Gostou do artigo? Compartilhe!

Teste de paternidade: por que fazer? Ele é confiável?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é teste de paternidade?

Um teste de paternidade estabelece uma prova genética de se um homem pode ou não ser o pai biológico de um determinado indivíduo. O mesmo teste pode estabelecer também se uma mulher é ou não a mãe biológica de certo indivíduo. Ele usa, para isso, os perfis de DNA do filho e do suposto pai (ou mãe). Esses testes também podem determinar a probabilidade de alguém ser um avô biológico para um neto.

Embora os testes genéticos sejam o padrão mais confiável, existem métodos mais antigos, mas menos específicos, incluindo tipagem sanguínea ABO, análise de várias outras proteínas1 e enzimas ou utilizando antígenos2 leucocitários. Atualmente os testes de paternidade também podem ser realizados enquanto a mulher ainda está grávida, por uma coleta de líquido amniótico3 ou sangue4. Esse tipo de teste comporta várias nuances que só podem ser abarcadas por um especialista.

Por que fazer um teste de paternidade?

O teste de paternidade pode ser utilizado como prova legal para reivindicações de herança, direitos paternos, benefícios sociais e outras circunstâncias civis ou criminais que necessitem de uma prova de parentesco. Além do teste de paternidade, os marcadores genéticos em que esses testes se baseiam podem ser utilizados, por exemplo, na caracterização de doenças genéticas e novos medicamentos, e também para a identificação de indivíduos, com grande utilidade para a genética forense5.

Qual é o grau de confiabilidade do teste de paternidade?

O teste de DNA é a forma mais avançada e precisa para determinar a filiação. Quando o teste indica que o suposto pai não é biologicamente relacionado com a criança, a possibilidade de erro é de 0% e se indica a probabilidade de parentesco, a possibilidade de certeza é de 99,99%.

Como é realizado o teste de paternidade?

O material genético de um indivíduo é derivado do material genético de ambos os pais, em quantidades iguais. Comparando-se o DNA de um indivíduo, com o DNA de outro indivíduo pode-se demonstrar que um deles foi derivado do outro. Embora testes de paternidade sejam mais comuns do que os testes de maternidade, pode haver circunstâncias em que a mãe biológica da criança precisa ser determinada.

Todas as células6 do corpo de um indivíduo possuem a mesma informação genética e, desta forma, o DNA pode ser obtido de qualquer tecido7 humano, sólido ou líquido. Em indivíduos já falecidos, o teste pode ser extraído de tecidos remanescentes, após exumação8. Em indivíduos vivos, geralmente o teste é realizado a partir da coleta de células6 bucais do interior da bochecha9 do suposto pai (ou mãe) e do filho, utilizando um “raspador” de madeira ou de plástico, às vezes, contendo um algodão na sua ponta. O coletor esfrega o interior da bochecha9 dessas pessoas, a fim de recolher o maior número possível de células6 bucais, as quais são então enviadas a um laboratório, para análise.

É possível fazer o teste de paternidade enquanto a mulher ainda está grávida, através de biópsia10 da vilosidade coriônica11 do tecido7 placentário, feita de maneira transcervical12 ou transabdominal. Ele também pode ser feito por meio de uma amniocentese13, que extraia o líquido amniótico3 através de uma agulha inserida através da parede abdominal14 da mãe grávida. Estes procedimentos são altamente precisos, porque eles estão tomando uma amostra diretamente do feto15.

Mais modernamente, testes genéticos no sangue4 da mãe durante a gravidez16 podem levar à determinação de quem é o pai biológico do filho que está sendo gestado. Ele detecta uma pequena quantidade de DNA fetal presente, sem o risco de aborto. Esses testes, no entanto, são ainda muito escassos. Os testes de paternidade também podem ser realizados clinicamente quando o suposto pai é falecido, pela análise de material genético de seus parentes próximos como pais, irmãos e outros filhos legítimos visando reconstruir o perfil genético do suposto pai falecido.

Quais são as complicações possíveis do teste de paternidade?

Para os testes invasivos de paternidade, realizados durante a gestação, existe um pequeno risco de abortamento17.

ABCMED, 2015. Teste de paternidade: por que fazer? Ele é confiável?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/814409/teste-de-paternidade-por-que-fazer-ele-e-confiavel.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
2 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
3 Líquido amniótico: Fluido viscoso, incolor ou levemente esbranquiçado, que preenche a bolsa amniótica e envolve o embrião durante toda a gestação, protegendo-o contra infecções e choques mecânicos e térmicos.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Forense: 1. Relativo a foro; próprio do foro; que se usa no foro. 2. Relativo aos tribunais e à justiça; jurídico, judiciário, judicial.
6 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
7 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
8 Exumação: Ato ou efeito de exumar ou desenterrar.
9 Bochecha:
10 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
11 Vilosidade coriônica: A superfície da bolsa amniótica é recoberta por projeções chamadas vilosidades coriônicas, que penetram no endométrio. Ao redor das vilosidades formam-se lacunas por onde circula o sangue materno. Assim elas permitem trocas de substâncias entre o sangue do embrião, que circula nas vilosidades, e o sangue materno, que circula nessas lacunas. Alimento e oxigênio passam do sangue da mãe para o feto, enquanto excreções e gás carbônico fazem o caminho inverso. As vilosidades coriônicas são formadas a partir de um acúmulo de células oriundas do citotrofoblasto que se projetam para o sinciciotrofoblasto iniciando esse desenvolvimento no final da segunda semana de gestação quando são classificadas como primárias. Nas semanas seguintes, tornam-se ramificadas e se denominam vilosidades coriônicas secundárias e posteriormente, terciárias quando, então, formam a parte funcional da membrana placentária na porção embrionária.
12 Transcervical: Através da cérvix ou do colo do útero.
13 Amniocentese: Consiste na obtenção do líquido amniótico que banha o feto através da punção da cavidade amniótica. Realizada entre 15 a 18 semanas de gravidez, para avaliar problemas genéticos do bebê.
14 Parede Abdominal: Margem externa do ABDOME que se estende da cavidade torácica osteocartilaginosa até a PELVE. Embora sua maior parte seja muscular, a parede abdominal consiste em pelo menos sete camadas Músculos Abdominais;
15 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
16 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
17 Abortamento: Interrupção precoce da gravidez, espontânea ou induzida, seguida pela expulsão do produto gestacional pelo canal vaginal (Aborto). Pode ser precedido por perdas sangüíneas através da vagina.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Medicina Legal E Perícia Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.