Gostou do artigo? Compartilhe!

Distensão muscular – conceito, causas, características clínicas, diagnóstico, tratamento e prevenção

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é distensão muscular?

A distensão muscular ocorre quando um músculo sofre um estiramento além da sua distensão normal e alonga demais, ocasionando a ruptura de fibras musculares1 ou do tendão2 envolvido. Mais frequentemente, este tipo de lesão3 ocorre próximo da articulação4, na junção músculo-tendínea.

As distensões agudas, de forte intensidade, ocorrem quando se impõe ao músculo uma contração excessiva repentina. As distensões crônicas devem-se a exercícios repetitivos e prolongados, ainda que de menores intensidades, que envolvem sempre os mesmos músculos5.

Quais são as causas da distensão muscular?

Mais comumente, a distensão muscular é devida ao fato de se submeter o músculo a um esforço excessivo de contração muscular, como acontece frequentemente em desportistas. Ela também pode ocorrer em pessoas comuns que eventualmente exijam um grande esforço de seus músculos5 ou em pessoas mais velhas ou ainda em pessoas que realizam movimentos repetitivos e que sofrem tendinite6.

Os fatores de risco que aumentam a chances de sofrer distensão muscular são a falta de condicionamento físico, o uso de uma técnica inadequada para a realização de cada tipo de atividade, a falta de aquecimento antes da prática dos exercícios, o cansaço extremo e o excesso de peso corpóreo.

Saiba mais sobre "Tendinite6", "Atividade física", "Obesidade7" e "Miosite".

Qual é o mecanismo fisiológico8 da distensão muscular?

Quando a pessoa coloca uma pressão excessiva sobre o músculo pode causar danos a ele ou a seus tendões9, caracterizados pelo rompimento de fibras musculares1. Isso pode acontecer durante o curso de atividades diárias normais, com levantamento de pesos, durante atividades esportivas ou ao executar tarefas de trabalho. O dano ocasionado por essas pressões excessivas podem também romper os tendões9 ligados ao músculo, assim como podem danificar pequenos vasos sanguíneos10, causando sangramento local, manchas equimóticas e dor causada pela irritação das terminações nervosas na área.

Quais são as principais características clínicas da distensão muscular?

O principal sintoma11 da distensão muscular é a dor forte. Se a parte afetada for a perna, a pessoa pode sentir dificuldade para caminhar; se a parte afetada for o braço, pode ter dificuldade de movimentá-lo. Além disso, os sintomas12 da distensão muscular incluem também fraqueza muscular e dificuldade para executar a atividade própria da região afetada.

Ademais, a distensão muscular pode gerar uma mancha roxa, devido ao extravasamento de sangue13. Um edema14 local pode ser formado na região da distensão e ela tende a ficar um pouco mais quente que o normal. Nos casos mais graves, pode-se sentir a ruptura das fibras, palpando o local. O alongamento do músculo afetado, por si, não provoca dor, mas quando o ligamento15 é rompido a articulação4 tende a ficar mais instável.

Como o médico diagnostica a distensão muscular?

O médico deve partir da história médica do paciente e fazer uma avaliação clínica da região afetada. Exames de imagens, como radiografia, ressonância magnética16 e eletromiograma são importantes para estabelecer o diagnóstico17 diferencial e orientar o tratamento. Uma ressonância magnética16 ou ultrassonografia18 podem ajudar a identificar e classificar a lesão3 de acordo com a sua gravidade.

Leia sobre "Ressonância magnética16" e "Ultrassonografia18".

Como o médico trata a distensão muscular?

Ocorrida a distensão, a pessoa deve suspender a atividade física que vinha praticando e colocar imediatamente uma compressa gelada na região, para aliviar a dor. Além disso, deve manter repouso do membro afetado, mantê-lo suspenso e usar medicamentos analgésicos19 e anti-inflamatórios que devem ser tomados sob orientação médica, sendo indicado também o uso de compressas frias ou com gelo. As fibras rompidas tendem a se regenerar espontaneamente. Uma fisioterapia20 deve ser iniciada o quanto antes para garantir o retorno mais rápido possível às atividades diárias.

Como prevenir a distensão muscular?

Deve-se evitar estirar o músculo além do seu limite e mantê-lo normalmente alongado e fortalecido, antes das atividades físicas, respeitando suas limitações normais. Os atletas devem ter sempre a supervisão de um profissional da educação física em suas competições.

Veja também sobre "Equimoses21", "Alongamento" e "Fisioterapia20".

 

ABCMED, 2016. Distensão muscular – conceito, causas, características clínicas, diagnóstico, tratamento e prevenção. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/ortopedia-e-saude/1280938/distensao-muscular-conceito-causas-caracteristicas-clinicas-diagnostico-tratamento-e-prevencao.htm>. Acesso em: 21 abr. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Fibras Musculares: Células grandes, multinucleadas e individuais (cilídricas ou prismáticas) que formam a unidade básica do tecido muscular esquelético. Constituídas por uma substância mole contrátil, revestida por uma bainha tubular. Derivam da união de MIOBLASTOS ESQUELÉTICOS com o sincício, seguida de diferenciação.
2 Tendão: Tecido fibroso pelo qual um músculo se prende a um osso.
3 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
5 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
6 Tendinite: Inflamação de um tendão. Produz-se em geral como conseqüência de um traumatismo. Existem doenças imunológicas capazes de produzir tendinite entre outras alterações.
7 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
8 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
9 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
10 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
11 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
14 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
15 Ligamento: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
16 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
19 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
20 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
21 Equimoses: Manchas escuras ou azuladas devido à infiltração difusa de sangue no tecido subcutâneo. A maioria aparece após um traumatismo, mas pode surgir espontaneamente em pessoas que apresentam fragilidade capilar ou alguma coagulopatia. Após um período de tempo variável, as equimoses desaparecem passando por diferentes gradações: violácea, acastanhada, esverdeada e amarelada.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.