Atalho: 6LMNST0
Gostou do artigo? Compartilhe!

Você sabe o que é alopecia areata?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a alopecia areata1?

A alopecia areata1 (conhecida vulgarmente como “pelada”) é uma doença de causa desconhecida que se caracteriza pela repentina redução ou ausência de pelos ou cabelos em uma determinada área do corpo, geralmente o couro cabeludo. Ela tem evolução progressiva e resolução geralmente espontânea, sem alterações da pele2. A alopecia areata1 costuma apresentar-se em forma de círculos no couro cabeludo, mas também pode afetar outras regiões do corpo. Acomete por igual homens e mulheres de qualquer idade e pode apresentar recaída.

Nas mulheres este tipo de alopecia3 só aparece na parte dianteira do couro cabeludo e, salvo raras ocasiões, não deixa a cabeleira totalmente vazia.

Quais são as causas da alopecia areata1?

A causa final da alopecia areata1 ainda é desconhecida, mas entre as possíveis causas, estão a predisposição genética e fatores desencadeantes como o estresse emocional e os processos imunológicos. Muitas vezes quem tem alopecia3 tem também outras doenças autoimunes4, como alterações na tireoide5 ou vitiligo6. Muitos pacientes associam a crise de alopecia3 a algum evento estressante ocorrido pouco antes.

Há alguns poucos casos de bebês7 que nascem com alopécia3 (alopécia3 areata congênita8).

Quais são os sinais9 e sintomas10 da alopecia areata1?

A alopecia areata1 incide em cerca de 1% a 2% da população, afetando todos os grupos raciais e podendo surgir em qualquer idade, embora em 60% dos casos ocorram abaixo dos 20 anos. A doença geralmente é assintomática e se caracteriza pela queda repentina de pelos ou cabelos, formando círculos de falta de cabelos ("pelada"). Normalmente, não se constata quaisquer alterações locais da pele2. Pode atingir tanto o couro cabeludo como também a barba, supercílios, cílios11 ou qualquer outra região pilosa. A "pelada" pode curar-se espontaneamente ou tornar-se crônica e evoluir para alopecia3 universal. Novo nascimento de pelos pode ocorrer totalmente e, em algumas vezes, os pelos nascem brancos e se pigmentam novamente. É frequente ocorrer recidiva12 das lesões13.

Como o médico diagnostica a alopecia areata1?

O diagnóstico14 da alopecia areata1 é feito pelo exame das áreas onde existe perda de cabelo15. Para encontrar mais pistas, o dermatologista pode arrancar o cabelo15 próximo à área calva para sentir sua resistência e procurar anormalidades estruturais em sua raiz ou caule. Pode também fazer uma biópsia16 de pele2 para ser examinada em laboratório.

Como o médico trata a alopecia areata1?

Ainda não existe uma cura definitiva para esta doença, mas há maneiras de estimular o crescimento de cabelo15 novo:

  • Cremes ou injeções de cortisona aplicados sobre as áreas de calvície17.
  • Imunoterapia, para neutralizar o ataque do sistema imunológico18.
  • Medicações tópicas que aumentam o crescimento de cabelos.
  • Fototerapia (exposição controlada da pele2 afetada pelos raios ultravioletas).
  • Nos casos graves, uso de corticoides orais ou (mais raramente) intravenosos.

O tratamento não é obrigatório, porque a condição é benigna e tende a regredir espontaneamente.

Como prevenir a alopecia areata1?

Não há como prevenir a alopecia areata1, apenas como diminuir seus efeitos.

Como evolui a alopecia areata1?

Os folículos pilosos continuam vivos na área que ficou calva. Assim, existe a possibilidade de um novo crescimento de fios de cabelo15, sem tratamento algum.

Na maioria das vezes, o cabelo15 volta a crescer num prazo de 6 a 12 meses, embora o problema possa ocorrer novamente.

