Gostou do artigo? Compartilhe!

Síndrome de May-Thurner

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é síndrome1 de May-Thurner?

A síndrome1 de May-Thurner, síndrome1 de compressão da veia ilíaca2, síndrome1 de compressão iliocaval ou síndrome1 de Cockett é uma condição em que a artéria3 ilíaca direita comprime a veia ilíaca2 esquerda quando se cruzam na pelve4.

Quais são as causas da síndrome1 de May-Thurner?

A síndrome1 de May-Thurner ocorre aleatoriamente. O cruzamento da veia e da artéria3 ilíacas geralmente ocorre de maneira normal, mas, em alguns casos, elas estão posicionadas de modo que a artéria3 ilíaca direita pressiona a veia ilíaca2 esquerda contra a coluna, estreitando-a, e podendo bloquear parcial ou completamente o fluxo sanguíneo através desta veia.

Qual é o mecanismo fisiológico5 da síndrome1 de May-Thurner?

Normalmente, artéria3 e veia se cruzam sem problemas em várias partes do corpo. Na síndrome1 de May-Thurner a artéria3 ilíaca direita comprime a veia ilíaca2 esquerda contra a coluna vertebral6. Isso pode causar uma trombose venosa profunda7 na perna esquerda. Dessa trombose8 pode se desprender um êmbolo9 que obstrua a circulação10 à distância. Se esse êmbolo9 for para os pulmões11, pode gerar risco sério à vida.

Quais são as principais características clínicas da síndrome1 de May-Thurner?

A maioria das pessoas não sabe que tem síndrome1 de May-Thurner, mas ela é identificada quando se apresenta com trombose venosa profunda7. Os doentes devem procurar tratamento para os sintomas12, incluindo inchaço13, dor ou sensibilidade na perna, sensação de aumento do calor na perna, vermelhidão ou descoloração da pele14 ou aumento das veias15 da perna.

Mesmo que a trombose8 em si não seja fatal, o coágulo16 de sangue17 tem o potencial de se libertar e viajar através da corrente sanguínea, podendo se alojar nos vasos sanguíneos18 do pulmão19, condição conhecida como embolia20 pulmonar e que representa risco de vida. Nessa condição, o paciente provavelmente sentirá dor no peito21, tosse com sangue17, batimentos cardíacos mais rápidos que o normal, desmaio, falta de ar e/ou outros problemas respiratórios.

A trombose venosa profunda7 simples é caracterizada ainda pelo acúmulo de sangue17, inchaço13 nas pernas, aumento da pressão, aumento da pigmentação ou descoloração da pele14, úlceras22 nas pernas, alterações na cor da pele14, com mais vermelho ou púrpura23 do que o normal, sensação de peso e de latejamento, pele14 quente ao toque e veias15 mais salientes que o normal.

Leia sobre "Trombose venosa profunda7", "Embolia20 pulmonar", "Cirurgia de varizes24 dos membros inferiores" e "Úlceras22 de perna".

Como o médico diagnostica a síndrome1 de May-Thurner?

O diagnóstico25 depende primeiro de um exame físico que detecte sinais26 e sintomas12 de trombose venosa profunda7, porque o simples cruzamento arteriovenoso é assintomático. Em sequência será preciso imagens como tomografia computadorizada27 ou ressonância magnética28ultrassonografia29 e venograma (um tipo de raio X que usa um corante especial para mostrar as veias15 da perna).

Como o médico trata a síndrome1 de May-Thurner?

O tratamento da síndrome1 de May-Thurner deve cumprir dois objetivos: tratar qualquer coágulo16 já existente e impedir a formação de novos coágulos. Para isso, pode usar diluentes de sangue17 e alguns anticoagulantes30 para prevenir novos coágulos e manter silenciosos os que o paciente já tenha.

A terapia trombolítica (destruição do trombo31) consiste em usar um tubo fino, chamado cateter, para enviar a medicação diretamente ao local do coágulo16 e destrui-lo. Outro recurso terapêutico consiste na angioplastia32, com a colocação de um stent para expandir a veia ilíaca2 esquerda.

Pode ser colocado um filtro na veia cava que detenha os coágulos antes que eles atinjam os pulmões11. Esse recurso é usado se o paciente não puder tomar anticoagulantes30. O médico pode também construir cirurgicamente um novo caminho para o sangue17 fluir, um bypass (um desvio em torno da parte da veia ilíaca2 esquerda que está sendo espremida). Essa operação desloca a posição da artéria3 de forma que fique atrás da veia ilíaca2 esquerda e não a pressione mais. Há também o recurso de fazer uma cirurgia em que tecido33 extra é colocado como uma almofada entre os dois vasos sanguíneos18.

Quais são as complicações possíveis da síndrome1 de May-Thurner?

A complicação maior e mais temida a partir da síndrome1 de May-Thurner é a trombose8 pulmonar, secundária à trombose venosa profunda7 que pode, inclusive, levar à morte.

Veja também sobre "Prevenção de varizes24", "Escleroterapia34", "Flebite35" e "Dermatite36 ocre".

 

ABCMED, 2018. Síndrome de May-Thurner. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1319598/sindrome+de+may+thurner.htm>. Acesso em: 20 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Veia Ilíaca: Veia localizada em cada lado do corpo. Formada pela união das veias ilíacas externa e interna, corre ascendentemente para unir-se com seu par do lado oposto para formar a veia cava inferior.
3 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
4 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
5 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
6 Coluna vertebral:
7 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
8 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
9 Êmbolo: 1. Cilindro ou disco que se move em vaivém no interior de seringas, bombas, etc. 2. Na engenharia mecânica, é um cilindro metálico deslizante que recebe um movimento de vaivém no interior de um cilindro de motor de combustão interna. 3. Em artes gráficas, é uma haste de ferro com um cilindro, articulada para comprimir e lançar o chumbo ao molde. 4. Em patologia, é um coágulo ou outro tampão trazido pela corrente sanguínea a partir de um vaso distante, que obstrui a circulação ao ser forçado contra um vaso menor. 5. Na anatomia zoológica, nas aranhas, é um prolongamento delgado no ápice do aparelho copulador masculino.
10 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
11 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Inchaço: Inchação, edema.
14 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
15 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
16 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
17 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
18 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
19 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
20 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
21 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
22 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
23 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
24 Varizes: Dilatação anormal de uma veia. Podem ser dolorosas ou causar problemas estéticos quando são superficiais como nas pernas. Podem também ser sede de trombose, devido à estase sangüínea.
25 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
26 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
27 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
28 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
29 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
30 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
31 Trombo: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
32 Angioplastia: Método invasivo mediante o qual se produz a dilatação dos vasos sangüíneos arteriais afetados por um processo aterosclerótico ou trombótico.
33 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
34 Escleroterapia: É um procedimento que consiste na injeção de determinados medicamentos “esclerosantes“ dentro de um capilar, vênula ou veia de modo a destruí-la. É usada principalmente para o tratamento de varizes e hemorroidas.
35 Flebite: Inflamação da parede interna de uma veia. Pode ser acompanhada ou não de trombose da mesma.
36 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Angiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.