndrome10 do intestino irritável e algumas outras condições.
Saiba mais sobre "Diarreia11", "Intolerância à lactose7" e "Síndrome10 do intestino irritável".

Os probióticos1 ajudam a mover alimentos através de seu intestino. Algumas condições comuns tratadas pelos probióticos1 incluem a síndrome10 do intestino irritável, a doença inflamatória intestinal, a diarreia11 infecciosa e a diarreia11 relacionada a antibióticos. Algumas pesquisas mostram que eles ajudam com problemas em outras partes do corpo, como condições da pele12 (como o eczema13), saúde2 urinária e vaginal, prevenção de alergias e de resfriados e saúde2 bucal.

Os prebióticos ajudam na manutenção da flora intestinal, estimulam a motilidade e o trânsito intestinal, contribuem com a consistência normal das fezes, colaboram para que somente sejam absorvidas pelo intestino as substâncias necessárias e úteis e estimulam o crescimento das bifidobactérias, responsáveis por inibirem a atividade de outras bactérias que são putrefativas e intoxicantes.

Veja mais sobre "Dermatite14 atópica ou eczema13", "Alergias" e "Resfriado comum".

Os probióticos1 e prebióticos são seguros?

Em geral, os alimentos e suplementos probióticos1 são seguros para a maioria das pessoas, embora algumas delas, com problemas do sistema imunológico15 ou outras condições graves de saúde2, não devam tomar alguns desses produtos. Em alguns casos, os efeitos colaterais16 leves podem incluir dor de estômago17, diarreia11, gases e inchaço18 nos primeiros dias depois de iniciá-los. Eles também podem desencadear reações alérgicas.

Já os prebióticos são completamente seguros para praticamente todas as pessoas. Eles são alimentos naturais, não são sintéticos ou fabricados e ajudam a preservar e alimentar as bactérias "boas", de modo que possam controlar as bactérias "más". Portanto, os prebióticos são uma substância natural que auxilia em um processo também natural.

Leia sobre outras dietas: "Dieta vegana", "Dieta mediterrânea19" e "Dieta de Beverly Hills" e "Dieta da sopa".

 

ABCMED, 2017. Probióticos e Prebióticos. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1298888/probioticos+e+prebioticos.htm>. Acesso em: 16 jul. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Probióticos: Suplemento alimentar, rico em micro-organismos vivos, que afeta de forma benéfica seu consumidor, através da melhoria do balanço microbiano intestinal.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
4 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
5 Cólon:
6 Probiótico: Suplemento alimentar, rico em micro-organismos vivos, que afeta de forma benéfica seu consumidor, através da melhoria do balanço microbiano intestinal.
7 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
8 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
11 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
12 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
13 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
14 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
15 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
16 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
17 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
18 Inchaço: Inchação, edema.
19 Dieta Mediterrânea: Alimentação rica em carboidratos, fibras, elevado consumo de verduras, legumes e frutas (frescas e secas) e pobre em ácidos graxos saturados. É recomendada uma ingestão maior de gordura monoinsaturada em decorrência da grande utilização do azeite de oliva. Além de vinho.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.