ABCMED, 2012. Você sabe o que é alopecia areata?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/315000/voce-sabe-o-que-e-alopecia-areata.htm>. Acesso em: 20 set. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Alopecia areata: Doença de causa desconhecida, que atinge igualmente homens e mulheres, caracterizando-se pela queda repentina dos pêlos nas áreas afetadas, sem alteração da superfície cutânea. Entre as possíveis causas estão uma predisposição genética que seria estimulada por fatores como o estresse emocional e fenômenos autoimunes. É uma perda de cabelo localizada em áreas bem delimitadas, arredondadas ou ovais, do couro cabeludo ou de outras partes do corpo. Pode surgir em qualquer idade, embora 60% dos seus portadores tenham menos de 20 anos.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
4 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
5 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
6 Vitiligo: Doença benigna da pele, caracterizada pela ausência de pigmentação normal nas regiões afetadas, frequentemente face e mãos. Hoje já há tratamento, porém este é demorado e com resultados variáveis de pessoa para pessoa. CÓDIGO INTERNACIONAL DE DOENÇAS (CID): L80- VITILIGO.
7 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
8 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
9 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Cílios: Populações de processos móveis e delgados que são encontrados revestindo a superfície dos ciliados (CILIÓFOROS) ou a superfície livre das células e que constroem o EPITÉLIO ciliado. Cada cílio nasce de um grânulo básico na camada superficial do CITOPLASMA. O movimento dos cílios propele os ciliados através do líquido no qual vivem. O movimento dos cílios em um epitélio ciliado serve para propelir uma camada superficial de muco ou fluido.
12 Recidiva: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
13 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
14 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
15 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
16 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
17 Calvície: Também chamada de alopécia androgenética é uma manifestação fisiológica que ocorre em indivíduos geneticamente predispostos, sendo que a herança genética pode vir do lado paterno ou materno. É resultado da estimulação dos folículos pilosos por hormônios masculinos que começam a ser produzidos na adolescência (testosterona). Ao atingir o couro cabeludo de pacientes com tendência genética para a calvície, a testosterona sofre a ação de uma enzima, a 5-alfa-redutase, e é transformada em diidrotestosterona (DHT). É a DHT que vai agir sobre os folículos pilosos promovendo a sua diminuição progressiva. O resultado final deste processo de diminuição e afinamento dos fios de cabelo é a calvície.
18 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

08/07/2015 - Comentário feito por paula
faz quatro meses que estou tratando essa doenca...
faz quatro meses que estou tratando essa doenca ,no inicio chorava muito e isso dificultava ainda mais o tratamento,fui na dermatologista e ela passou minoxidil solucao capilar ,apenas com um mes de tratamento foram aparecendo os pelinhos ,hoje a area ja esta toda coberta ,foi muiito dificil pra mim sofri muito,mas gracas a deus esta tudo voltando ao normal,

17/06/2014 - Comentário feito por ROBERIO
estou com uma queda de cabelo do tamanho de um...
estou com uma queda de cabelo do tamanho de uma moeda agora sei que e essa doença

