Gostou do artigo? Compartilhe!

Curva glicêmica: como é este exame? Quando deve ser feito? Quem deve fazer?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é curva glicêmica1?

Chama-se curva glicêmica1, também denominada de teste oral de tolerância à glicose2, à representação gráfica da forma como o açúcar3 se apresenta no sangue4 após a ingestão de um alimento determinado e demonstra a velocidade com que o carboidrato5 é consumido, expresso pelo índice de glicose2 no sangue4. A curva glicêmica1 é dita baixa se o açúcar3 (carboidrato5) chega lentamente ao sangue4 e é consumido também lentamente. Do contrário diz-se que há uma curva glicêmica1 alta.

Em que consiste a curva glicêmica1?

Como preparo para uma curva glicêmica1 deve ser feito um jejum de 10 a 12 horas, por isso recomenda-se que o exame seja feito pela manhã. Antes ou ao longo do exame o paciente não deve usar laxantes6, nem fumar ou fazer atividade física; mas não há restrição ao consumo de água. A duração do exame pode chegar a seis horas, na dependência de quantas amostras de sangue4 serão colhidas. Inicialmente, é feita a coleta de sangue4 para medir a glicemia7 em jejum e logo depois é dado ao paciente certa dose de um xarope açucarado. Após uma, duas ou três horas, conforme a solicitação médica, é feita a coleta de uma pequena quantidade de sangue4, que é então avaliada em laboratório com relação à glicemia7. Durante o exame não se deve comer nem beber nada, sendo necessário ainda ficar de repouso, relaxadamente. Um índice de glicose2 inferior a 140 mg/dl8 é normal; entre 140 e 199 mg/dl8 indica tolerância diminuída à glicose2 e um índice igual ou superior a 200 mg/dl8 indica diabetes9. Os valores intermediários, sugestivos de pré-diabetes10, recomendam a repetição do exame e a mudança dos intervalos de tempo em que são feitas as coletas de sangue4.

Não existem contraindicações absolutas para fazer a curva glicêmica1, entretanto existem algumas condições que devem ser evitadas porque podem dificultar a interpretação dos resultados, como algumas doenças infecciosas ou uso de determinadas medicações.

Por que fazer a curva glicêmica1?

A curva glicêmica1 é um exame de sangue4 feito principalmente para o diagnóstico11 do diabetes mellitus12 ou da diabetes gestacional13. A curva glicêmica1 ajuda também a estabelecer os padrões metabólicos da glicose2 e assim da fome e do controle do peso. Quando se come uma bala ou mesmo um pão, alimentos com carboidrato5 simples, ele segue rapidamente para o sangue4 e o açúcar3 no sangue4 aumenta rapidamente, mas também é prontamente consumido e a curva desce, produzindo necessidade de voltar a comer. Quanto mais constante for a curva glicêmica1, menos fome o indivíduo tem e mais seu peso corporal fica constante, porque a pessoa não desenvolve episódios descontrolados de vontade de comer. As pessoas que não alteram grandemente seu peso durante a vida, geralmente têm uma curva glicêmica1 constante.

Quando fazer uma curva glicêmica1?

A curva glicêmica1 deve ser feita quando há a suspeita de diabetes9 ou por volta da 20ª semana da gravidez14 para indicar se a mãe desenvolveu ou não diabetes9 durante a gravidez14.

ABCMED, 2015. Curva glicêmica: como é este exame? Quando deve ser feito? Quem deve fazer?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/diabetes-mellitus/801374/curva-glicemica-como-e-este-exame-quando-deve-ser-feito-quem-deve-fazer.htm>. Acesso em: 10 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Curva Glicêmica: Ou TOTG. Segundo a NDDG (National Diabetes Data Group) o teste é feito após jejum de 12 a 16 horas, 3 dias de dieta prévia contendo no mínimo 150 gramas de carboidrato/dia. Durante o teste: não pode fumar ou comer e deve permanecer em repouso total, pode ingerir apenas água. Coleta-se uma amostra de glicemia de jejum. Administra-se ao paciente sobrecarga de glicose: No adulto: 75g Na gestante: até 100g a critério médico Em crianças: 1,75 g/ kg de peso. A concentração da solução não deve ultrapassar 25 g/dl, e o tempo de ingestão deve ser inferior a 5 minutos. Coleta-se amostras de sangue a cada 30 minutos, até 120 minutos de teste - 5 amostras. Na interpretação do teste: Normal: Glicemia de jejum inferior a 110 mg/dl Glicemia após 120 minutos inferior a 140 mg/dl Nenhum valor durante o teste superior a 200 mg/dl Tolerância Diminuída à Glicose: Glicemia de jejum inferior a 140 mg/dl Glicemia após 120 minutos entre 140 e 200 mg/dl No máximo um valor durante o teste superior a 200 mg/dl Diabetes Melito: Glicemia de jejum superior a 140 mg/dl Todos os outros resultados da curva superiores a 200 mg/dl Diabetes Gestacional: pelo menos 2 resultados como se segue: Glicemia de jejum superior a 105,0 mg/dl Glicemia de 1 hora superior a 190,0 mg/dl Glicemia de 2 horas superior a 165,0 mg/dl Glicemia de 3 horas superior a 145,0 mg/dl.
2 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
3 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Carboidrato: Um dos três tipos de nutrientes dos alimentos, é um macronutriente. Os alimentos que possuem carboidratos são: amido, açúcar, frutas, vegetais e derivados do leite.
6 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
7 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
8 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
9 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
10 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
12 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
13 Diabetes gestacional: Tipo de diabetes melito que se desenvolve durante a gravidez e habitualmente desaparece após o parto, mas aumenta o risco da mãe desenvolver diabetes no futuro. O diabetes gestacional é controlado com planejamento das refeições, atividade física e, em alguns casos, com o uso de insulina.
14 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Endocrinologia E Metabologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.