Gostou do artigo? Compartilhe!

Impetigo: conceito, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento, evolução, prevenção, complicações possíveis

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é impetigo1?

O impetigo1 (do latim: impetere = ataque) é uma infeção cutânea2 superficial por bactérias, muito comum em crianças pequenas. Além de comum é uma doença muito contagiosa3. Como o impetigo1 afeta somente a epiderme4 superficial, não produz cicatrizes5 e a crosta formada desaparece completamente após o tratamento. Aqueles que já sofrem outras doenças de pele6 como eczema7, sarna8 ou herpes podem ter uma superinfecção9 com impetigo1, chamada impetiginização. Embora seja uma doença benigna, é necessário cuidar rapidamente da criança doente com impetigo1 porque sendo altamente contagiosa3 ela coloca em risco as pessoas que convivem com a criança.

Quais são as causas do impetigo1?

O impetigo1 é uma infecção10 geralmente causada pelo Staphylococcus aureus ou pelo Streptococcus pyogenes ou, ainda, por ambos. As duas espécies são bactérias gram positivas componentes da flora normal da pele6 de humanos e de outros animais que podem ser transmitidas por contato com as lesões11, pelas vias respiratórias, por utensílios compartilhados com pessoa infectada, por contato com insetos ou por contato direto com animais infectados. Os fatores de risco para o impetigo1 incluem: crianças entre os dois e seis anos de idade; locais fechados e superlotados; clima quente e úmido; lesões11 na pele6 causadas por mordidas ou picadas de inseto e outros tipos de feridas; pessoas idosas, com diabetes12 ou com um sistema imunológico13 debilitado.

Quais são os principais sinais14 e sintomas15 do impetigo1?

A enfermidade incide mais nos climas quentes e úmidos e nos ambientes com menores condições de higiene. O período de incubação16 varia entre um e dez dias. A infeção pode afetar qualquer parte ou segmento da pele6, mas a face17, as mãos18, o pescoço19 e o couro cabeludo são os locais comumente mais atingidos. Geralmente as lesões11 aparecem primeiro nos orifícios faciais, boca20 e nariz21 e daí se generalizam para o rosto e às vezes para o resto do corpo.

Comumente as lesões11 são pequenas, mas podem se tornar mais amplas pelo ato de coçar que as espalha. Forma-se inicialmente uma lesão22 inflamatória e bolhas rodeadas por ulcerações23, as quais se enchem de pus24 e estouram e então as lesões11 são transformadas em uma crosta amarelada. Há também uma forma não bolhosa, a qual geralmente se manifesta com crostas que lembram a cor do mel.

Assim, os principais sinais14 e sintomas15 de impetigo1 são: uma ou mais pústulas25 com pus24 que facilmente estouram; pústulas25 que coçam, preenchidas com um líquido amarelado; formação posterior de crostas; erupções cutâneas26 que podem espalhar-se conforme a pessoa as coça; nódulos linfáticos inchados. Às vezes, em pessoas cujo sistema imunológico13 esteja rebaixado, o impetigo1 pode se transformar em ectima, uma forma em que as lesões11 são mais graves, mais inflamadas e mais ulceradas.

Como o médico diagnostica o impetigo1?

O diagnóstico27 é eminentemente28 clínico, baseado nos relatos do paciente ou de seus acompanhantes, uma vez que os pacientes costumam ser crianças, e na observação direta das lesões11. Normalmente, testes de laboratório não são necessários, mas nos casos atípicos pode-se fazer uma cultura em laboratório para que seja identificado o microrganismo causador das lesões11 e determinado o antibiótico apropriado. Em geral, não é necessário realizar cultura a fim de determinar o agente causador do impetigo1 e para confirmar o diagnóstico27, exceto na ectima (forma grave de impetigo1). A princípio, o estado geral do paciente é bom e ele não apresenta febre29 ou a apresenta de forma leve.

Como o médico trata o impetigo1?

O tratamento deve ser iniciado tão logo apareçam os primeiros sintomas15, visto tratar-se de uma condição altamente contagiosa3. Os casos mais leves podem ser tratados com água e sabão deixando a ferida secar livremente ou com o uso de uma pomada bactericida. Os antibióticos podem ser aplicados localmente nas feridas, por meio de cremes ou pomadas. Nas infecções30 disseminadas devem ser usados antibióticos orais. Geralmente o impetigo1 responde bem ao tratamento adequado e desaparece em 24 a 48 horas, sem deixar cicatrizes5.

