Gostou do artigo? Compartilhe!

Bradicardia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é bradicardia1?

Fala-se em bradicardia1 quando a frequência cardíaca torna-se mais lenta que o normal. O coração2 das pessoas adultas em repouso costuma bater entre 60 a 100 vezes por minuto. Na bradicardia1, o coração2 bate a menos de 60 vezes por minuto.

Quais são as causas da bradicardia1?

A bradicardia1 pode ser causada por danificações nos tecidos do coração2 em virtude de vários fatores: envelhecimento ou doenças cardíacas; defeito cardíaco congênito3; miocardite4 (infecção5 do tecido6 cardíaco); complicação de cirurgia cardíaca; hipotireoidismo7; desequilíbrios químicos no sangue8; apneia obstrutiva do sono9 (interrupção repetida da respiração durante o sono); algumas doenças inflamatórias autoimunes10 e alguns medicamentos.

Muito comumente, a bradicardia1 começa no nódulo sinusal11 porque ele libera impulsos elétricos mais lentos do que o normal ou o impulso é bloqueado antes de fazer a contração dos átrios. Em algumas pessoas, os problemas do nódulo sinusal11 resultam em frequências cardíacas lentas e rápidas alternadas (síndrome12 da bradicardia1-taquicardia13).

A bradicardia1 também pode ocorrer porque os sinais14 elétricos transmitidos através dos átrios são bloqueados antes de chegarem aos ventrículos (bloqueio cardíaco15 ou bloqueio atrioventricular). Esse bloqueio pode ter vários graus de gravidade e inclusive ser total, geralmente levando à morte.

Saiba mais sobre "Cardiopatias congênitas16", "Miocardite4", "Endocardite17", "Hipotireoidismo7", "Apneia obstrutiva do sono9", "Doenças autoimunes10" e "Bloqueiode ramo".

Qual é o mecanismo fisiológico18 da bradicardia1?

Para entender os problemas de ritmo cardíaco, como a bradicardia1, faz-se necessário entender como funciona o sistema elétrico intrínseco do coração2. O coração2 é composto por quatro câmaras: duas câmaras superiores (os átrios, direito e esquerdo) e duas câmaras inferiores (os ventrículos, direito e esquerdo). O ritmo do coração2 é normalmente controlado por um marcapasso19 natural chamado nódulo sinusal11, localizado no átrio direito20, onde se inicia cada batimento cardíaco.

Daí, os impulsos elétricos viajam através dos átrios, fazendo com que os músculos21 atriais se contraiam e bombeiem sangue8 para os ventrículos. Os impulsos elétricos chegam então, com ligeiro atraso, a um conjunto de células22 chamado nódulo atrioventricular23. Esse nódulo24 diminui o sinal25 elétrico antes de enviá-lo para os ventrículos, permitindo que eles se encham de sangue8. Quando os impulsos elétricos atingem os músculos21 ventriculares, eles se contraem, fazendo com que bombeiem sangue8 para os pulmões26 ou para o resto do corpo.

A frequência cardíaca é controlada por sinais14 elétricos enviados através dos tecidos cardíacos. Quando algo perturba esse complexo sistema, pode causar batimentos cardíacos mais lentos que o normal (bradicardia1), muito acelerados (taquicardia13) ou com um ritmo irregular (arritmia27).

Normalmente, o coração2 bate cerca de 60 a 100 vezes por minuto, quando em repouso. A bradicardia1 ocorre quando uma anormalidade no coração2 produz sinais14 elétricos mais lentos, que lentificam a frequência cardíaca para aquém desse limite. Geralmente, a bradicardia1 ocorre quando os sinais14 elétricos diminuem a velocidade ou são bloqueados ao longo do seu trajeto.

Quais são as principais características clínicas da bradicardia1?

Em algumas pessoas a bradicardia1, sobretudo se leve ou moderada, não causa sintomas28 ou complicações. No entanto, pode ser um problema sério se o coração2 não bombeia sangue8 oxigenado suficiente para os diversos órgãos do corpo, inclusive o cérebro29.

