Gostou do artigo? Compartilhe!

Escarlatina: saiba como é esta doença exantemática

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é escarlatina?

A escarlatina é uma doença infecciosa aguda e contagiosa1 que atinge principalmente crianças em idade escolar, de 5 a 15 anos, ocorrendo principalmente durante o outono e a primavera. A escarlatina já foi uma doença infantil muito grave, mas depois da era dos antibióticos é facilmente tratável.

Quais são as causas da escarlatina?

Quase sempre a escarlatina é uma complicação das infecções2 da garganta3 e da pele4, causada pela bactéria5 Streptococcus pyogenes, a mesma que causa amigdalite, faringite6 e febre reumática7, entre outras. A transmissão da escarlatina acontece por gotículas de saliva ou outras secreções infectadas que são expelidas por via nasal, pela tosse ou por espirros e respiração ou ainda através do contato com vestuário e objetos contaminados.

Quais são os principais sinais8 e sintomas9 da escarlatina?

Os principais sinais8 e sintomas9 da escarlatina são: palidez, vermelhidão na pele4 e na língua10, pequenos pontos vermelhos no céu da boca11, febre12, dores na garganta3, dificuldades de deglutir13, inapetência14, dor no corpo e na cabeça15, náuseas16, vômitos17, descamação18 da pele4. A erupção19 primeiramente aparece no pescoço20 e no peito21 e se espalha posteriormente por todo o corpo. A textura da erupção19 em "lixa" é mais importante para o diagnóstico22 que a aparência dela. Em alguns casos a língua10 fica com pequenas bolhas, que dão a ela um aspecto de framboesa, conhecida como “língua em framboesa”. Em virtude da dor de garganta3, a criança pode precisar de uma alimentação mais pastosa, de mais fácil deglutição23. Sorvetes e picolés podem ajudar a aliviar a dor ao engolir.

Como o médico diagnostica a escarlatina?

O diagnóstico22 da escarlatina é basicamente clínico, baseado nos sinais8 e sintomas9 típicos da enfermidade. A cultura e o teste rápido de pesquisa do estreptococo no esfregaço da garganta3 (pesquisa de antígenos24) ajudam a identificar a bactéria5 e estabelecer um diagnóstico22 diferencial.

Como o médico trata a escarlatina?

O tratamento da escarlatina é feito através da administração de antibióticos, sendo a penicilina o medicamento de primeira escolha, mas também se pode utilizar a amoxicilina, a eritromicina ou a azitromicina. Analgésicos25 e antitérmicos26 podem ser usados para alívio de sintomas9 como febre12 e dores.

No caso de coceiras deve-se dar banho na criança com maisena e após o banho passar uma loção de calamina ou qualquer outra loção calmante. Quando começar a descamação18 da pele4, aplicar vaselina ou óleo mineral massageando delicadamente a região. É importante não expor a criança ao sol caso tenha passado qualquer tipo de óleo pelo corpo.

Como evolui a escarlatina?

A grande eficiência do tratamento antibiótico tornou a mortalidade27, que no passado era comum, próxima de zero nesse século.

Como prevenir a escarlatina?

  • A melhor maneira de prevenir a escarlatina é tratar adequadamente as infecções2 por estreptococos.
  • As pessoas infectadas não devem frequentar aglomerações nem compartilhar copos ou talheres com outras pessoas.
  • Lenços usados por pessoas infectadas devem ser descartáveis e descartados em locais apropriados.
  • Lavar bem as mãos28 antes e depois de tocar o rosto de uma pessoa com a doença ajuda a evitá-la.
  • Como a vacina29 específica é pouco eficiente e muito cara, essa forma de prevenção costuma só começar após um surto.

Quais são as complicações mais comuns da escarlatina?

O início rápido do tratamento é fundamental para evitar complicações graves como a meningite30, o reumatismo31 infeccioso e a glomerulonefrite32. Geralmente a pessoa melhora em torno do terceiro dia após o início do antibiótico, mas não deve abandonar o tratamento até que o seu término seja concluído, conforme prescrição médica.

Não tratada, a escarlatina pode causar hemorragias33 no estômago34, no baço35 e no intestino delgado36, bem como podem ocorrer convulsões, inflamação37 nos rins38 e nos tímpanos, dores nas articulações39 e problemas cardiovasculares.

Podem ocorrer também sequelas40 permanentes nos rins38 e febre reumática7

ABCMED, 2014. Escarlatina: saiba como é esta doença exantemática. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-crianca/523554/escarlatina-saiba-como-e-esta-doenca-exantematica.htm>. Acesso em: 14 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
2 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
5 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
6 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
7 Febre reumática: Doença inflamatória produzida como efeito inflamatório anormal secundário a infecções repetidas por uma bactéria chamada estreptococo beta-hemolítico do grupo A. Caracteriza-se por inflamação das articulações, febre, inflamação de uma ou mais de uma estrutura cardíaca, alterações neurológicas, eritema cutâneo. Com o tratamento mais intensivo da faringite estreptocócica, a freqüência desta doença foi consideravelmente reduzida.
8 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Língua:
11 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
12 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
13 Deglutir: Passar (o bolo alimentar) da boca para o esôfago e, a seguir, para o estômago.
14 Inapetência: Ausência de apetite, de vontade de comer; anorexia. Por extensão de sentido, é a falta de desejo ou de vontade.
15 Cabeça:
16 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
17 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
18 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
19 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
20 Pescoço:
21 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
22 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
23 Deglutição: Passagem dos alimentos desde a boca até o esôfago; ação ou efeito de deglutir; engolir. É um mecanismo em parte voluntário e em parte automático (reflexo) que envolve a musculatura faríngea e o esfíncter esofágico superior.
24 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
25 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
26 Antitérmicos: Medicamentos que combatem a febre. Também pode ser chamado de febrífugo, antifebril e antipirético.
27 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
28 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
29 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
30 Meningite: Inflamação das meninges, aguda ou crônica, quase sempre de origem infecciosa, com ou sem reação purulenta do líquido cefalorraquidiano. As meninges são três membranas superpostas (dura-máter, aracnoide e pia-máter) que envolvem o encéfalo e a medula espinhal.
31 Reumatismo: Termo que é utilizado em geral para se referir ao conjunto de doenças inflamatórias e degenerativas que afetam as articulações e estruturas vizinhas.
32 Glomerulonefrite: Inflamação do glomérulo renal, produzida por diferentes mecanismos imunológicos. Pode produzir uma lesão irreversível do funcionamento renal, causando insuficiência renal crônica.
33 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
34 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
35 Baço:
36 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
37 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
38 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
39 Articulações:
40 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pediatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.