Atalho: 6QXUK2T
Gostou do artigo? Compartilhe!

Você come peixe cru? Você sabe o que é difilobotríase ou tênia do peixe?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a difilobotríase (tênia do peixe)?

Difilobotríase ou tênia do peixe é uma doença causada por um parasita1 que se instala no intestino humano. Ainda é uma doença pouco conhecida no Brasil, mais frequente no estado de São Paulo. Com a recente tendência de aumento no consumo de preparações orientais com peixes crus, ela deve se tornar cada vez mais comum.

O homem é o hospedeiro definitivo do parasita1 causador da doença, o Diphyllobothrium, mas ele pode também ser encontrado em outros mamíferos. Ele é um dos maiores parasitas que podem habitar o homem, podendo atingir cerca de dez metros de comprimento. Os indivíduos infectados, mesmo sendo assintomáticos, eliminam ovos e podem, por isso, contaminar novos peixes de rios e lagos, facilitando a disseminação da doença.

Quais são as causas da difilobotríase (tênia do peixe)?

A difilobotríase (tênia do peixe) é causada pelo Diphyllobothrium latum, um cestódeo (classe de verme da espécie dos platelmintos2, de forma achatada) conhecido como "tênia do peixe", pois é transmitido ao homem pela ingestão de peixe cru ou mal cozido.

Quais são os sinais3 e sintomas4 da difilobotríase (tênia do peixe)?

A maioria dos casos (cerca de 80%) de difilobotríase (tênia do peixe) é assintomática. Quando há sintomas4, aparecem principalmente:

  • Dor e desconforto abdominal.
  • Flatulência.
  • Náusea5 ou vômito6.
  • Diarreia7 intermitente8.
  • Emagrecimento.
  • Às vezes, anemia9 por carência de vitamina10 B12.

Em casos raros a doença pode causar obstrução intestinal, obstrução do ducto biliar ou anemia9 grave no indivíduo parasitado.

Como diagnosticar a difilobotríase (tênia do peixe)?

A infestação11 é fácil de ser diagnosticada através do exame parasitológico de fezes, que pode detectar ao microscópio os ovos do parasita1. Pessoas que têm o hábito de consumir peixes crus devem fazer periodicamente esse exame, que deve ser feito em cerca de seis semanas após a última ingestão de peixe cru. O diagnóstico12 também pode ser feito pelo reconhecimento de eventuais fragmentos13 da tênia nas fezes da pessoa suspeita.

Como tratar a difilobotríase (tênia do peixe)?

Hoje em dia o tratamento preferencial para a difilobotríase (tênia do peixe) é a injeção14 no duodeno15 de ácido diatrizoico, o que faz com que o verme se solte e seja eliminado por inteiro. O tratamento medicamentoso deve ser feito com o praziquantel, o remédio mais eficaz para eliminar esse tipo de parasita1. Ele não garante, no entanto, a eliminação da cabeça16 do germe17, única garantia de cura definitiva. Apesar de ser seguro, há restrições para o seu uso em alguns indivíduos. Assim, o tratamento deve ser prescrito e acompanhado pelo médico.

Como prevenir a difilobotríase (tênia do peixe)?

  • Ingerir somente peixe bem cozido ou que tenha sido congelado.
  • Manter um sistema apropriado de esgoto pode diminuir a infecção18 de peixes em rios e lagos e, consequentemente, em humanos.

Como evolui a difilobotríase (tênia do peixe)?

Uma dose única da medicação é bastante para erradicar a infecção18. Depois de erradicada, a doença não apresenta complicações tardias.

ABCMED, 2012. Você come peixe cru? Você sabe o que é difilobotríase ou tênia do peixe?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/329560/voce-come-peixe-cru-voce-sabe-o-que-e-difilobotriase-ou-tenia-do-peixe.htm>. Acesso em: 24 nov. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
2 Platelmintos: Filo de animais bilaterais que reúne vermes chatos parasitas ou de vida livre, distribuídos em quatro classes, desprovidos de sistema circulatório, que se caracterizam pela locomoção através de cílios e presença de protonefrídios.
3 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
6 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
7 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
8 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
9 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
10 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
11 Infestação: Infecção produzida por parasitas. Exemplos de infestações são sarna (escabiose), pediculose (piolhos), infecção por parasitas intestinais, etc.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
14 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
15 Duodeno: Parte inicial do intestino delgado que se estende do piloro até o jejuno.
16 Cabeça:
17 Germe: Organismo microscópico (vírus, bactérias, parasitas unicelulares, fungos) capaz de produzir doenças no homem e outros animais.
18 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.