Gostou do artigo? Compartilhe!

Oncocercose: definição, causas, transmissão, diagnóstico, tratamento e prevenção

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é oncocercose?

A oncocercose, também chamada “cegueira dos rios”, é uma doença parasitária que pode levar à cegueira e que acomete exclusivamente seres humanos. Atualmente, 99% dos casos registrados no mundo ocorrem na África. A mosca transmissora vive perto dos rios, donde o nome da doença.

Veja outras doenças transmitidas por insetos: "Dengue1", "Febre2 Chikungunya", "Zika vírus3" e "Doença de Chagas4".

Quais são as causas da oncocercose?

A oncocercose é causada pela infestação5 pelo verme nematódeo Onchocerca volvulus, transmitido pela mosca negra, do gênero Simulium, popularmente chamada piúm ou borrachudo.

Quando o inseto transmissor pica um hospedeiro infectado, suga microfilárias, juntamente com o sangue6. Estas, por sua vez, maturam-se no interior do corpo do mosquito e se transformam em formas infecciosas, as quais são injetadas na circulação7 sanguínea de outro indivíduo picado pelo inseto.

Qual é o mecanismo de transmissão da oncocercose?

As formas adultas da Onchocerca volvulus parasitam o ser humano, alojando-se em nódulos no tecido conjuntivo8, por baixo da pele9 ou no tecido adiposo10, formando o oncocercoma. No local, elas se reproduzem sexuadamente durante até quinze anos gerando inúmeras larvas minúsculas ou microfilárias. Estas disseminam-se aparecendo por todo o corpo: por baixo da pele9, dentro dos olhos11, na linfa12, urina13, saliva e líquido céfalo-raquidiano. Podem surgir também no sangue6. Algumas maturam-se dentro do corpo em novas localizações produzindo novos nódulos, mas a maioria acaba por morrer devido à ação do sistema imunológico14 de defesa.

Quando a mosca pica os hospedeiros, causa microlesões na pele9 e é devido a essas lesões15 que as microfilárias entram em contato com o corpo. Uma vez dentro de uma pessoa, os vermes da oncocercose criam larvas que chegam à pele9 e podem infectar a próxima mosca que pica a pessoa.

Os germes adultos permanecem em nódulos subcutâneos. As microfilárias são capazes de induzir respostas inflamatórias intensas. A gravidade da doença é diretamente proporcional ao número de microfilárias infectadas e ao poder de resposta inflamatória da pessoa infectada.

Quais são as principais características clínicas da oncocercose?

Em algumas regiões do globo, a oncocercose é uma causa comum de cegueira, juntamente com o tracoma. Normalmente, a mosca não transmite o parasita16 na primeira picada; são necessárias muitas “mordidas” antes de ocorrer a infecção17. A pele9 apresenta erupções cutâneas18 severas que podem danificá-la. O envolvimento da pele9 geralmente consiste em coceira intensa, inchaço19 e inflamação20.

O acometimento ocular pode envolver qualquer parte do olho21, incluindo a conjuntiva22, a córnea23, a úvea24 e também o segmento posterior - retina25 e nervo óptico. Após cerca de um ano da primeira infecção17, surgem os sintomas26 relativos à reação do organismo contra as formas adultas. O encaspulamento reativo delas gera nódulos palpáveis, móveis e indolores, com cerca de alguns centímetros de diâmetro, mais facilmente detectados contra os ossos superficiais. Não há, usualmente, outros sintomas26 exceto o efeito inestético27 de alguns nódulos.

O início da produção das microfilárias leva ao surgimento de sintomas26: prurido28 e exantemas29 cutâneos (vermelhidão) com adenopatias30 (inchaço19 dos gânglios linfáticos31) e febre2. Se as filárias migrarem para o olho21 (o que ocorrerá mais cedo ou mais tarde), causarão aí reações de cicatrização e acumulação de complexos de anticorpos32, que levarão em primeiro lugar à conjuntivite33, eventualmente à queda da visão34 e, finalmente, à cegueira absoluta.

Mais raramente, ocorre elefantíase (inchaço19 extremo) do escroto35 e dos membros inferiores se houver nódulos que obstruam os canais linfáticos provenientes dessa região.

Saiba mais sobre "Tracoma", "Conjuntivite33", "Filariose" e "Linfedema ou elefantíase"

Como o médico diagnostica a oncocercose?

O diagnóstico36 pode ser feito de várias maneiras, incluindo a biópsia37 da pele9. O material recolhido pode ser colocado em solução salina normal de onde se pode observar a larva. Outro meio de diagnóstico36 é observar as larvas presentes no fundo de olho38.

