Gostou do artigo? Compartilhe!

Usos e abusos dos antibióticos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são antibióticos?

Antibióticos (do grego: anti = contra + biotikos = seres vivos) são substâncias naturais, sintéticas ou semissintéticas, capazes de combater uma infecção1 causada por microrganismos. O termo antibiótico tem sido utilizado de modo mais restrito para indicar substâncias que afetam as bactérias, mas que não destroem outros organismos, como vírus2, fungos, protozoários3 ou helmintos4.

Atuam alterando mecanismos vitais desses microrganismos, matando-os ou impedindo a reprodução5 deles. Os antibióticos alterados em laboratórios visam evitar resistências bacterianas e diminuir seus efeitos colaterais6. Ao mesmo tempo procuram atingir cada vez mais as cepas7 de bactérias que tenham mostrado resistência aos antibióticos anteriores.

Alexandre Fleming foi o descobridor do primeiro antibiótico, a penicilina, no final da década de 20 do século XX.

Saiba mais sobre "Bactérias", "Vírus2" e "Fungos".

O uso dos antibióticos

Nem todos os antibióticos agem igualmente contra todas as bactérias. Idealmente, o uso deles deve ser precedido de um antibiograma que indica a sensibilidade dos microrganismos a um ou a alguns dos antibióticos pesquisados. Como nem sempre isso é possível, seja pela urgência8 da condição clínica, pela indisponibilidade do exame ou, ao contrário, porque o quadro clínico é muito simples e facilmente discernível, o médico muitas vezes tem de medicar empiricamente, baseado nas experiências anteriores registradas na literatura médica.

Um antibiótico é dito bactericida quando tem efeito letal sobre a bactéria9 que ataca e bacteriostático se apenas interrompe a reprodução5 da bactéria9 ou inibe seu metabolismo10, mas não a destroi.

Alguns antibióticos (ciprofloxacina, ampicilina, amoxicilina ou azitromicina, por exemplo) eliminam a maior parte das bactérias e, por isso, são ditos antibióticos de largo espectro. Eles usualmente são usados para tratar infecções11 urinárias, infecções11 no ouvido, olhos12, rins13, pele14, ossos, órgãos genitais, cavidade abdominal15, articulações16, trato respiratório e digestivo, sinusite17, furúnculos, úlceras18 infectadas, amigdalite, rinite19, bronquite ou pneumonia20, por exemplo.

Outros antibióticos têm uma ação menos geral e são ditos de espectro restrito ou limitado. Existem diferenças de sensibilidade entre as bactérias Gram negativas (bactérias que não retêm a coloração pela violeta de genciana) e Gram positivas (que retêm a coloração pela violeta de genciana). Alguns antibióticos são direcionados a agentes infecciosos específicos.

Com uma tal variedade de possibilidades, deve caber sempre ao médico definir qual antibiótico deve ser usado, qual o modo de uso (oral, intramuscular, intravenoso, tópico21, etc.), qual a dose e por quanto tempo. Ao paciente cabe seguir estritamente o que lhe for recomendado.

Leia sobre "Antibiograma", "Infecção1 urinária", "Otites22", "Sinusites", "Furúnculos", "Amigdalites" e "Bronquites".

Algumas características clínicas do uso e abuso dos antibióticos?

Os antibióticos apenas devem ser tomados sob indicação médica, pois eles tanto podem eliminar as bactérias patogênicas como as bactérias benéficas e necessárias ao organismo, como as que vivem nos intestinos23, alterando a flora intestinal normal e provocando alterações no funcionamento do intestino, como a diarreia24, por exemplo. Na pele14 ou mucosas25 podem causar o surgimento de problemas como candidíase26 ou outras infecções11 fúngicas27. Também podem tornar as bactérias mais resistentes e a doença de mais difícil tratamento.

Alguns antibióticos podem interferir com a eficácia do anticoncepcional oral, sendo recomendável que a pessoa utilize outros métodos contraceptivos durante e algum tempo após o tratamento. O médico deve informar à paciente se um determinado antibiótico que ela deva usar interfere ou não com o efeito da pílula anticoncepcional.

O antibiótico deve sempre ser tomado durante o tempo que o médico indicar, mesmo quando existem sinais28 de melhoras passados apenas uns poucos dias de tratamento. Quase sempre eles são condicionados em embalagens que contêm a quantidade que deve ser consumida. Em geral, eles devem ser consumidos por 7 a 10 dias, mesmo que apareçam sinais28 de melhora já com 3 ou 5 dias. Se interrompidos antes do tempo devido, a infecção1 pode retornar, promovida agora por bactérias mais resistentes, aquelas que escaparam à ação inicial do antibiótico.

Os horários das tomadas também devem ser sempre respeitados, para garantir que haja uma taxa mais ou menos constante da substância no sangue29 e para que o tratamento tenha o efeito desejado.

Quais são os efeitos secundários e contraindicações dos antibióticos?

Os principais efeitos colaterais6 dos antibióticos são complicações gastrointestinais, incluindo diarreia24alergias, micoses vaginais e outras, provocadas pela Candida albicans e erupções cutâneas30 ao sol (somente alguns antibióticos). A penicilina causa alergia31 em cerca de 5% dos indivíduos, constituindo uma contraindicação do seu uso nestas pessoas.

Um cuidado especial deve ser observado com as interações medicamentosas. Usados em conjunto com a pílula anticoncepcional os antibióticos podem diminuir a eficácia delas. Alguns antibióticos são incompatíveis com leite, pois este pode diminuir a boa absorção da medicação. O álcool com frequência pode diminuir a eficácia do antibiótico. Alguns antibióticos não devem ser tomados durante a gravidez32.

Um médico deve sempre ser consultado antes de usar um antibiótico.

Veja também sobre "Pílulas anticoncepcionais", "Diarreia24", "Alergias" e "Candidíase26".

 

ABCMED, 2017. Usos e abusos dos antibióticos. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/1307533/usos+e+abusos+dos+antibioticos.htm>. Acesso em: 22 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Protozoários: Filo do reino animal, de classificação suplantada, que reunia uma grande parcela dos seres unicelulares que possuem organelas celulares envolvidas por membrana. Atualmente, este grupo consiste em muitos e diferentes filos unicelulares incorporados pelo reino protista.
4 Helmintos: Designação comum a diversas espécies de vermes endoparasitas, pertencentes aos filos dos platelmintos, asquelmintos e outros de afinidade taxonômica incerta; verme.
5 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
6 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
7 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
8 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
9 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
10 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
11 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
12 Olhos:
13 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
14 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
15 Cavidade Abdominal: Região do abdome que se estende do DIAFRAGMA torácico até o plano da abertura superior da pelve (passagem pélvica). A cavidade abdominal contém o PERiTÔNIO e as VÍSCERAS abdominais, assim como, o espaço extraperitoneal que inclui o ESPAÇO RETROPERITONEAL.
16 Articulações:
17 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
18 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
19 Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
20 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
21 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
22 Otites: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
23 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
24 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
25 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
26 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
27 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
28 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
29 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
30 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
31 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
32 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.