10/01/2014 - Comentário feito por thayana
Re: Você sabe o que é alopecia areata?
Em outubro d 2012,eu me encontrava muito contente pois finalmente consegui um emprego após anos de procura,e era em salão super requisitado aqui em minha cidade,tudo o q eu desejei,pois la eu teria oportunidade d crescer profissionalmente por ser formada como cabeleireira,mas infelizmente após 2 meses,durante o banho e conversando com minha mae q se encontrava na porta do banheiro,ela encontrou uma falha enorme na altura da orelha no lado direito do couro cabeludo,noooossa q momento triste,fiquei imaginando milhares d coisas e logo imaginei ser apenas causada por fungos já q meu ex marido já teve algumas falhas e em pouco tempo se curou,nesse dia já fui trabalhar desanimada,com uns dias procurei uma dermatologista q me deu o diagnostico de tinea,tomei uns comprimidos q se chamavam esporastatin po 2 meses,mas eu não notei melhora nenhuma,as falhas so aumentavam e meu desespero também,meu cabelo caia saia aos montes na minha mão,dai sugiu uma falaha enorme bem na frente onde localiza a franja,e na parte onde fica o redemoinho nossa foi enormeeee,eu me olhava no espelho e me sentia um monstro,nao conseguia acreditar q aquilo estava acontececendo comigo,fui entrando em depressão so queria estar na minha casa,perdi a vontade de muits coisas,as vezes q eu saia p fazer algo na rua,tipo levar minha filha p escola,malhar etc...eu tinha q arrumar um jeito de amarrar os cabelos para n notarem na rua as falhas q estavam muito difícil de esconder já,mas graças a deus apenas minha família,amigas de confiança e um namorado sabia por eu ter contado,esse namorado posso dizer q foi uma força grande q tive p poder melhorar meu psicológico,meu emocioanal etc.... pois sempre fiz d tudo p ele não ver,e ele nunca insistia em ver,me aceitou mesmo assim,isso melhorou minha auto estima,mas infelizmente eu não consegui ficar mais nesse emprego e com quase um ano suportando essa situação pedi p sair,dai me consultei com uma outro dra pós na noite anterior eu ter notado q estava surgindo em um novo local,amanheci tão triste pois essa doença é tao ingrata,e deus foi tão bom mesmo eu ter perdido nesse momento até a confiança nele,eu sai a procura de uma medica e essa dra me disse tudo oq se tratava,disse ser alopecia areata,de inicio logo ela notou uma profunda tristeza em meus olhos,pois so q falar com ela as lagrimas já caiam,ela ficou super comovida comigo e me disse tenha fé em deus,e me receitou um complexo vitamínico chamado PILL FOOD ele é manipulado e ele iria fortalecer a raiz do cabelo p eles nascerem fortes e saudáveis,receitou um outro q é aplicado as gotas no local to tentndo lembrar o nome,fui percebendo com uns meses q os fios foram nascendo bem clarinhos mas eram muito mesmo,e p reforçar procurei uma outra dra pois já tinha visto muito falarem na net sobre esse MINOXIDIL,e iria pedi p ela receitar derrepente,e antes de eu falar ela mandou eu continuar com os q eu já estava usando e receitou o minoxidil,dai foi certeiro,urante o tratamento tive a ideia de ir em um salão especializado em mega hair,para fazer pequenas mechas p eu colocar onde haviam falhas,fui e deu super certo,tive finalmente o prazer de usar meu cabelo solto,fiquei uns dois meses usando,apos isso uando eu precisei retocar o mega,meu cabelo já estava bem pra poder usar solto,as falhas já haviam sumido graças ao meu maravilhoso deus,hj não tenho falhas,nem quro lembrar q um dia vivi essa situação,mas sem querer entrei aqui e li os comentários das pessoas e lembrei q um dia já me encontrei triste assim e me senti na necessidade de dar esse apoio,relatando q primeiramente vc tem de uma forma ou outra n se desesperar mesmo eu sabndo q n é nada fácil,mas se vc n tiver bem psicologicamente nada ira adiantar,segundo procurar um bom medico p receitar remédios eficazes,e o mais importante de tudo deus esta com vc,ele coloca provações em sua vida p te mostrar q vc é forte e tudo supera, é isso ai amigos,...

29/12/2013 - Comentário feito por raul
Re: Você sabe o que é alopecia areata?
apareceu me a duas semanas nao sei o que fazer
tenho uma pelada com 5cm de diametro e outras bolas do tamanho de uma moeda
de 5 centimos.
sentimo me bue mal com isto e com vergonha de andar a rua.
e isto acho que do stress do dia a dia. apos um grande acidente, e da pressao fico bue nervoso

07/12/2013 - Comentário feito por Felipe
Re: Você sabe o que é alopecia areata?
Eu já tive a Alopecia Areata com 18 anos, ela era do tamanho de uma moeda de RS 1,00 depois de algum tempo cresceu cabelo de novo, hoje fui ao médico pois eu estou novamente com o mesmo problema. Confesso que estou um pouco abalado e estou em depressão já faz um tempo, mas ao ler os comentários me sinto um pouco melhor, desejo sorte a todos.

02/12/2013 - Comentário feito por Juliana
Re: Você sabe o que é alopecia areata?
Pela 3a vez meu cabelo esta sofrendo queda, e pior, sempre descubro quando vou ao salão, pois nao conseguimos ver onde esta caindo. Ja fiz aplicações de Corticoide à +- 3 anos, imaginei que nunca mais ia cair... O meu Dermo diz que nao tenho que ficar preocupada com a queda (pq o sentimento de perda piora a queda) mais para uma mulher a quada é pior, pois a vaidade começa pelos cabelos. To com quase 30 e ja sofri por 03 vezes a queda dos meus cabelos... E sempre esta relacionado com o meu estado de estress. Ainda faço tratamento de hipotireoidismo o que retarda o crescimento... Estou usando frequentemente Minoxidil... espero que de certo....