Como prevenir o impetigo1?

Para a prevenção do impetigo1 deve-se limpar bem qualquer ferida que possa ser uma porta de entrada para as bactérias responsáveis pela infecção10. É absolutamente necessário evitar contato com pessoas infectadas, porque trata-se de uma condição particularmente contagiosa3. Se a pessoa já tem impetigo1, deve evitar a propagação não compartilhando toalhas, roupas, lâminas de barbear ou outros produtos ou objetos de uso pessoal com outras pessoas. Para evitar se recontaminar, a pessoa afetada deve lavar suas mãos18 após tocar a pele6 infectada, manter a pele6 limpa, limpar bem pequenos cortes e escoriações31 com sabão e água limpa, trocar com frequência as próprias vestes e as roupas de cama. Como o impetigo1 é uma doença altamente contagiosa3, é preciso isolar os doentes. No caso frequente de serem crianças elas devem deixar de frequentar creches, escolas, parques, etc até a resolução da infecção10.

Como evolui o impetigo1?

As lesões11 do impetigo1 curam-se lentamente, mas as taxas de cura são bastante altas, desde que o paciente faça o tratamento correto.

Quais são as complicações possíveis do impetigo1?

Impetigo1 não forma cicatrizes5, mas as formas severas podem deixar manchas escuras na pele6, após a inflamação32. A principal complicação do impetigo1 é a possibilidade de que ele gere uma epidemia, dado que é uma doença altamente contagiosa3. Quando o impetigo1 é causado por Streptococcus, deve-se atentar para os possíveis danos aos rins33, caso não seja tratado corretamente.

ABCMED, 2015. Impetigo: conceito, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento, evolução, prevenção, complicações possíveis. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/746907/impetigo-conceito-causas-sintomas-diagnostico-tratamento-evolucao-prevencao-complicacoes-possiveis.htm>. Acesso em: 21 mar. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Impetigo: Infecção da pele e mucosas, produzida por uma bactéria chamada Estreptococo, e caracterizada pela presença de lesões avermelhadas, com formação posterior de bolhas que contém pus e que, ao romper-se, deixam uma crosta cor de mel. Pode ser transmitida por contato entre as pessoas, como em creches.
2 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
3 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
4 Epiderme: Camada superior ou externa das duas camadas principais da pele.
5 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
8 Sarna: Doença produzida por um parasita chamado Sarcoptes scabiei. Infesta a superfície da pele produzindo coceira e vesículas branco peroladas juntamente com lesões por coçadura. Localiza-se mais freqüentemente nas pregas interdigitais, inguinais e submamárias. É contagiosa, passando de pessoa para pessoa por contato íntimo, e por isto muito freqüente em aglomerações humanas (asilos, creches, abrigos). Nestes casos toda a população deve ser tratada ao mesmo tempo.
9 Superinfecção: Geralmente ocorre quando os antibióticos alteram o equilíbrio do organismo, permitindo o crescimento de agentes oportunistas, como os enterococos. A superinfecção pode ser muito difícil de tratar, porque é necessário optar por antibióticos eficazes contra todos os agentes que podem causá-la.
10 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
12 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
13 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
14 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
16 Incubação: 1. Ato ou processo de chocar ovos, natural ou artificialmente. 2. Processo de laboratório, por meio do qual se cultivam microrganismos com o fim de estudar ou facilitar o seu desenvolvimento. 3. Em infectologia, é o período que vai da penetração do agente infeccioso no organismo até o aparecimento dos primeiros sinais da doença.
17 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
18 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
19 Pescoço:
20 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
21 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
22 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
23 Ulcerações: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
24 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
25 Pústulas: Elevações da pele contendo pus, de até um centímetro de diâmetro.
26 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
27 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
28 Eminentemente: De modo eminente; em alto grau; acima de tudo.
29 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
30 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
31 Escoriações: Ato ou efeito de escoriar-se; esfolar-se, ferir-se.
32 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
33 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.