Gostou do artigo? Compartilhe!

Mesotelioma: conceito, causas, características clínicas, diagnóstico, tratamento e evolução

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é mesotelioma?

O mesotelioma é um tipo raro de tumor1 que ocorre nas camadas médias da pleura2, do pericárdio3, do peritônio4 e da túnica vaginal do testículo5. Esse tumor1 pode ser benigno ou maligno, mas o tipo benigno é muito raro e não parece ter a mesma origem do tumor1 maligno. Por isso, quando se fala simplesmente em mesotelioma refere-se ao tumor1 maligno.

Quais são as causas do mesotelioma?

O mesotelioma maligno é uma doença multifatorial, dependente de fatores genéticos e externos como, por exemplo, a exposição ao asbesto (80% dos casos) ou a outras substâncias químicas, com um período de latência6 de 20 a 50 anos entre a exposição e o aparecimento da doença. Esta doença geralmente se desenvolve em pessoas que trabalharam em atividades nas quais foram expostas à poeira e a fibras de asbesto. O ato de lavar as roupas de uma pessoa que tenha trabalhado com asbesto também pode colocar uma pessoa em risco de desenvolver mesotelioma.

Qual é a fisiopatologia7 do mesotelioma?

O mesotélio8 é um revestimento protetor que cobre a maioria dos órgãos internos do corpo, como a pleura2, que é o revestimento dos pulmões9 e da parede torácica10 interna, o peritônio4 que recobre o coração11, o peritônio4 que reveste a cavidade abdominal12 e a túnica vaginal que reveste o escroto13. Desses, a pleura2 é o local de acometimento mais comum (cerca de 75% dos casos), seguidos dos tumores do peritônio4 (cerca de 25%). Os tumores do pericárdio3 e da túnica vaginal são extremamente raros.

Quais são as principais características clínicas do mesotelioma?

O mesotelioma é mais comum em homens que em mulheres. Os sintomas14 do mesotelioma dependem de sua localização e intensidade. O mesotelioma pleural, por exemplo, a forma mais frequente da doença, inclui como sinais15 e sintomas14 a falta de ar, derrame16 pleural (fluido entre o pulmão17 e a parede torácica10) ou dor na parede torácica10 e perda de peso. Os pacientes acometidos pelo mesotelioma peritoneal apresentam, primeiramente, dores abdominais e perda repentina de peso. De um modo geral, os sintomas14 do mesotelioma maligno podem incluir tosse persistente, náuseas18 e vômitos19 frequentes, febre20 constante abaixo de 38°C, alteração do trânsito intestinal e emagrecimento repentino, sem razão aparente. Esses sintomas14 do mesotelioma maligno são mais frequentes na fase mais avançada da doença, podendo variar de acordo com os órgãos afetados.

Como o médico diagnostica o mesotelioma?

O diagnóstico21 do mesotelioma pleural, a forma mais comum da doença, pode ser suspeitado pelos seus sintomas14, por uma radiografia e uma tomografia computadorizada22, que são capazes de mostrar a localização e a dimensão do tumor1, assim como possíveis metástases23. O diagnóstico21 pode ser confirmado através de uma biópsia24 do tecido25 do revestimento orgânico feita por meio de uma toracoscopia (inserção no tórax26 de um tubo com uma câmera). Ela também permite a introdução de substâncias para obliterar o espaço pleural, o que previne que mais fluido se acumule, pressionando o pulmão17. Através da punção é possível coletar o líquido presente na pleura2 para a realização de um exame laboratorial. Na maior parte dos casos, o diagnóstico21 desta enfermidade só é feito após a ocorrência de metástases23, impossibilitando, deste modo, a remoção cirúrgica do tumor1.

Como o médico trata o mesotelioma?

O tratamento do mesotelioma maligno normalmente é feito com cirurgia para remover o máximo de tecido25 afetado, complementada com quimioterapia27 e radioterapia28 para eliminar as células29 tumorais restantes.

Como evolui o mesotelioma?

Normalmente, o mesotelioma maligno cresce numa das membranas de revestimento, mas rapidamente pode afetar outros órgãos, provocando câncer30 nos pulmões9 ou estômago31, por exemplo. Apesar do tratamento com quimioterápicos, radioterapia28 e, às vezes, cirurgia, a doença possui um mau prognóstico32. A maioria dos mesoteliomas é diagnosticada em fases muito avançadas, dificultando o tratamento e diminuindo as chances de sobrevivência33 para menos de doze meses.

ABCMED, 2016. Mesotelioma: conceito, causas, características clínicas, diagnóstico, tratamento e evolução. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/815754/mesotelioma-conceito-causas-caracteristicas-clinicas-diagnostico-tratamento-e-evolucao.htm>. Acesso em: 31 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
2 Pleura: Membrana serosa que recobre internamente a parede torácica e a superfície pulmonar.
3 Pericárdio: Saco fibroseroso cônico envolvendo o CORAÇÃO e as raízes dos grandes vasos (AORTA, VEIA CAVA, ARTÉRIA PULMONAR). O pericárdio consiste em dois sacos, o pericárdio fibroso externo e o pericárdio seroso externo. O pericárdio seroso consiste em uma camada parietal externa e uma visceral interna próxima ao coração (epicárdio), com uma cavidade pericárdica no meio. Sinônimos: Epicárdio
4 Peritônio: Membrana serosa que recobre as paredes do abdome e a superfície dos órgãos digestivos.
5 Testículo: A gônada masculina contendo duas partes funcionais Sinônimos: Testículos
6 Latência: 1. Estado, caráter daquilo que se acha latente, oculto. 2. Por extensão de sentido, é o período durante o qual algo se elabora, antes de assumir existência efetiva. 3. Em medicina, é o intervalo entre o começo de um estímulo e o início de uma reação associada a este estímulo; tempo de reação. 4. Em psicanálise, é o período (dos quatro ou cinco anos até o início da adolescência) durante o qual o interesse sexual é sublimado; período de latência.
7 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
8 Mesotélio: Uma ou mais camadas de CÉLULAS EPITELIAIS, sustentadas pela lâmina basal, que recobrem as superfícies internas e externas do corpo.
9 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
10 Parede torácica: A parede torácica abrange a caixa torácica óssea, os músculos da caixa torácica e o diafragma. Ela abriga órgãos como o coração, pulmões e á atravessada pelo esôfago no seu trajeto em direção ao abdome.
11 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
12 Cavidade Abdominal: Região do abdome que se estende do DIAFRAGMA torácico até o plano da abertura superior da pelve (passagem pélvica). A cavidade abdominal contém o PERiTÔNIO e as VÍSCERAS abdominais, assim como, o espaço extraperitoneal que inclui o ESPAÇO RETROPERITONEAL.
13 Escroto:
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
16 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
17 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
18 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
19 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
20 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
21 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
22 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
23 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
24 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
25 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
26 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
27 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
28 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
29 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
30 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
31 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
32 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
33 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cancerologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.