Atalho: 6MX56Z7
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que saber sobre leishmaniose cutânea e leishmaniose visceral?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é leishmaniose?

A leishmaniose é uma doença parasitária causada por um protozoário1 do gênero leishmania. Existem mais de 30 espécies patogênicas da leishmaniose e a doença afeta principalmente a pele2 e as vísceras.

A leishmaniose visceral (calazar) e a leishmaniose tegumentar (úlcera3 de Bauru) são as duas formas mais comuns da doença. A forma visceral afeta importantes órgãos internos como fígado4, medula óssea5 e baço6. A forma cutânea7 causa feridas na pele2.

Quais são as causas da leishmaniose?

A leishmaniose é causada por parasitas do gênero leishmania, que normalmente habitam o interior das células fagocitárias8, sobretudo os macrófagos9. Esses parasitas são transmitidos pela picada de mosquitos fêmeas do gênero Lutzomyia e Phlebotomus e pode acometer tanto o homem quanto animais canídeos (cão doméstico, raposa etc) e roedores.

Quais são os sinais10 e os sintomas11 da leishmaniose?

A leishmaniose visceral é a forma mais severa da doença. O parasita12 leishmania ataca órgãos vitais como fígado4, baço6 e medula óssea5, podendo levar à morte. Os sinais10 e sintomas11 principais são:

  • Febre13
  • Emagrecimento
  • Dor abdominal
  • Anemia14
  • Apatia15
  • Escurecimento da pele2
  • Aumento de volume do fígado4 e do baço6

Esses sintomas11 costumam começar por descamações da pele2 (nariz16, boca17, queixo, orelhas18 e couro cabeludo) e com o aparecimento de pequenos calombos que podem evoluir para lesões19, quando feridos pelas unhas20. O acúmulo de ácido úrico no organismo pode levar a sintomas11 semelhantes aos da gota21.

Na forma cutânea7 da leishmaniose há inicialmente a formação de um calombo e, posteriormente, de uma ferida de bordas elevadas que deixa uma cicatriz22 definitiva. Na forma cutaneomucosa pode ocorrer, além das lesões19 na pele2, feridas na mucosa23 do nariz16, boca17 ou garganta24 que podem desfigurar a face25. Geralmente as lesões19 mucosas26 são secundárias às lesões19 cutâneas27, surgindo meses ou mesmo anos depois destas. Às vezes, não se consegue identificar a porta de entrada do parasita12.

Como o médico diagnostica a leishmaniose?

Além da anamnese e dos exames clínicos, alguns exames laboratoriais como albumina28, leucócitos29, hemoglobina30 e enzimas hepáticas31 ficam alterados. É possível dosar anticorpos32 específicos.

O crescimento do fígado4 e do baço6 podem ser detectados pela palpação33 médica ou pela ultrassonografia34.

Exames diretos para pesquisa do parasita12 podem ser feitos através de escarificação35 das lesões19, punção aspirativa ou biópsia36. O diagnóstico37 pode ainda ser confirmado por meio de cultivo do parasita12 em meio apropriado ou pela inoculação38 em cobaias.

Como o médico trata a leishmaniose?

O tratamento da leishmaniose deve visar a cura da enfermidade, evitando a evolução para formas mais graves ou prevenindo as recidivas39. Medicações antimoniais pentavalentes são usadas em todas as formas de leishmaniose cutânea7, mas as formas mucosas26 exijem ainda maiores cuidados. Um médico deve ser sempre consultado.

Como prevenir a leishmaniose?

  • Em ambiente de mata, usar roupas adequadas e/ou repelentes.
  • Evitar tomar banhos em rios ou lagos próximos a matas, sobretudo ao entardecer.
  • Evitar contato com animais domésticos com feridas características ou sugestivas da doença.
  • Telas e mosquiteiros são pouco eficazes, porque o mosquito transmissor é muito pequeno e as atravessa com facilidade.

Como evolui a leishmaniose?

Não havendo tratamento, a leishmaniose visceral é grave o suficiente para evoluir para o óbito40, na maioria dos casos.

ABCMED, 2012. O que saber sobre leishmaniose cutânea e leishmaniose visceral?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/318605/o-que-saber-sobre-leishmaniose-cutanea-e-leishmaniose-visceral.htm>. Acesso em: 25 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Protozoário: Filo do reino animal, de classificação suplantada, que reunia uma grande parcela dos seres unicelulares que possuem organelas celulares envolvidas por membrana. Atualmente, este grupo consiste em muitos e diferentes filos unicelulares incorporados pelo reino protista.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
4 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
5 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
6 Baço:
7 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
8 Células fagocitárias: As células fagocitárias são células de defesa orgânica que atuam como células apresentadoras de antígenos. Quando combatem e destroem agentes infecciosos, colocam os antígenos desses agentes em contato com as células reconhecedoras, os linfócitos T. Quando os linfócitos T são estimulados pelos antígenos, passam a secretar linfocinas, substâncias que iniciam a etapa específica da resposta imune.
9 Macrófagos: É uma célula grande, derivada do monócito do sangue. Ela tem a função de englobar e destruir, por fagocitose, corpos estranhos e volumosos.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
13 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
14 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
15 Apatia: 1. Em filosofia, para os céticos e os estoicos, é um estado de insensibilidade emocional ou esmaecimento de todos os sentimentos, alcançado mediante o alargamento da compreensão filosófica. 2. Estado de alma não suscetível de comoção ou interesse; insensibilidade, indiferença. 3. Em psicopatologia, é o estado caracterizado por indiferença, ausência de sentimentos, falta de atividade e de interesse. 4. Por extensão de sentido, é a falta de energia (física e moral), falta de ânimo; abatimento, indolência, moleza.
16 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
17 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
18 Orelhas: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
19 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
20 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
21 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
22 Cicatriz: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
23 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
24 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
25 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
26 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
27 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
28 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
29 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
30 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
31 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
32 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
33 Palpação: Ato ou efeito de palpar. Toque, sensação ou percepção pelo tato. Em medicina, é o exame feito com os dedos ou com a mão inteira para explorar clinicamente os órgãos e determinar certas características, como temperatura, resistência, tamanho etc.
34 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
35 Escarificação: 1. Ato ou efeito de escarificar. 2. Série de arranhões ou pequenas incisões praticadas sobre uma superfície (p.ex., uma parede, a casca de uma árvore, etc.). 3. Na medicina, é o conjunto de leves incisões ou arranhaduras superficiais feitas com um escarificador (p.ex., na pele, para aplicação de uma vacina, ou num osso, para coleta de material). 4. Rebaixamento das bordas de um orifício feitas com um escarificador (ferramenta).
36 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
37 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
38 Inoculação: Ato ou efeito de inocular (-se); deixar entrar. Em medicina, significa introduzir (o agente de uma doença) em (organismo), com finalidade preventiva, curativa ou experimental.
39 Recidivas: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
40 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

28/07/2014 - Comentário feito por EDSON
estão se multiplicando os casos em SOUSA...
estão se multiplicando os casos em SOUSA e em outras cidades da Paraíba...

  • Entrar
  • Assinar