Gostou do artigo? Compartilhe!

O que devemos saber sobre a febre chikungunya?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a febre1 chikungunya?

A febre1 chikungunya é uma doença virótica muito parecida com a dengue2. Em Angola, a doença é popularmente conhecida por catolotolo. O vírus3 que a causa foi isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela afeta mais gravemente as articulações4, causando dificuldades para andar, obrigando os pacientes a se curvarem, daí o nome da doença, já que no dialeto Makonde da Tanzânia chikungunya significa “aqueles que se dobram”. Embora predomine na África subsaariana e tenha se espalhado primeiramente para países do sudeste asiático e nas ilhas do Pacífico, a doença tem grandes chances de chegar como epidemia ao Brasil, onde existe em abundância o mosquito transmissor do vírus3. Casos isolados da doença já foram registrados, desde 2010.

Quais são as causas da febre1 chikungunya?

A febre1 chikungunya é causada pelo vírus3 CHIKV, transmitido pela picada da fêmea infectada do mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue2, e não há contágio5 de uma pessoa para outra. Ela também pode ser transmitida pela fêmea do mosquito Aedes albopictus. A possibilidade da transmissão in útero6, da mãe para o feto7, é discutível. A fêmea do mosquito põe seus ovos em recipientes com água, meio em que as larvas vivem por uma semana, após o que se transformam em mosquitos adultos que picam pessoas, pois se alimentam de sangue8. A transmissão da doença raramente ocorre em temperaturas abaixo de 16°C e por isso ela é própria de áreas tropicais e subtropicais, sobretudo no verão.

Quais são os principais sinais9 e sintomas10 da febre1 chikungunya?

Os sintomas10 da febre1 chikungunya, sobretudo os iniciais, são característicos de qualquer virose e, portanto, inespecíficos. O período que decorre entre a picada do mosquito e o aparecimento dos sintomas10 varia de dois a doze dias, sendo mais comum que a doença se manifeste entre cinco a seis dias. Os sintomas10 da febre1 chikungunya são muito assemelhados aos da dengue2, porém com maior comprometimento das articulações4: febre1 alta, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça11, apatia12, cansaço e fortes dores nas articulações4 que podem até impedir a realização dos movimentos, inchaço13, vermelhidão e calor local. As dores articulares podem persistir por meses após o final da febre1. Podem ocorrer também erupções cutâneas14 e dores musculares (mialgias15).

Como o médico diagnostica a febre1 chikungunya?

O diagnóstico16 da febre1 chikungunya é feito a partir dos sintomas10 e por meio de análises clínicas e exame sorológico, os quais buscam a presença de anticorpos17 específicos, o que indica que o vírus3 está presente e que o organismo está tentando combatê-lo. Uma importante diferenciação da febre1 chikungunya deve ser feita com a dengue2, que tem um prognóstico18 muito pior, incluindo a morte, o que só muito raramente acontece na febre1 chikungunya. Nela praticamente não ocorrem hemorragias19 graves, o início da doença é mais agudo20 e a febre1 dura menos tempo. Buscando estabelecer a diferença entre febre1 chikungunya e dengue2, outros exames podem ser feitos, como testes de coagulação21, dosagens de eletrólitos22, hematócrito23, dosagens de enzimas do fígado24, contagem de plaquetas25, teste do torniquete, radiografia do tórax26, etc.

Como o médico trata a febre1 chikungunya?

Não há tratamento específico para a febre1 chikungunya, mas na maioria das vezes a doença é auto-limitada. Durante a vigência da infecção27 devem ser adotadas medidas de suporte e medicações sintomáticas e tomadas medidas que previnam as complicações. No caso da febre1 e das dores deve-se evitar o ácido acetilsalicílico, por sua ação anticoagulante28.

Como evolui a febre1 chikungunya?

O mosquito Aedes aegypti voa baixo e por isso comumente ele pica abaixo dos joelhos.

Normalmente o indivíduo não percebe a picada, que não dói, nem coça.

Como se previne a febre1 chikungunya?

  • Evite o acúmulo de água parada em piscinas, pneus, vasos, calhas de chuva, caixas abandonadas, etc.
  • Coloque telas nas janelas para impedir a entrada dos mosquitos adultos.
  • Coloque peixes nos lagos e açudes caseiros porque eles são os grandes predadores das formas aquáticas do mosquito transmissor.
  • Use repelentes de insetos em locais com muitos mosquitos.
  • Alimentos que alteram o odor do suor, entre os quais suplementos de vitamina29 B e alho, parecem ser aversivos para os mosquitos.
  • Durante o estado febril os pacientes devem ser mantidos sob mosquiteiros, de modo que nenhum mosquito possa picá-lo, ficando também infectado.

Quais são as complicações da febre1 chikungunya?

A febre1 chikungunya, apesar de pouco letal, é muito limitante. Os sintomas10 comuns dela são graves e muitas vezes debilitantes, sendo as mãos30 e os pés os locais mais afetados.

Alguns sintomas10 da febre1 chikungunya, tais como as dores articulares, podem se tornar crônicos e persistirem por vários meses. 

ABCMED, 2014. O que devemos saber sobre a febre chikungunya?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/561022/o-que-devemos-saber-sobre-a-febre-chikungunya.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
2 Dengue: Infecção viral aguda transmitida para o ser humano através da picada do mosquito Aedes aegypti, freqüente em regiões de clima quente. Caracteriza-se por apresentar febre, cefaléia, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica. Existe uma variedade de dengue que é potencialmente fatal, chamada dengue hemorrágica.
3 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
4 Articulações:
5 Contágio: 1. Em infectologia, é a transmissão de doença de uma pessoa a outra, por contato direto ou indireto. 2. Na história da medicina, aplica-se a qualquer doença contagiosa. 3. No sentido figurado, é a transmissão de características negativas, de vícios, etc. ou então a reprodução involuntária de reação alheia.
6 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
7 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
8 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
9 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Cabeça:
12 Apatia: 1. Em filosofia, para os céticos e os estoicos, é um estado de insensibilidade emocional ou esmaecimento de todos os sentimentos, alcançado mediante o alargamento da compreensão filosófica. 2. Estado de alma não suscetível de comoção ou interesse; insensibilidade, indiferença. 3. Em psicopatologia, é o estado caracterizado por indiferença, ausência de sentimentos, falta de atividade e de interesse. 4. Por extensão de sentido, é a falta de energia (física e moral), falta de ânimo; abatimento, indolência, moleza.
13 Inchaço: Inchação, edema.
14 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
15 Mialgias: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
16 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
17 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
18 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
19 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
20 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
21 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
22 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
23 Hematócrito: Exame de laboratório que expressa a concentração de glóbulos vermelhos no sangue.
24 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
25 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
26 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
27 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
28 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
29 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
30 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.

Veja também

Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.