Gostou do artigo? Compartilhe!

Como se dá a obstrução das vias urinárias?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a obstrução das vias urinárias?

Chama-se obstrução das vias urinárias toda interrupção mecânica do fluxo de urina1, em qualquer ponto, desde os rins2 até à uretra3. A obstrução das vias urinárias pode ser uni ou bilateral, total ou parcial, aguda ou crônica. Ela aumenta a pressão no interior do trato urinário4 e pode dilatá-lo ou provocar infecções5, formação de cálculos e hidronefrose6, uma condição grave que pode levar à perda da função renal7.

Quais são as causas principais da obstrução das vias urinárias?

A obstrução urinária pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais comum em adultos e idosos. Na terceira idade, as causas principais de obstrução são o aumento da próstata8 (hiperplasia9 benigna ou tumor10 maligno), cálculos renais e disfunções neurológicas.

Quais são os principais sinais11 e sintomas12 da obstrução das vias urinárias?

A manifestação da obstrução urinária é muito variável. Se ela é parcial e ocorre após a bexiga13, há diminuição na força do jato urinário, com tendência a urinar muitas vezes e pouca quantidade de cada vez; se há uma disfunção neurológica da bexiga13 (bexiga13 neurogênica), o esvaziamento da bexiga13 é incompleto e provoca também aumento da frequência urinária e urgência14 para urinar. A obstrução urinária pode não provocar sintomas12 ou pode provocar dores e se manifestar ainda como uma insuficiência renal15, manifestações que quase sempre são acompanhadas de infecção16 urinária.

Como o médico diagnostica a obstrução das vias urinárias?

O diagnóstico17 de obstrução das vias urinárias é feito pelo exame clínico, mediante o relato e a constatação das dificuldades ao urinar, dores abdominais e problemas metabólicos consequentes às alterações da função renal7. O exame de urina18 é básico, bem como a ultrassonografia19 das vias urinárias. A urografia20 excretora, a tomografia computadorizada21 e a ressonância nuclear magnética também são exames importantes para o diagnóstico17 e devem ser solicitados pelo médico em vista da especificidade de cada caso. Algumas vezes haverá necessidade de se estudar a bexiga13 através da cistoscopia22.

Como o médico trata a obstrução das vias urinárias?

O tratamento da obstrução das vias urinárias deve ter por objetivos desobstruir o trato urinário4, debelar a infecção16 e manter a função renal7. Ele deve consistir tanto de medidas imediatas que visem desobstruir o fluxo urinário interrompido, quanto de outras que procurem restabelecê-lo de modo permanente. Algumas vezes o tratamento deve ser realizado com urgência14 por uma sondagem vesical23 ou a abertura cirúrgica da bexiga13. O tratamento cirúrgico está indicado nas situações nas quais se deve remover o obstáculo obstrutivo, como a próstata8 ou um cálculo24, por exemplo. Em algumas pessoas idosas pode haver necessidade de se manter uma sonda permanente. O tratamento com medicamentos pode ser tentado nas disfunções neurológicas da bexiga13.

Como evolui a obstrução das vias urinárias?

A obstrução aguda total constitui uma urgência14 médica e requer a passagem de uma sonda vesical23 através da uretra3 para escoamento da urina1. Bexigas cujas paredes estejam enfraquecidas por processos patológicos podem sofrer rupturas, embora isso seja uma ocorrência rara.

Quais são as complicações possíveis da obstrução das vias urinárias?

Uma obstrução pode aumentar a pressão no interior das vias urinárias, com consequências às vezes graves para a árvore urinária a montante. A obstrução urinária pode dilatar os rins2 e também provocar infecções5, formação de cálculos e perda da função renal7. A infecção16 pode dar-se porque as bactérias que entram nas vias urinárias não podem ser arrastadas pela urina1 quando se obstrui o fluxo e se acumulam no interior das vias urinárias.

ABCMED, 2014. Como se dá a obstrução das vias urinárias?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/585352/como-se-da-a-obstrucao-das-vias-urinarias.htm>. Acesso em: 18 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
2 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
3 Uretra: É um órgão túbulo-muscular que serve para eliminação da urina.
4 Trato Urinário:
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Hidronefrose: Dilatação da via excretora de um ou ambos os rins. Em geral é produzida por uma obstrução ao nível do ureter ou uretra por cálculos, tumores, etc.
7 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
8 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
9 Hiperplasia: Aumento do número de células de um tecido. Pode ser conseqüência de um estímulo hormonal fisiológico ou não, anomalias genéticas no tecido de origem, etc.
10 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
11 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
14 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
15 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
16 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Exame de urina: Também chamado de urinálise, o teste de urina é feito através de uma amostra de urina e pode diagnosticar doenças do sistema urinário e outros sistemas do organismo. Alguns testes são feitos em uma amostra simples e outros pela coleta da urina durante 24 horas. Pode ser feita uma cultura da urina para verificar o crescimento de bactérias na urina.
19 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
20 Urografia: Método de diagnóstico radiológico que utiliza uma substância de contraste para visualizar a anatomia interna das vias excretoras do rim.
21 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
22 Cistoscopia: Visualização da bexiga urinária através de um instrumento óptico (cistoscópio) que é introduzido pela uretra.
23 Vesical: Relativo à ou próprio da bexiga.
24 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Urologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.