Gostou do artigo? Compartilhe!

O zika vírus, a microcefalia e a síndrome de Guillain-Barré

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o zika vírus1?

O zika vírus1 foi identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015. A infecção2 pelo vírus1 causa uma febre3 aguda e sintomas4 assemelhados à dengue5 e à febre3 Chikungunya, embora mais brandos. O zika vírus1 é transmitido principalmente por mosquitos do gênero Aedes, tais como Aedes aegypti, que também transmite a dengue5 e a febre3 Chikungunya.

A doença transmitida pelo zika vírus1 é caracterizada por exantema6 maculopapular7 pruriginoso, febre3 intermitente8, hiperemia9 conjuntival não purulenta10 e sem prurido11, dores articulares (artralgias12), mialgia13 e dor de cabeça14. Apresenta evolução benigna e os sintomas4 geralmente desaparecem espontaneamente após três a sete dias.

Apesar da doença costumar evoluir de forma benigna, com febre3, coceira e dores musculares, ela preocupa pela possibilidade da associação do vírus1 com outras doenças. Uma epidemia incomum de microcefalia15 no Nordeste Brasileiro fez suspeitar da relação entre o zika vírus1 e a enfermidade, embora essa relação nunca tenha sido apontada antes.

O que é a microcefalia15?

A microcefalia15 é uma condição em que a cabeça14 e o cérebro16 das crianças são menores que o normal esperado para o seu estágio de desenvolvimento. Geralmente, ocorre quando a cabeça14 do bebê recém-nascido a termo é menor que 33 centímetros, em seu perímetro. Isto ocorre porque os ossos da cabeça14 se unem muito cedo, impedindo que o cérebro16 cresça normalmente.

A microcefalia15 é uma doença grave, que não tem cura e que pode levar a problemas significativos do desenvolvimento psicomotor17, com atraso mental, déficit intelectual, paralisias, convulsões, autismo e rigidez dos músculos18. Até aqui se conhecia várias causas de microcefalia15, mas elas não incluíam a infecção2 materna pelo zika vírus1.

Quais são as relações entre o zika vírus1 e a microcefalia15?

O Ministério da Saúde19 já confirmou a relação do zika com a microcefalia15, depois da constatação de um número muito elevado de casos na região Nordeste do Brasil e investiga também uma possível relação da enfermidade com a síndrome20 de Guillain-Barré.

Como a constatação do vírus1 é muito recente, ainda não se sabe como o vírus1 atua no organismo humano, quais mecanismos levam à microcefalia15 e qual o período de maior vulnerabilidade para a gestante. Por isso, o Ministério da Saúde19 tem orientado as mulheres grávidas ou com possibilidade de engravidar a procurar evitar as picadas de insetos, evitando horários e lugares com presença de mosquitos, a usar roupas que protejam a maior parte do corpo, usar repelentes e permanecer em locais com barreiras para entrada de insetos como telas de proteção ou mosquiteiros. O que se conhece sobre a relação entre o vírus1 zika e a microcefalia15 é insuficiente para determinar se há risco de engravidar logo depois de se curar de uma infecção2 pelo vírus1.

Ainda não há vacina21 nem tratamento específico para a doença. A doença deve ser tratada sintomaticamente, para controle da febre3 e da dor. O uso de ácido acetilsalicílico (aspirina) deve ser evitado por causa do risco aumentado de hemorragias22. A principal prevenção da febre3 do zika vírus1 consiste em evitar a picada pelo mosquito transmissor.

O que é a síndrome20 de Guillain-Barré?

A Síndrome20 de Guillain-Barré é uma doença autoimune23 que ocorre quando o sistema imunológico24 do corpo ataca por engano partes do próprio sistema nervoso25. Isso leva à inflamação26 dos nervos e provoca formigamentos, fraquezas musculares e até mesmo paralisias de braços, pernas, face27 e musculatura respiratória. Na maioria dos casos (85%) esses sintomas4 são transitórios.

Ela pode afetar pessoas de qualquer idade, mas é mais comum entre adultos mais velhos. Geralmente, a doença aparece alguns dias ou semanas após uma infecção2 do trato respiratório ou digestivo e, raramente, após cirurgia. A relação da enfermidade com alguns tipos de vírus1 já era conhecida, mas não com o zika vírus1. Não existe cura para a síndrome20 de Guillain-Barré, mas há muitos tratamentos disponíveis para ajudar a reduzir os sintomas4, tratar as possíveis complicações e acelerar a recuperação do paciente.

Qual é a relação do zika vírus1 com a síndrome20 de Guillain-Barré?

Alguns estados do Nordeste do Brasil que enfrentam infecções28 pelo vírus1 zika têm observado um aumento incomum, embora pequeno, dos casos da síndrome20 de Guillain-Barré. Contudo, a correlação entre o zika vírus1 e a síndrome20 de Guillain-Barré ainda não se acha completamente confirmada, embora seja muito provável.

ABCMED, 2015. O zika vírus, a microcefalia e a síndrome de Guillain-Barré. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/813729/o-zika-virus-a-microcefalia-e-a-sindrome-de-guillain-barre.htm>. Acesso em: 26 abr. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Dengue: Infecção viral aguda transmitida para o ser humano através da picada do mosquito Aedes aegypti, freqüente em regiões de clima quente. Caracteriza-se por apresentar febre, cefaléia, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica. Existe uma variedade de dengue que é potencialmente fatal, chamada dengue hemorrágica.
6 Exantema: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
7 Maculopapular: Erupção cutânea que se caracteriza pelo aparecimento de manchas e de pápulas de tonalidade avermelhada, geralmente observada no sarampo ou na rubéola.
8 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
9 Hiperemia: Congestão sanguínea em qualquer órgão ou parte do corpo.
10 Purulenta: Em que há pus ou cheio de pus; infeccionada. Que segrega pus. No sentido figurado, cuja conduta inspira nojo; repugnante, asqueroso, sórdido.
11 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
12 Artralgias: Dor em articulações.
13 Mialgia: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
14 Cabeça:
15 Microcefalia: Pequenez anormal da cabeça, geralmente associada à deficiência mental.
16 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
17 Psicomotor: Próprio ou referente a qualquer resposta que envolva aspectos motores e psíquicos, tais como os movimentos corporais governados pela mente.
18 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
19 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
20 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
21 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
22 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
23 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
24 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
25 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
26 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
27 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
28 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

16/12/2015 - Comentário feito por PRELIAN
Infelizmenete o problema está na vacina ...
Infelizmenete o problema está na vacina brasileira que tem thimerosal como conservante.
Este é tóxico para o ser humano, o pior deles. Adoece e mata.
Comprometendo o pré-natal das brasileiras. Tomam vacinas antes e durante a gravidez.
ZICA pode não ter nada a ver co microcefalia.

  • Entrar
  • Assinar