Os sintomas28 mais comuns são desmaios (síncopes30), tontura31, fadiga32, falta de ar, dor no peito33, confusão mental ou problemas de memória e cansaço fácil durante atividade física. Atletas jovens e com muito treinamento podem ter normalmente uma frequência cardíaca em repouso com menos de 60 batimentos por minuto, sem que isso signifique anormalidade.

Leia sobre "Arritmias34", "Síncopes30", "Dor no peito33", "Perda de memória" e "Marca-passo35 cardíaco".

Como o médico diagnostica a bradicardia1?

A bradicardia1 em si mesma é muito fácil de constatar; tarefa mais laboriosa é determinar sua causa. O médico deve partir dos sinais14 e sintomas28 do paciente e de sua história médica pregressa e, além do exame físico, solicitar exames como eletrocardiograma36, monitor Holter37 para registrar a atividade do coração2 por 24 a 48 horas, gravador de eventos cardíacos, teste de inclinação da mesa, teste de exercícios e exames laboratoriais de sangue8.

Como o médico trata a bradicardia1?

Se o paciente não tiver sintomas28, o tratamento pode não ser necessário. Caso os tenha, o tratamento dependerá do tipo de problema, da gravidade dele e da causa subjacente. Muitas vezes, a bradicardia1 poderá ser corrigida com uma simples mudança de medicamentos. Outras vezes, pode ser necessário implantar um marcapasso19 para corrigir a bradicardia1 e ajudar o coração2 a manter um ritmo apropriado.

Veja também sobre "Assistolia", "Eletrocardiograma36", "Teste ergométrico" e "Holter37".

 

ABCMED, 2017. Bradicardia. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1300233/bradicardia.htm>. Acesso em: 18 jun. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
2 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
3 Congênito: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
4 Miocardite: 1. Inflamação das paredes musculares do coração. 2. Infecção do miocárdio causada por bactéria, vírus ou outros microrganismos.
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
7 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
8 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
9 Apnéia obstrutiva do sono: Pausas na respiração durante o sono.
10 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
11 Nódulo Sinusal: Pequena massa de fibras musculares cardíacas modificadas, localizada na junção da VEIA CAVA SUPERIOR com o átrio direito. Os impulsos da contração provavelmente começam neste nó, propagam-se pelo átrio (ÁTRIO CARDÍACO) sendo então transmitidos pelo feixe de His (FEIXE ATRIOVENTRICULAR) para o ventrículo (VENTRÍCULO CARDÍACO).
12 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
13 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
14 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
15 Bloqueio cardíaco: Transtorno da condução do impulso elétrico no tecido cardíaco especializado, manifestado por uma diminuição variável da freqüência dos batimentos cardíacos.
16 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
17 Endocardite: Inflamação aguda ou crônica do endocárdio. Ela pode estar preferencialmente localizada nas válvulas cardíacas (endocardite valvular) ou nas paredes cardíacas (endocardite parietal). Pode ter causa infecciosa ou não infecciosa.
18 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
19 Marcapasso: Dispositivo eletrônico utilizado para proporcionar um estímulo elétrico periódico para excitar o músculo cardíaco em algumas arritmias do coração. Em geral são implantados sob a pele do tórax.
20 Átrio Direito: Câmaras do coração às quais o SANGUE circulante retorna.
21 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
22 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
23 Nódulo Atrioventricular: Pequena massa nodular formada por fibras musculares especializadas que estão localizadas no septo interatrial próximo ao óstio do seio coronário. Dá origem ao feixe atriventricular do sistema de condução do coração.
24 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
25 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
26 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
27 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
28 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
29 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
30 Síncopes: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
31 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
32 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
33 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
34 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
35 Marca-passo: Dispositivo implantado no peito ou no abdômen com o por objetivo de regular os batimentos cardíacos.
36 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
37 Holter: Dispositivo portátil, projetado para registrar de forma contínua, diferentes variáveis fisiológicas ou atividade elétrica durante um período pré-estabelecido de tempo. Os mais utilizados são o Holter eletrocardiográfico e o Holter de pressão.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.