Gostou do artigo? Compartilhe!

Epífora: definição, causas, sintomas, diagnóstico e tratamento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é epífora?

A epífora é um sinal1 clínico ou condição dada pelo excesso de produção de lágrimas ou uma drenagem2 insuficiente delas, o que faz com que elas escorram por um ou ambos os lados do rosto, ao invés de pelo sistema nasolacrimal, como normalmente acontece. A epífora pode ocorrer de modo contínuo ou intermitente3.

Quais são as causas da epífora?

As causas da epífora são todas aquelas que levam a uma superprodução de lágrimas ou a uma diminuição da drenagem2 das lágrimas. Isso pode ser devido a uma irritação e/ou inflamação4 que obstrua o canal lacrimal (canal que comunica a superfície ocular à cavidade nasal5), o que pode acontecer como consequência de uma rinite6 e, em neonatos7 e lactentes8, devido a um processo em que o ducto nasolacrimal9 não se torne permeável. Os recém-nascidos geralmente têm olhos10 lacrimejantes que evoluem em algumas semanas para o normal, à medida que os ductos lacrimais se desenvolvem.

Outra causa pode ser uma reconstrução defeituosa do duto nasolacrimal após um traumatismo11 (fraturas faciais, traumas do nariz12 ou pálpebra). Muitas vezes, esse trato é obstruído devido a um processo involutivo; no envelhecimento, por exemplo. A produção excessiva de lágrimas ocorre quando os olhos10 são irritados por alguma causa, irritação essa que pode ocorrer, por exemplo, por fumaça, cebola, conjuntivite13 alérgica ou infecciosa, lesão14 ou cisco no olho15, triquíase16 (pestanas17 crescidas para dentro), entrópio18 ou ectrópio19 (pálpebra inferior virada para dentro ou para fora, respectivamente).

Existem ainda muitas outras causas que fazem aumentar a produção de lágrimas. Entre elas estão a infecção20 e a úlcera21 da córnea22, caroços que podem crescer na borda da pálpebra, problema com glândulas23 de Meibomian (glândulas23 nas pálpebras24) e uso de certos medicamentos.

Saiba mais sobre "Rinite6", "Conjuntivite13", "Úlcera21 de córnea22" e "Transplante de córnea22".

Qual é o mecanismo fisiológico25 da epífora?

Vejamos que caminhos percorrem normalmente as lágrimas. Elas são produzidas pelas glândulas23 lacrimais, que ficam no ângulo externo superior dos olhos10 e escoadas para os olhos10, para cumprir suas finalidades. Depois de ter realizado sua função, elas precisam ser escoadas para algum local. Normalmente, elas fazem isso pelos canais lacrimais, um pertuito26 que liga os espaços oculares às fossas nasais. Quando essa via está obstruída, as lágrimas transbordam as pálpebras24 e rolam pelo rosto. Isso é a epífora.

Quais são as principais características clínicas da epífora?

A epífora pode desenvolver-se em qualquer idade, mas é mais comum nos bebês27 com menos de 12 meses ou nos idosos com mais de 60 anos. Ela pode afetar um ou ambos os olhos10 ao mesmo tempo. As lágrimas estagnadas no espaço ocular aumentam o risco de infecções28 e o olho15 então produzirá um líquido pegajoso, tornando o problema ainda pior. A infecção20 também pode levar à inflamação4 no lado correspondente do nariz12.

Como o médico diagnostica a epífora?

O diagnóstico29 de epífora é eminentemente30 clínico e se baseia na história médica do paciente e na observação das pálpebras24. O corante de fluoresceína pode ser usado para detectar o refluxo de lágrimas pressionando o canalículo de escoamento.

Como o médico trata a epífora?

Como regra geral, o problema pode ser tratado de forma eficaz. Se a epífora é causada por ectrópio19 ou entrópio18, deve ser feito o reparo cirúrgico da pálpebra. Também é necessário fazer irrigação e lavagem do ducto lacrimal. Em lactentes8, quando há defeitos do ducto nasolacrimal9, pode ser utilizada uma sonda temporária ou permanente. Há ainda a possibilidade de um procedimento cirúrgico (dacriocistorrinostomia) para ligar o saco lacrimal à mucosa31 nasal para, assim, restaurar a drenagem2 lacrimal. 

Leia sobre "Ptose32 palpebral", "Síndrome33 de Sjögren", "Uveíte34" e "Blefaroplastia35".

 

ABCMED, 2018. Epífora: definição, causas, sintomas, diagnóstico e tratamento. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1314313/epifora-definicao-causas-sintomas-diagnostico-e-tratamento.htm>. Acesso em: 21 abr. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
2 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
3 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
4 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
5 Cavidade Nasal: Porção proximal da passagem respiratória em cada lado do septo nasal, revestida por uma mucosa ciliada extendendo-se das narinas até a faringe.
6 Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
7 Neonatos: Refere-se a bebês nos seus primeiros 28 dias (mês) de vida. O termo “recentemente-nascido“ refere-se especificamente aos primeiros minutos ou horas que se seguem ao nascimento. Esse termo é utilizado para enfocar os conhecimentos e treinamento da ressuscitação imediatamente após o nascimento e durante as primeiras horas de vida.
8 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
9 Ducto Nasolacrimal:
10 Olhos:
11 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
12 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
13 Conjuntivite: Inflamação da conjuntiva ocular. Pode ser produzida por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produz vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
14 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
15 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
16 Triquíase: Desvio de pelos em torno de um orifício, para o qual convergem, como pode acontecer com os cílios com relação ao olho.
17 Pestanas: Pêlos que se projetam a partir das extremidades das pálpebras.
18 Entrópio: Em medicina, é a inversão ou reviramento para dentro de uma parte anatômica. Na oftalmologia, é o reviramento, para o globo ocular, da borda interna de uma pálpebra.
19 Ectrópio: Reviramento da pálpebra; ectrópion.
20 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
21 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
22 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
23 Glândulas: Grupo de células que secreta substâncias. As glândulas endócrinas secretam hormônios e as glândulas exócrinas secretam saliva, enzimas e água.
24 Pálpebras:
25 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
26 Pertuito: Passagem estreita, orifício, furo.
27 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
28 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
29 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
30 Eminentemente: De modo eminente; em alto grau; acima de tudo.
31 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
32 Ptose: Literalmente significa “queda” e aplica-se em distintas situações para significar uma localização inferior de um órgão ou parte dele (ptose renal, ptose palpebral, etc.).
33 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
34 Uveíte: Uveíte é uma inflamação intraocular que compromete total ou parcialmente a íris, o corpo ciliar e a coroide (o conjunto dos três forma a úvea), com envolvimento frequente do vítreo, retina e vasos sanguíneos.
35 Blefaroplastia: Cirurgia plástica ou estética para corrigir as deformidades causadas pelo excesso de pele e de bolsas de gordura nas pálpebras superiores e/ou inferiores.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Oftalmologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.