Gostou do artigo? Compartilhe!

Volvo intestinal: conceito, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento, evolução, complicações possíveis

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é volvo intestinal1?

Volvo intestinal1 é uma torção2 de uma alça do intestino ao redor de seu ponto de fixação mesentérica3, geralmente produzindo obstrução intestinal e infarto4 do mesentério5 (ligamento6 em forma de leque que dá suporte ao jejuno7 e ao íleo8, partes do intestino delgado9). Pode acontecer em qualquer idade, mas é visto mais comumente durante a infância, podendo mesmo ser congênito10 ou também ocorrer em idade avançada. Ele é mais comum no cólon11 sigmoide12 especialmente quando está cheio de fezes. O volvo do intestino delgado9 é raro.

Quais são as causas do volvo intestinal1?

O volvo pode ocorrer em decorrência de um tumor13 do intestino grosso14 ou de uma aderência da parede intestinal ocasionada por uma inflamação15 ou por uma cirurgia abdominal. É mais comum em homens que em mulheres, pois o cólon11 sigmoide12 é mais longo neles que nas mulheres.

Quais são os principais sinais16 e sintomas17 do volvo intestinal1?

Os principais sinais16 e sintomas17 do volvo intestinal1 são fortes dores em cólica no abdome18, náuseas19, vômitos20 e distensão abdominal. Outros sintomas17 podem ser sensação de inchaço21, tonturas22, dificuldades de movimentos intestinais, falta de ar, dores nas costas23, etc. Adicionalmente, podem ocorrer sintomas17 devidos à obstrução intestinal.

Como o médico diagnostica o volvo intestinal1?

O diagnóstico24 do volvo pode ser feito pela história clínica do paciente e complementado por radiografias contrastadas com sais de bário e tomografia computadorizada25. Exames de sangue26 podem verificar o nível dos eletrólitos27 e o exame de fezes pode mostrar a presença de sangue26.

Como o médico trata o volvo intestinal1?

O tratamento do volvo intestinal1 é basicamente feito por uma cirurgia em que a parte lesionada é retirada e as partes sadias são anastomosadas (suturadas), visando restaurar as funções normais do intestino.

Como evolui o volvo intestinal1?

O volvo intestinal1 é uma emergência28 médica que necessita de tratamento cirúrgico imediato, pelo risco de morte.

No volvo, a parede intestinal fica cada vez mais congestionada, hemorrágica29 e gangrenosa em virtude da compressão dos vasos sanguíneos30 e do consequente comprometimento da circulação31.

Quais são as complicações possíveis do volvo intestinal1?

Uma das complicações mais graves do volvo intestinal1 é a perfuração do intestino com o derramamento do seu conteúdo na cavidade abdominal32.

ABCMED, 2014. Volvo intestinal: conceito, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento, evolução, complicações possíveis. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/557347/volvo-intestinal-conceito-causas-sintomas-diagnostico-tratamento-evolucao-complicacoes-possiveis.htm>. Acesso em: 18 fev. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Volvo intestinal: Volvo é a torção completa (rotação de 180 graus ou mais) de uma alça intestinal ao redor da sua fixação mesentérica, produzindo obstrução intestinal e infarto mesentérico. Os sintomas constituem de dores em cólica no abdome e distensão abdominal importante.
2 Torção: 1. Ato ou efeito de torcer. 2. Na geometria diferencial, é a medida da derivada do vetor binormal em relação ao comprimento de arco. 3. Em física, é a deformação de um sólido em que os planos vizinhos, transversais a um eixo comum, sofrem, cada um deles, um deslocamento angular relativo aos outros planos. 4. Em medicina, é o mesmo que entorse. 5. Na patologia, é o movimento de rotação de um órgão sobre si mesmo. 6. Em veterinária, é a cólica de alguns animais, especialmente a do cavalo.
3 Mesentérica: Relativo ao mesentério, ou seja, na anatomia geral o mesentério é uma dobra do peritônio que une o intestino delgado à parede posterior do abdome.
4 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
5 Mesentério: Camada do peritônio que liga as vísceras abdominais à PAREDE ABDOMINAL e transporta seus vasos sangüíneos e nervos.
6 Ligamento: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
7 Jejuno: Porção intermediária do INTESTINO DELGADO, entre o DUODENO e o ÍLEO. Representa cerca de 2/5 da porção restante do intestino delgado após o duodeno.
8 Íleo: A porção distal and mais estreita do INTESTINO DELGADO, entre o JEJUNO e a VALVA ILEOCECAL do INTESTINO GROSSO. Sinônimos: Ileum
9 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
10 Congênito: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
11 Cólon:
12 Sigmóide: Segmento do COLO entre o RETO e o colo descendente.
13 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
14 Intestino grosso: O intestino grosso é dividido em 4 partes principais: ceco (cecum), cólon (ascendente, transverso, descendente e sigmoide), reto e ânus. Ele tem um papel importante na absorção da água (o que determina a consistência do bolo fecal), de alguns nutrientes e certas vitaminas. Mede cerca de 1,5 m de comprimento.
15 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
16 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
19 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
20 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
21 Inchaço: Inchação, edema.
22 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
23 Costas:
24 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
25 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
26 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
27 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
28 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
29 Hemorrágica: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
30 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
31 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
32 Cavidade Abdominal: Região do abdome que se estende do DIAFRAGMA torácico até o plano da abertura superior da pelve (passagem pélvica). A cavidade abdominal contém o PERiTÔNIO e as VÍSCERAS abdominais, assim como, o espaço extraperitoneal que inclui o ESPAÇO RETROPERITONEAL.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cirurgia do Aparelho Digestivo?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.