Gostou do artigo? Compartilhe!

Esgotamento mental ou síndrome de Burnout - o que fazer para melhorar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a síndrome1 de burnout ou esgotamento mental?

Esgotamento mental, esgotamento nervoso ou síndrome1 de burnout é um estado de exaustão emocional, mental e física. Ocorre quando a pessoa se sente oprimida, emocionalmente esgotada e incapaz de atender às constantes demandas que são feitas a ela. Se o estresse continua, a pessoa começa a perder o interesse e a motivação que a levou a assumir determinadas tarefas.

O esgotamento mental reduz a produtividade e solapa energias, deixando a pessoa se sentindo cada vez mais fragilizada e sem esperanças. Eventualmente, a pessoa pode sentir como se não tivesse nada mais para dar de si.

Quais são as causas do esgotamento mental?

Muitas vezes o esgotamento mental decorre de trabalho excessivo e desgastante. O estilo de vida e os traços de personalidade também podem contribuir para o esgotamento mental. Além disso, outras causas podem levar ao problema: falta de relações de proximidade e de apoio interpessoal, não dormir o suficiente, visão2 pessimista de si mesmo e do mundo e estresse excessivo e prolongado.

Saiba mais sobre "Síndrome1 de Burnout", "Estresse", "Tipos psicológicos" e "Insônia".

Quais são as principais características clínicas do esgotamento mental?

Os efeitos do esgotamento mental são negativos em todas as áreas da vida (família, trabalho e vida social) e também podem causar alterações de longo prazo para o corpo e torná-lo vulnerável a doenças infecciosas como resfriados e gripes. Em geral, o esgotamento mental leva a pessoa a sentir que todo dia é um "dia ruim", a parecer que cuidar de sua vida profissional ou doméstica é um desperdício total de energia, a se sentir exausta o tempo todo, mesmo sem executar grandes tarefas, as quais lhe parecerão maçantes ou esmagadoras e a sentir que nada que faz é apreciado por outras pessoas.

Todas as pessoas têm dias em que se sentem indefesas e desprezadas e em que sair da cama exige um grande esforço. No entanto, se uma pessoa se sentir assim a maior parte do tempo, é porque ela pode estar experimentando um processo gradual de esgotamento mental. De início, os sinais3 e sintomas4 são sutis, mas pioram com o passar do tempo. São eles:

  • Sentimentos de cansaço e esgotamento.
  • Imunidade5 reduzida.
  • Dores de cabeça6 ou musculares frequentes.
  • Alteração do apetite e do sono.
  • Sentimentos de fracasso, de solidão, perda de motivação, diminuição progressiva de satisfações e do sentimento de autorrealização.
  • Falta de vontade de assumir responsabilidades.
  • Isolamento das pessoas.
  • Demora em fazer as coisas que antes fazia mais rapidamente.
  • Foco excessivo em comida, drogas ou álcool.
  • Indisposição quanto ao trabalho, geralmente chegando atrasado e saindo mais cedo.
Conheça sobre o "Transtorno de esquiva".

Como melhorar o esgotamento mental?

Existem passos positivos que a pessoa pode dar para superar o esgotamento mental. Um dos mais eficazes é aproximar-se das outras pessoas, principalmente as mais queridas, como seu marido ou esposa, filhos ou amigos. O contato social é um potente antídoto7 ao estresse. A pessoa deve tentar colocar de lado o que a está fustigando e fazer o tempo que gasta com os entes queridos mais positivo e agradável, sendo mais sociável com seus colegas de trabalho e evitando estar com pessoas negativistas que não fazem nada mais do que reclamar da vida.

Outra medida útil é adotar uma causa ou um grupo religioso que seja significativo para a pessoa ou um trabalho voluntário que traga satisfação. Ser útil para outras pessoas proporciona um prazer imenso e pode ajudar a reduzir significativamente o estresse. Mesmo pequenas coisas como uma palavra amável ou um sorriso amigável pode ajudar a reduzir o estresse - para você e para a outra pessoa. Em resumo:

  • A pessoa deve criar oportunidades para descansar a mente.
  • Reduzir o excesso de entrada sensorial, sobretudo o excesso de luz e de ruídos.
  • Dar-se o direito de relaxar e de ficar sem fazer nada por algum tempo.
  • Não ser irreal sobre o quanto é possível fazer, respeitando os seus limites.
  • Priorizar os trabalhos que são um investimento em produtividade e criação.
  • Trabalhar a resiliência.
  • Aceitar tranquilamente que o mundo e as pessoas não são perfeitos, assim como você também não é!
Leia também sobre "Resiliência", "Transtorno de ansiedade generalizada" e "Maneiras de lidar com o estresse".

 

ABCMED, 2017. Esgotamento mental ou síndrome de Burnout - o que fazer para melhorar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/1297963/esgotamento-mental-ou-sindrome-de-burnout-o-que-fazer-para-melhorar.htm>. Acesso em: 22 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
3 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
6 Cabeça:
7 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.