Atalho: 6Y6YZVU
Gostou do artigo? Compartilhe!

Você sabe o que é braquialgia e como ela pode ser evitada?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é braquialgia1?

A braquialgia1 é uma síndrome2 dolorosa em um ou em ambos os membros superiores (braços). Ela quase sempre parte da coluna cervical3 e envolve também o pescoço4, os ombros e a parte superior das costas5. É também chamada de cervico-braquialgia1.

Quais são as causas da braquialgia1?

A causa mais comum da braquialgia1 é a herniação6 de um dos discos intervertebrais da coluna cervical3, geralmente entre a 5ª., 6ª., 7ª. ou 8ª. vértebras cervicais7 ou alterações articulares entre elas. Em idosos, é frequente haver uma diminuição dos espaços intervertebrais por degeneração8 dos discos entre as vértebras ou uma artrite9 de coluna e a presença de osteófitos10 (formações ósseas que se desenvolvem na coluna vertebral11, popularmente chamadas “bicos de papagaio”). Em geral as causas da braquialgia1 são benignas, mas podem haver raros tumores ósseos da coluna cervical3 que comprimem as raízes nervosas12, ocasionando dor.

Quais são os principais sinais13 e sintomas14 da braquialgia1?

A dor intensa é mais comum em um dos braços, mas pode mais raramente afetar ambos os braços. Na dependência da natureza e extensão do problema, ela pode fazer-se acompanhar de dormência15, fadiga16 muscular, flacidez, fasciculações17, diminuição da sensibilidade tátil, perda de força e dos reflexos, falta de coordenação muscular, dores nas mãos18 e, em alguns casos, dores na região da nuca e parte superior das costas5. Nos casos mais graves e duradouros, pode ocorrer atrofia19 muscular, com diminuição da força. Na maior parte das vezes, a dor irradia-se apenas para um membro, a não ser que haja um comprometimento mais extenso da coluna cervical3. O início da dor pode ser abrupto, ou lento e progressivo, mas alcança seu máximo em horas ou dias e pode surgir após um movimento brusco ou de forma inesperada. Quando os sintomas14 são muito intensos eles podem se tornar limitantes mesmo para as tarefas cotidianas simples, como comer ou escrever, por exemplo.

Como o médico diagnostica a braquialgia1?

O diagnóstico20 das braquialgias é feito pelo histórico clínico do paciente, pelo exame físico e também pelos exames de imagens da coluna cervical3, como as propiciadas pela radiografia, tomografia computadorizada21 ou ressonância magnética22.

Como o médico trata a braquialgia1?

O tratamento das braquialgias depende de suas causas e deve seguir o tratamento delas, mas o tratamento sintomático23 deve envolver repouso, medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos24, fisioterapia25 e, eventualmente, cirurgia. O repouso não tem necessariamente que ser na cama, que muitas vezes piora as dores.

Como evolui a braquialgia1?

Em geral as braquialgias evoluem para uma solução completa, quando tratadas adequadamente, mas guardam uma grande possibilidade de recidivar.

Como prevenir a braquialgia1?

  • Procure sempre manter uma postura correta.
  • Durante tarefas como trabalhar num computador, por exemplo, procure manter a cabeça26 erguida.
  • Procure manter seus ombros sempre relaxados.
  • Procure não dormir com travesseiros muito altos ou muito baixos.
  • Se tiver que executar tarefas predisponentes à braquialgia1, procure fazer uma fisioterapia25 preventiva.
ABCMED, 2013. Você sabe o que é braquialgia e como ela pode ser evitada?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/350119/voce-sabe-o-que-e-braquialgia-e-como-ela-pode-ser-evitada.htm>. Acesso em: 16 jun. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Braquialgia: Nevralgia dos nervos do braço. Nevralgias são sintomas dolorosos associados a lesões de nervos periféricos.
2 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
3 Coluna cervical: A coluna cervical localiza-se no pescoço entre a parte inferior do crânio e a superior do tronco no nível dos ombros. Ela é composta por sete vértebras cervicais unidas por ligamentos, músculos e por elementos que preenchem o espaço entre elas, os discos intervertebrais. No interior da coluna cervical está o canal vertebral por onde passa a medula espinhal, que comanda todos os nossos movimentos e sensações. Nesta região, a medula emite oito raízes nervosas que se ramificam para a cabeça, pescoço, membros superiores, ombros e parte anterossuperior do tórax.
4 Pescoço:
5 Costas:
6 Herniação: Formação de uma protrusão, de uma hérnia. Também conhecida como herniamento.
7 Vértebras Cervicais:
8 Degeneração: 1. Ato ou efeito de degenerar (-se). 2. Perda ou alteração (no ser vivo) das qualidades de sua espécie; abastardamento. 3. Mudança para um estado pior; decaimento, declínio. 4. No sentido figurado, é o estado de depravação. 5. Degenerescência.
9 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
10 Osteófitos: Desenvolvimentos patológicos de tecido ósseo em torno de uma articulação, cuja cartilagem está alterada pela artrose.
11 Coluna vertebral:
12 Raízes nervosas:
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
16 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
17 Fasciculações: 1. Implantações, formações de fascículos. 2. Leves contrações localizadas de fascículos musculares inervados por um único filamento nervoso motor, visíveis como breves tremores na superfície da pele.
18 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
19 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
20 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
21 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
22 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
23 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
24 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
25 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
26 Cabeça:
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia e Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.