Gostou do artigo? Compartilhe!

O que devemos saber sobre o prolapso retal?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é prolapso1 retal?

Prolapso1 retal é a saída parcial ou completa da parte terminal do reto2 para fora do ânus3.

Qual é a causa do prolapso1 retal?

O prolapso1 retal pode originar-se de diversos fatores, que podem se somar, como esforço para evacuar, partos vaginais repetidos, enfraquecimento dos músculos4 de sustentação do reto2 e problemas neurológicos. O prolapso1 retal ocorre principalmente em crianças com menos de seis anos de idade, porque nelas a parede do reto2 ainda é frouxa e com pouca fixação aos tecidos mais profundos, e nas pessoas idosas, em que as estruturas anatômicas de sustentação do reto2 estão enfraquecidas. Entre os idosos é mais frequente em mulheres com mais de 60 anos, mas pode ocorrer fora dessa faixa, devido a um esforço intenso para evacuar ou à prisão de ventre. Nas crianças, pode estar associado a certas verminoses e à diarreia5 e nos adultos muitas vezes acontece juntamente com a prisão de ventre.

Quais são os principais sinais6 e sintomas7 do prolapso1 retal?

O sinal8 mais evidente é a presença de uma massa avermelhada que faz saliência na abertura do ânus3, especialmente após uma evacuação, e que é o revestimento interno do reto2. Essa massa pode sangrar e pode se tornar desconfortável e dolorosa. Com frequência existem condições associadas como incontinência fecal9 ou obstipação10. Pode ocorrer também dor abdominal, sensação de uma massa no ânus3, ardência, sensação de peso no ânus3, dificuldade para defecar e sensação de evacuação incompleta.

Como o médico diagnostica o prolapso1 retal?

O médico diagnostica o prolapso1 retal por meio do exame físico. Testes de laboratório e exames de imagem podem determinar as causas subjacentes. Um diagnóstico11 diferencial deve ser feito entre prolapso1 retal e hemorroidas12, porque embora sejam afecções13 distintas, os sintomas7 são semelhantes.

Como o médico trata o prolapso1 retal?

O tratamento do prolapso1 retal é basicamente cirúrgico. A cirurgia pode ser feita por via abdominal, com fixação do reto2, ou por via anal, com a retirada da parte do reto2 que tenha sofrido extrusão14. O paciente pode procurar empurrar a parte do reto2 que tenha vindo para fora para dentro do ânus3, com movimentos delicados, usando para isso um pano limpo e umedecido. Os pais podem fazer a mesma coisa com os filhos pequenos, devendo previamente aprender a técnica de fazê-lo com algum profissional de saúde15. Em crianças, costuma acontecer que a solução da causa subjacente resolva o problema. A pessoa afetada deve colocar-se em posição que favoreça esse processo, deitada de lado e com os joelhos junto ao peito16. De resto, o prolapso1 retal pode ser paliativamente tratado com medicações, de modo a aliviar os sintomas7, como o sangramento ou a dor, se houver, ou os fatores agravantes, como as constipações intestinais ou as diarreias, por exemplo.

Como evolui o prolapso1 retal?

Com o tratamento adequado, a maior parte dos pacientes experimenta uma melhora importante dos sintomas7. O sucesso do tratamento dependerá de fatores como o estado de saúde15 do paciente e o grau de enfraquecimento dos músculos4 da região. O prolapso1 retal pode ser radicalmente curado quando se recorre ao tratamento cirúrgico, que consiste em unir o reto2 ao osso sacro17 ou extrair a parte do reto2 que tenha sido externada.

Como prevenir o prolapso1 retal?

A solução das causas subjacentes é a melhor maneira de prevenir as recidivas18 do problema.

ABCMED, 2014. O que devemos saber sobre o prolapso retal?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/705397/o-que-devemos-saber-sobre-o-prolapso-retal.htm>. Acesso em: 21 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Prolapso: Deslocamento de um órgão ou parte dele de sua localização ou aspecto normal. P.ex. prolapso da válvula mitral, prolapso uterino, etc.
2 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
3 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
4 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
5 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
9 Incontinência fecal: É a perda do controle das evacuações. Pode ocorrer por um curto período durante episódios de diarréia ou quando fezes endurecidas ficam alojadas no reto (impactação fecal). Os indivíduos com lesões anais ou medulares, prolapso retal (protrusão do revestimento do reto através do ânus), demência, lesão neurológica causada pelo diabetes, tumores do ânus ou lesões pélvicas ocorridas durante o parto podem desenvolver uma incontinência fecal persistente.
10 Obstipação: Prisão de ventre ou constipação rebelde.
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
12 Hemorróidas: Dilatações anormais das veias superficiais que se encontram na última porção do intestino grosso, reto e região perianal. Pode produzir sangramento junto com a defecação e dor.
13 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
14 Extrusão: 1. Saída forçada; expulsão. 2. Em tecnologia, é a passada forçada, através de um orifício, de uma porção de metal ou de plástico, para que adquira forma alongada ou filamentosa.
15 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
16 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
17 Sacro:
18 Recidivas: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Coloproctologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.