Gostou do artigo? Compartilhe!

Empatia - como ser uma pessoa mais empática?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é empatia?

Empatia (do grego: em = em + pathos = emoção, sentimento) é a capacidade psicológica para perceber e sentir o que sente outra pessoa numa situação específica vivenciada por ela. Consiste em tentar compreender o que sente outro indivíduo em cada situação.

Como ser uma pessoa empática?

O primeiro requisito para ser uma pessoa empática é deixar de lado a fração egocêntrica de sua personalidade e reconhecer que as ideias e soluções que são boas e que adota para si podem não ser boas para as demais pessoas.

O contrário da empatia é o autoritarismo, porque as pessoas autoritárias acham que todas as outras devem adotar e seguir suas próprias ideias e sentimentos, que elas acham ser as únicas “verdadeiras” e que, por isso, devem impô-las aos demais. Além de que elas possam estar erradas, há de haver compreensão pelos sentimentos e reações das outras pessoas.

Indivíduos empáticos sabem que nem sempre o que pensam e sentem deve também ser pensado e sentido pelos demais. Cada pessoa lucraria muito se examinasse o motivo pelo qual o outro, que é diferente e que diverge de si, pensa e sente nas mais diversas experiências de vida. Tentar compreendê-lo, ao invés de simplesmente rechaçá-lo, seria benéfico para ambos. Empatia não significa concordar com a outra pessoa, mas compreendê-la e respeitá-la em suas ideias e sentimentos.

Quais são as principais manifestações da empatia?

A empatia é uma forma de comunicação afetiva com outra pessoa e é um dos fundamentos da identificação e compreensão psicológica dos outros indivíduos. É conseguir de fato ouvir os outros, compreender os seus problemas e emoções ao modo delas e não a seu próprio modo. Não quer dizer concordar obrigatoriamente com o que o outro sente, mas compreender esse sentimento, inclusive para fazer suas próprias decisões.

Esse contato afetivo com outra pessoa quase sempre gera prazer, alegria e satisfação recíprocas. A empatia também é diferente da simpatia, que é majoritariamente uma resposta intelectual e implica numa certa aceitação. A simpatia motiva uma vontade de estar na presença de outra pessoa e de agradá-la, a empatia é a vontade de conhecer e compreender a outra pessoa. Nesse contexto, a empatia também pode ser considerada o oposto da antipatia, da qual decorrem julgamentos e impulsos aversivos.

Na psicanálise, empatia significa a capacidade do terapeuta de se identificar com o seu paciente e compreendê-lo e não de interpretá-lo segundo as próprias concepções e sentimentos. A empatia geralmente leva as pessoas à tendência de ajudarem umas às outras, nos casos de sentimentos penosos. Assim, a empatia está intimamente ligada ao altruísmo.

Quando uma pessoa consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro, ao se colocar virtualmente no seu lugar, desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais. Essa capacidade de se colocar no lugar do outro ajuda a compreender melhor o comportamento das pessoas em determinadas circunstâncias e a forma como elas tomam as suas decisões.

Leia também sobre "Maneiras de lidar com o estresse" e "Insônia".

 

ABCMED, 2017. Empatia - como ser uma pessoa mais empática?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1309988/empatia-como-ser-uma-pessoa-mais-empatica.htm>. Acesso em: 16 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.