Atalho: 6O1MRAX
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que acontece quando uma pessoa tem ambliopia?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é ambliopia1?

A ambliopia1 (ou olho2 preguiçoso) se caracteriza pela redução ou perda da visão3 em um ou em ambos os olhos4, sem que eles apresentem anomalia estrutural, ou seja, ela é puramente funcional. Corresponde a uma deficiência no desenvolvimento do sistema visual durante o período de maturação do sistema nervoso central5 (que não pode ser corrigida por óculos), que habitualmente se dá até os 6 ou 7 anos de idade. A ambliopia1 que perdura por tempo superior a este se torna irreversível. Essa baixa acuidade visual6 deve-se a um desenvolvimento incompleto da visão3 foveal. A fóvea é a região central da retina7 onde se forma a imagem daquilo que é focalizado pela visão3 e enviado ao cérebro8. Então, a ambliopia1 não é uma alteração apenas do olho2, mas também da região cerebral da visão3, que não foi devidamente estimulada no momento certo.

Quais são as causas da ambliopia1?

Na visão3 normal, as imagens formadas em cada olho2 são reunidas pelo cérebro8 numa imagem única. Se cada olho2 formar uma imagem diferentemente focalizada, como ocorre no estrabismo9 ou nas grandes diferenças de graus entre os dois olhos4, por exemplo, o cérebro8 descarta aquela oriunda do olho2 mais deficiente e, assim, o elimina, e dá preferência à outra. Coisa semelhante pode acontecer com ambos os olhos4, como na catarata10 congênita11 ou outras lesões12 oculares (cicatrizes13 de úlcera14 de córnea15 ou de retina7, etc). A ambliopia1 é sempre causada por alguma coisa que impede ou dificulta a luz de chegar à retina7 de um ou de ambos os olhos4. As causas mais comuns são, pois, o estrabismo9, os erros grosseiros de refração (grandes diferenças de grau entre os olhos4) e as lesões12 oculares que impeçam a travessia da luz. Ela é, portanto, uma “atrofia por desuso” da função visual.

Quais são os sinais16 e sintomas17 da ambliopia1?

Como o olho2 bom assume a totalidade da visão3, pode acontecer de ninguém notar que a criança não está enxergando bem de um dos olhos4. Um dos sinais16 a ser observado é que um olho2 não se alinha com o outro. A criança também pode apresentar dificuldades com a luz e adotar posições bizarras com a cabeça18, na tentativa de usar os dois olhos4. Já os adultos geralmente se queixam de visão3 dupla.

Como o médico diagnostica a ambliopia1?

O diagnóstico19 da ambliopia1 depende da história médica do paciente e da observação dos sinais16 e sintomas17 próprios da condição. Deve-se sempre suspeitar de ambliopia1 quando se constata uma diferença de visão3 entre os dois olhos4. A visão3 em crianças menores pode ser examinada ocluindo-se alternadamente cada um dos olhos4 e observando o comportamento dela.

Como o médico trata a ambliopia1?

Em primeiro lugar deve-se corrigir a causa da ambliopia1. A seguir, o tratamento clássico consiste em forçar o cérebro8 a acolher a imagem do olho2 (ou olhos4) deficiente (s), o que se faz ocluindo o olho2 normal ou, alternadamente, cada um dos olhos4, o que se deve fazer na maior parte do dia, por semanas ou meses. Isso deve ser repetido periodicamente até os 8 ou 9 anos, idade em que tendo sido corrigida, a ambliopia1 não retorna mais.

Como prevenir a ambliopia1?

A ambliopia1 propriamente não pode ser prevenida, mas suas consequências podem ser minoradas ou evitadas pelo tratamento precoce.

Como evolui a ambliopia1?

Se a ambliopia1 não for tratada até os 6 anos de idade, a pessoa terá uma perda visual irreversível em um ou em ambos os olhos4, conforme o caso.

Se o tratamento for feito corretamente e na época adequada, normalmente ocorre cura.

ABCMED, 2012. O que acontece quando uma pessoa tem ambliopia?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-dos-olhos/321860/o-que-acontece-quando-uma-pessoa-tem-ambliopia.htm>. Acesso em: 26 set. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Ambliopia: Ambliopia ou “olho preguiçoso” é um termo oftalmológico usado para definir a baixa visão que não é corrigida com óculos. Isso quer dizer que a causa desse déficit não está especificamente no olho, mas sim na região cerebral que corresponde à visão e que não foi devidamente estimulada no momento certo (“o olho não aprende a ver”). Afeta 1 a 2% da população, sendo a principal causa de baixa visão nas crianças. É um problema que pode passar despercebido pela criança ou pelos pais, por isso as triagens visuais para as crianças são tão importantes.
2 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
3 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
4 Olhos:
5 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
6 Acuidade visual: Grau de aptidão do olho para discriminar os detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos.
7 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
8 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
9 Estrabismo: Desvio da posição de um ou ambos os globos oculares, secundária a uma alteração no sistema de músculos, tendões e nervos encarregados de dar aos olhos o movimento normal.
10 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
11 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
12 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
13 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
14 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
15 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
16 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Cabeça:
19 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Oftalmologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

18/05/2016 - Comentário feito por Duda
Muito boa a matéria. É uma pena q...
Muito boa a matéria. É uma pena que muitos médicos oftalmologistas não acreditam na palavra da mãe.
Pois, levo minha filha desde os dois anos de idade no oftalmo, porque percebia que quando assistia TV ou estava olhando muito tempo para um lugar ela virava a cabeça e começa a olhar de lado. E como os exames diziam que a visão estava boa. Falavam que era mania, charme e me olhavam como a mãe louca que está procurando problema aonde não existe. Só agora aos nove anos que me indicaram a ir no ortóptico e começou a fazer os exercícios. Espero que não tenha prejudicado a visão. Pois já começou a usar óculos de grau

04/05/2016 - Comentário feito por Tiago
Descobri muito tarde a ambliopia, com os 18 ano...
Descobri muito tarde a ambliopia, com os 18 anos....existe esperança para cura Adulta ( díficil encontrar novidades sobre o assunto)....

20/12/2013 - Comentário feito por GE
Re: O que acontece quando uma pessoa tem ambliopia?
Todo portador de ambliopia tem visão monocular?

26/10/2013 - Comentário feito por luana
Re: O que acontece quando uma pessoa tem ambliopia?
ola eu me trato no Instituto Benjamin Constant so la vim saber eu eu tinha problemas graves em minha visao. diz os medico que eu nasci com uma pequena formaçao em minha visao.so que ele entao bobo pq ele falou que so acontece isso em caso quando meus pais sao parentesco mais ele nao sao. eu tem eu minha visao miopia,ambliopia.himpementropia,estrabismo so qque ele falo que eu tenho algo mais so que ele nao conseguer descobrir eu ja fiz tao exames mas ate agora nada. eu preciso de um solucao eu tenho muitass DIFICULDADE na escola em casa no trabalho etc. como diz a medica vc ja esta considera um paciente cega e u falei pra ela que acredito no milagre de santa luzia nunca vou desistir de nada em minha vidaa. eu vou faala isso pra tds que tem suas dificuldade nunca desistar do seu sonhos. bj e obrigado [a] pela atençao.............

  • Entrar
  • Assinar