Gostou do artigo? Compartilhe!

Balanite: o que é? Quais as causas? E os sintomas? Como é diagnosticada? Tem tratamento e prevenção?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é balanite?

Balanite é uma inflamação1 da mucosa2 que reveste a cabeça3 do pênis4, acompanhada ou não de uma infecção5. Quando a pele6 que recobre a cabeça3 do pênis4 também é acometida, usa-se o termo balanopostite7.

Quais são as causas da balanite?

As balanites podem ser causadas por fatores irritantes como sabonetes, pomadas ou contato com certos tipos de tecidos, mas frequentemente devem-se a agentes infecciosos como bactérias, vírus8 e fungos. Esses microrganismos geralmente se associam às células9 de descamação10 da cabeça3 do pênis4 para formar o esmegma11, uma espécie de sebo que funciona como meio de cultura para aqueles germes. Os agentes infecciosos podem ser transmitidos durante relações sexuais ou por higiene precária.

Quais são os principais sinais12 e sintomas13 da balanite?

Os homens mais predispostos são aqueles que mantêm relações sexuais desprotegidas, os que têm hábitos precários de higiene, os diabéticos e aqueles com imunodeficiências. A principal manifestação clínica da balanite é inflamação1, coceira, vermelhidão, aumento da temperatura local, inchaço14 e mau cheiro. Podem surgir também ulcerações15, feridas e pústulas16 no local. O câncer17 de pênis4 também pode se manifestar na forma de balanite.

Como o médico diagnostica a balanite?

O diagnóstico18 da balanite é feito a partir dos sintomas13 referidos pelo paciente e pela inspeção19 direta. O exame laboratorial de uma amostra do líquido presente nas lesões20 ajuda a determinar se a inflamação1 é de causa infecciosa ou não. Uma biópsia21 de pequena amostra de tecido22 da ferida, principalmente nos casos em que há ulceração23, pode ser conveniente para descartar a possibilidade de câncer17 do pênis4.

Como o médico trata a balanite?

As balanites infecciosas são tratadas com uso de antibióticos e antifúngicos locais e sistêmicos24, associados a orientações de higienização adequada. Para erradicar eficientemente a doença é fundamental o tratamento da(o) parceira(o) sexual, para evitar a reinfecção.

A cirurgia de fimose25 pode ser necessária se o estreitamento do prepúcio26 impedir a exposição da glande e a higiene adequada do local.

Como prevenir a balanite? 

  • As melhores maneiras de prevenir as balanites são uma boa higiene, com retração da pele6 do pênis4, tratamento da(o) parceira(o) sexual e uso de preservativo nas relações sexuais.
  • Se a pele6 retrátil recobrir muito a cabeça3 do pênis4, a circuncisão é uma opção por facilitar a higienização e, assim, proteger o indivíduo contra a balanite, ao facilitar a higienização e evitar o acúmulo do esmegma11.
  • Evitar exposição aos agentes irritantes causadores, como pomadas, sabonetes, etc.
  • Retrair o prepúcio26 após urinar e enxugá-lo com papel higiênico.

Quais são as complicações possíveis da balanite?

As principais complicações são fimose25 devido ao inchaço14 (estreitamento da pele6 do pênis4 de modo a não permitir que exponha a cabeça3 do pênis4), fissura27 do prepúcio26 e outras complicações que variam de acordo com a causa da balanite.

ABCMED, 2014. Balanite: o que é? Quais as causas? E os sintomas? Como é diagnosticada? Tem tratamento e prevenção?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-do-homem/567412/balanite-o-que-e-quais-as-causas-e-os-sintomas-como-e-diagnosticada-tem-tratamento-e-prevencao.htm>. Acesso em: 18 jun. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
2 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
3 Cabeça:
4 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
5 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Balanopostite: Inflamação da glande e do prepúcio. Produz dor e secreção de pus. Pode ser de origem traumática ou infecciosa.
8 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
9 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
10 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
11 Esmegma: Substância branca e pastosa que se encontra entre a glande e o prepúcio do homem e no clitóris e pequenos lábios da mulher.
12 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
13 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
14 Inchaço: Inchação, edema.
15 Ulcerações: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
16 Pústulas: Elevações da pele contendo pus, de até um centímetro de diâmetro.
17 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
18 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
19 Inspeção: 1. Ato ou efeito de inspecionar; exame, vistoria, inspecionamento. 2. Ato ou efeito de fiscalizar; fiscalização, supervisão, observação. 3. Exame feito por inspetor (es).
20 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
21 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
22 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
23 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
24 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
25 Fimose: Estreitamento no prepúcio do pênis que impede sua exposição. Geralmente é congênita ou secundária a uma infecção.
26 Prepúcio: Prega cutânea que recobre a glande do pênis.
27 Fissura: 1. Pequena abertura longitudinal em; fenda, rachadura, sulco. 2. Em geologia, é qualquer fratura ou fenda pouco alargada em terreno, rocha ou mesmo mineral. 3. Na medicina, é qualquer ulceração alongada e superficial. Também pode significar uma fenda profunda, sulco ou abertura nos ossos; cesura, cissura. 4. Rachadura na pele calosa das mãos ou dos pés, geralmente de pessoas que executam trabalhos rudes. 5. Na odontologia, é uma falha no esmalte de um dente. 6. No uso informal, significa apego extremo; forte inclinação; loucura, paixão, fissuração.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Urologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.