Gostou do artigo? Compartilhe!

Balantidíase: o que é? Quais as causas? E os sintomas? Como são feitos o diagnóstico e o tratamento? Tem jeito de evitar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é balantidíase?

A balantidíase é uma zoonose1 que também acomete o ser humano. O homem é muito resistente a essa infecção2 e a maioria das pessoas infectadas permanecem assintomáticas. Por isso, a manifestação da doença é rara, embora os portadores da infecção2 possam ser em número muito maior.

Quais são as causas da balantidíase?

A balantidíase é causada por um protozoário3 intestinal denominado Balantidium coli, cujo hospedeiro natural é o porco, sendo o homem um hospedeiro acidental. Esse germe4 tem a forma oval, vive especialmente nas regiões cecal e sigmoidea do intestino grosso5 e desloca-se graças ao movimento de cílios6. A forma cística raramente está presente nas fezes humanas, mas pode ser encontrada na evacuação de porcos parasitados. A balantidíase ocorre pela ingestão de líquidos ou alimentos contaminados com cistos do protozoário3. Geralmente o homem se contamina quando ingere carne de porco mal cozida, mas eventualmente pode ocorrer contaminação por meio da água ingerida pelo homem por fezes de porcos infectados. Por isso, indivíduos que têm contato com porcos (criadores, trabalhadores em matadouros, açougueiros, etc.) constituem o grupo de maior risco.

Quais são os principais sinais7 e sintomas8 da balantidíase?

O Balantidium coli pode viver no intestino grosso5 humano sem causar dano, mas algumas vezes, as formas trofozoíticas penetram na mucosa9 do intestino grosso5, causando pequenas úlceras10 parecidas com as da amebíase. Quase sempre há pouca ou nenhuma manifestação clínica ou queixas por parte do paciente. Em alguns casos, contudo, a sintomatologia pode ser de intensa diarreia11; enterorragia (hemorragia12 intestinal); dores abdominais; cefaleia13; astenia14; tenesmo15 e meteorismo16. Em casos (raríssimos) pode levar ao coma17 e à morte.

Como o médico diagnostica a balantidíase?

O diagnóstico18 da balantidíase pode ser obtido através de uma história clínica bem feita, de um cuidadoso exame físico, de exames laboratoriais, exame parasitológico de fezes e ultrassonografia19. Num exame microscópico20 de tecidos intestinais pode-se identificar o parasita21. Um diagnóstico18 diferencial deve ser feito com a amebíase.

Como o médico trata a balantidíase?

O objetivo do tratamento é a erradicação da parasitose. Existe tratamento específico para a balantidíase (metronidazol). Vários antibióticos podem ser usados, com excelentes resultados (aureomicina, terramicina, bacitracina). A internação em hospital só é recomendada nas formas graves da doença.

Como prevenir a balantidíase?

  • Evitar que excrementos de suínos contaminem os abastecimentos de água.
  • Amontoar as fezes de suínos para que a fermentação assim produzida mate os cistos nelas presentes.
  • Não utilizar as fezes de porco como adubo.
  • Tratar os indivíduos doentes ou portadores da doença.
  • Lavar bem os vegetais antes de consumi-los.
ABCMED, 2013. Balantidíase: o que é? Quais as causas? E os sintomas? Como são feitos o diagnóstico e o tratamento? Tem jeito de evitar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/368649/balantidiase-o-que-e-quais-as-causas-e-os-sintomas-como-sao-feitos-o-diagnostico-e-o-tratamento-tem-jeito-de-evitar.htm>. Acesso em: 14 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Zoonose: 1. Doença que se manifesta sobretudo em animais. 2. Doença que pode ser transmitida aos seres humanos pelos animais, como, por exemplo, a raiva e a toxoplasmose. Certas zoonoses podem ser transmitidas ao animal pelo homem.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Protozoário: Filo do reino animal, de classificação suplantada, que reunia uma grande parcela dos seres unicelulares que possuem organelas celulares envolvidas por membrana. Atualmente, este grupo consiste em muitos e diferentes filos unicelulares incorporados pelo reino protista.
4 Germe: Organismo microscópico (vírus, bactérias, parasitas unicelulares, fungos) capaz de produzir doenças no homem e outros animais.
5 Intestino grosso: O intestino grosso é dividido em 4 partes principais: ceco (cecum), cólon (ascendente, transverso, descendente e sigmoide), reto e ânus. Ele tem um papel importante na absorção da água (o que determina a consistência do bolo fecal), de alguns nutrientes e certas vitaminas. Mede cerca de 1,5 m de comprimento.
6 Cílios: Populações de processos móveis e delgados que são encontrados revestindo a superfície dos ciliados (CILIÓFOROS) ou a superfície livre das células e que constroem o EPITÉLIO ciliado. Cada cílio nasce de um grânulo básico na camada superficial do CITOPLASMA. O movimento dos cílios propele os ciliados através do líquido no qual vivem. O movimento dos cílios em um epitélio ciliado serve para propelir uma camada superficial de muco ou fluido.
7 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
10 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
11 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
12 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
13 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
14 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
15 Tenesmo: Sensação constante de necessidade de esvaziar os intestinos, acompanhada de dor e esforço involuntário.
16 Meteorismo: Acúmulo de gás no tubo digestivo. Pode produzir distensão abdominal, dor persistente, flatulência, etc.
17 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
18 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
19 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
20 Microscópico: 1. Relativo à microscopia ou a microscópio. 2. Que se realiza com o auxílio do microscópio. 3. Visível somente por meio do microscópio. 4. Muito pequeno, minúsculo.
21 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

16/05/2014 - Comentário feito por thaina
ajudou muito no meu trabalho!thanks fiquei com ...
ajudou muito no meu trabalho!thanks fiquei com 100
obrigada

  • Entrar
  • Assinar