Gostou do artigo? Compartilhe!

Antraz: definição, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento, evolução, prevenção e curiosidades

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o antraz?

O antraz ou carbúnculo é uma doença infecciosa aguda espalhada por todo o mundo, embora seja mais típica das regiões agrícolas da Ásia, África e América Latina. Além dos seres humanos, o antraz também pode afetar herbívoros, selvagens ou domésticos. Essas infecções1 são raras, mas às vezes ocorrem em animais domésticos ou selvagens como vacas, cabras, ovelhas, camelos, antílopes etc. No Brasil não existem registros de casos da doença em humanos. O nome da doença vem do grego, anthrax, que quer dizer carvão e faz referência à mancha negra que a doença forma na pele2.

Quais são as causas do antraz?

O antraz é uma infecção3 provocada pela bactéria4 Bacillus antracis. Os casos humanos devem-se normalmente à exposição à carne ou pele2 de animais infectados. As vítimas geralmente têm profissões relacionadas com a manipulação de animais ou de produtos derivados. O bacilo5 causador da infecção3 por antraz não é contagioso, sendo pouco provável que se espalhe de uma pessoa para outra. A infecção3 quase sempre se dá por exposição a esporos6, os quais podem entrar no corpo humano7 através dos intestinos8, pulmões9 ou pele2.

Quais são os principais sinais10 e sintomas11 do antraz?

A infecção3 pulmonar do antraz a princípio provoca sintomas11 semelhantes a uma gripe12, seguidos de problemas respiratórios graves, por vezes fatais. A infecção3 por inalação é a mais mortal delas, com uma taxa de letalidade de aproximadamente 100%. Ela provoca pneumonia13, febre14 alta e dificuldades respiratórias.

A infecção3 gastrointestinal causa sérias dificuldades gastrointestinais, febre14, vômitos15 sanguíneos e diarreia16. Se não for tratada leva à morte em cerca de 25% a 60% dos casos.

A infecção3 cutânea17, que corresponde a 95% dos casos, causa a morte em 20% deles e se manifesta como uma infecção3 com pus18, semelhante ao furúnculo19, formando posteriormente uma mancha negra irritante, mas indolor.

Como o médico diagnostica o antraz?

O diagnóstico20 é feito por meio dos sinais10 e sintomas11 que a pessoa apresenta, por exames de sangue21 e pela análise de secreções respiratórias ou da pele2.

Como o médico trata o antraz?

O tratamento para as infecções1 pelo antraz inclui doses elevadas de antibióticos. Cada uma das formas da doença responde melhor a determinados antibióticos. Quanto mais cedo for tratada, menores as chances de haver complicações e óbito22.

Como evolui o antraz?

Em sua forma mais virulenta o antraz é altamente letal.

A infecção3 cutânea17 é a menos mortal de todas. O tratamento adequado e em tempo hábil reduz o risco de morte do paciente.

Como prevenir o antraz?

A melhor forma de prevenir a doença é evitar contato com animais que possam estar doentes e com suas carcaças.

A vacina23 contra o antraz não contém a bactéria4 viva e consegue prevenir a doença em 93% dos casos, mas é de uso quase restrito ao exército americano em virtude de suas complicações e efeitos colaterais24.

Curiosidades sobre a infecção3 por antraz

Alguns historiadores acreditam que uma das pragas que atingiram o Egito, descritas no Velho Testamento, tenha sido o antraz.

Devido a sua alta virulência25, o Bacillus antracis tem sido usado em ataques bélicos e em atentados e por isso alguns exércitos vacinam preventivamente seus soldados antes de partirem para guerras nas quais um ataque biológico possa ocorrer.

ABCMED, 2014. Antraz: definição, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento, evolução, prevenção e curiosidades. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/526769/antraz-definicao-causas-sintomas-diagnostico-tratamento-evolucao-prevencao-e-curiosidades.htm>. Acesso em: 21 abr. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
5 Bacilo: 1. Bactéria em forma de bastonete. 2. Designação comum às bactérias do gênero Bacillus, cujas espécies são saprófitas ou patogênicas para os seres humanos e para os mamíferos.
6 Esporos: Estruturas unicelulares e uninucleares, resistentes ao calor e à dessecação, capazes de germinar em determinadas condições e reproduzirem assexuadamente o indivíduo que as originou.
7 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
8 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
9 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
13 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
14 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
15 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
16 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
17 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
18 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
19 Furúnculo: Infecção de folículo piloso da pele, caracterizada pelo acúmulo de pus no interior do mesmo com abaulamento da superfície cutânea adjacente e eritema. Após a sua maturação pode haver drenagem espontânea, eliminando material necrótico-purulento. A drenagem pode também ser realizada através de incisão cirúrgica.
20 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
21 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
22 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
23 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
24 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
25 Virulência: 1. Qualidade ou estado do que é ou está virulento. 2. Capacidade de um vírus ou bactéria de se multiplicar dentro de um organismo, provocando doença. 3. No sentido figurado, caráter daquilo ou daquele que está carregado de violência ou de ímpeto violento.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

26/12/2015 - Comentário feito por MARISTELA
MUITA BOA A INFORMAÇÃO SOBRE O AN...
MUITA BOA A INFORMAÇÃO SOBRE O ANTRAZ. PERCEBO QUE QUANDO CAI MINHA IMUNIDADE, ELES APARECEM, DEPOIS DE SUMIREM COM ANTIBIÓTICOS. ANTRAZ, NÃO TEM UMA CURA DEFINITIVA ??? OUVI FALAR DE UMA PLANTA MARÍTIMA QUE CONTÉM UMA SUBSTÂNCIA QUE MATA. É VERDADE ?? ABRAÇOS

  • Entrar
  • Receber conteúdos