01/12/2013 - Comentário feito por Rubria
Re: Você sabe o que é alopecia areata?
Aos vinte anos tive a primeira ocorrência de alopecia areata. Foi bem forte, perdi cerca de 40% a 50% do meu cabelo. Uma área redonda enorme no topo da cabeça (cerca de uns 13 cm de diâmetro) e várias áreas redondas menores nas outras regiões da cabeça. Procurei vários profissionais e tipos de tratamentos diferentes. Pensem numa garota, com vinte anos, no primeiro ano da faculdade passar por essa situação?? Desespero total!!! Depois de um bom tempo fui me acostumando, até brincava um pouco com a situação, minhas amigas e minha família me ajudavam a arrumar o cabelo para não mostrar as áreas "peladas", eu sempre falava para eles: gente, fiquem de olho pra mim na minha carequinha, não deixem ela aparecer!!rsrsrs Embora isso fosse impossível pois as falhas eram gritantes e por mais que eu arrumava, elas sempre apareciam um pouquinho. Na dermatologista, fiz banhos de nitrogênio líquido gelado nos cabelos e tomei muitas injeções de cortisona direto no couro cabeludo (fazia a cada quinze dias, eu acho) e foi isso que fez o crescimento do cabelo acelerar. Cerca de três meses a área já estava coberta, embora com fios mais claros e finos. Após um ano, fiz uma corte para igualar e meu cabelo já estava totalmente normal. Durante todo esse período, li tudo e mais um pouco sobre a doença. Descobri que muitas vezes envolve uma pré-disposição genética (que é o meu caso, já que três pessoas da minha família paterna já passaram por isso, inclusive um tio, que tem a alopécia total), descobri que uma vez desencadeada, as chances da doença reincidir periodicamente são grandes... em fim descobri que não existe cura, mas tem tratamento para amenizar a situação. Já se passaram dez anos da minha primeira crise e até hoje, uma ou duas vezes por ano, aparecem novas falhas, bem menores, que ficam escondidas e imperceptíveis. Poucas vezes essas novas falhas apareceram no topo da cabeça, aí dá para perceber, mas por serem pequenas, é possível esconder de boa. E quer saber, eu já me acostumei, descobri que não adianta ficar me estressando e me entristecendo pois já aceitei o fato que sempre terei essas pequenas falhas em minha cabecinha...rsrs Não fiz mais tratamento como na primeira vez, pois entendi que vou gastar muito dinheiro e depois novas falhas vão aparecer, não tem jeito...!! E outra, o cabelo sempre cresce naturalmente. Assim que cai e a região fica "pelada", cerca de um mês depois já percebo que os cabelinhos já começam a despontar. Claro que isso faz com quem eu tenha pequenos tufos de cabelos de tamanhos diferentes na cabeça...mas praticamente não dá pra ver, só quando alguém (atento) mexe no meu cabelo por dentro. Olhando e mexendo no meu cabelo assim de fora, ninguém percebe nada. É claro que eu gostaria de não ter mais e pode até ser que um dia isso acabe, tomara!! Mas se isso não acontecer vou continuar vivendo minha vida feliz...só torço e peço a Deus para que as falhas não voltem mais a ser enormes como na primeira vez, pois realmente foi muito triste pra mim...agora me sinto "no lucro" e agradecida por ter essas falhas em tamanhos menores, que não atrapalham em nada na minha vida e na minha auto-estima. Um abraço e fiquem em paz!

25/11/2013 - Comentário feito por Jéssica
Re: Você sabe o que é alopecia areata?
Estou com parte do couro cabeludo do tamanho de uma moeda de 1 real pelado, percebi esses dias, mais ainda não tenho certeza se realmente é isso. Mais pelo os comentarios e a materia tudo indica que sim, só me resta a confirmação do medico.

22/11/2013 - Comentário feito por Michelle
Re: Você sabe o que é alopecia areata?
Tenho 27 anos e faço tratamento com infiltrações há 5 anos, é muito chato porque quando começa a crescer torna a cair e para nós mulheres é mais difícil pela nossa vaidade. Mas não podemos desanimar.

30/10/2013 - Comentário feito por heloise
Re: Você sabe o que é alopecia areata?
Meu filho tem 11 anos e está com pelo menos 20% da cabeça acometida ...ele não foi diagnosticado ainda com areata mais to bem preocupada , principalmente com a parte psicológica .Adorei a matéria parabéns.

  • Entrar
  • Receber conteúdos