Os nódulos de parasitas adultos podem ser identificados por técnicas de imaginologia (tomografia computadorizada39 ou ecografia40) ou por análise microscópica das amostras recolhidas nas biópsias41. Existe ainda uma técnica menos usada de detecção do DNA do parasita16.

Como o médico trata a oncocercose?

Ainda não existe uma vacina42 contra a doença. O tratamento dos infectados é feito com a medicação ivermectina a cada seis a doze meses. Este tratamento mata a larva, mas não os vermes adultos, permitindo o reinício do ciclo. Os nódulos sob a pele9 também podem ser removidos por cirurgia.

Como prevenir a oncocercose?

A principal forma de prevenção da oncocercose consiste em evitar ser picado pela mosca. Isso pode incluir o uso de repelentes de insetos e roupas adequadas. Outros esforços incluem aqueles para diminuir a população de moscas por pulverização de inseticidas.

Leia também sobre "Picadas de pernilongos" e "Os animais que mais matam no mundo".

 

ABCMED, 2017. Oncocercose: definição, causas, transmissão, diagnóstico, tratamento e prevenção. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1298753/oncocercose-definicao-causas-transmissao-diagnostico-tratamento-e-prevencao.htm>. Acesso em: 21 jul. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Dengue: Infecção viral aguda transmitida para o ser humano através da picada do mosquito Aedes aegypti, freqüente em regiões de clima quente. Caracteriza-se por apresentar febre, cefaléia, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica. Existe uma variedade de dengue que é potencialmente fatal, chamada dengue hemorrágica.
2 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
3 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
4 Doença de Chagas: Doença parasitária transmitida ao homem através da picada do Triatoma infestans (barbeiro). É endêmica em alguns países da América do Sul e associa-se a condições precárias de habitação. Produz em sua forma crônica um distúrbio cardíaco que termina por causar insuficiência cardíaca e distúrbios do ritmo cardíaco.
5 Infestação: Infecção produzida por parasitas. Exemplos de infestações são sarna (escabiose), pediculose (piolhos), infecção por parasitas intestinais, etc.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
8 Tecido conjuntivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
9 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
10 Tecido Adiposo: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
11 Olhos:
12 Linfa: 1. Pode referir-se à água, especialmente a límpida, no uso formal. 2. Líquido orgânico originado do sangue, composto de proteínas e lipídios, que circula nos vasos linfáticos e transporta glóbulos brancos, especialmente os linfócitos T. 3. Qualquer humor aquoso.
13 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
14 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
15 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
16 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
17 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
18 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
19 Inchaço: Inchação, edema.
20 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
21 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
22 Conjuntiva: Membrana mucosa que reveste a superfície posterior das pálpebras e a superfície pericorneal anterior do globo ocular.
23 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
24 Úvea: A úvea, também chamada trato uveal, consta de três estruturas: a íris, o corpo ciliar e a coroide. A íris, o anel colorido que rodeia a pupila negra, abre-se e fecha-se como a lente de uma câmara fotográfica. O corpo ciliar é o conjunto de músculos que dilatam o cristalino para que o olho possa focar os objetos próximos e que o tornam mais fino ao focar os mais distantes. A coroide é o revestimento interior do olho que se estende desde a extremidade dos músculos ciliares até ao nervo óptico, localizado na parte posterior do olho.
25 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
26 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
27 Inestético: Contrário à estética, ao bom gosto; não estético.
28 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
29 Exantemas: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
30 Adenopatias: Aumento anormal dos gânglios linfáticos. Pode ser acompanhado de dor, aumento da consistência, aderência a planos profundos, etc. É frequente em diversas situações, como infecções, inflamações, neoplasias, etc.
31 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
32 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
33 Conjuntivite: Inflamação da conjuntiva ocular. Pode ser produzida por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produz vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
34 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
35 Escroto:
36 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
37 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
38 Fundo de olho: Fundoscopia, oftalmoscopia ou exame de fundo de olho é o exame em que se visualizam as estruturas do segmento posterior do olho (cabeça do nervo óptico, retina, vasos retinianos e coroide), dando atenção especialmente a região central da retina, denominada mácula. O principal aparelho utilizado pelo clínico para realização do exame de fundo de olho é o oftalmoscópio direto. O oftalmologista usa o oftalmoscópio indireto e a lâmpada de fenda.
39 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
40 Ecografia: Ecografia ou ultrassonografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
41 Biópsias: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
42 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.